Novo Código Florestal Brasileiro e a contextualização das mudanças nas APPs de um rio urbano: estudo do rio Pitimbu-RN

Autores

  • Helânia Pereira da Silva Universidade Federal do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2015

Palavras-chave:

Código Florestal. Áreas de Preservação Permanente. Rio urbano. Rio Pitimbu

Resumo

O Novo Código Florestal Brasileiro, Lei nº 12.651 de 2012, reafirma as APPs (Áreas de Preservação Permanentes) como áreas frágeis a serem preservadas. Delimitando as faixas protegidas, ressaltando as margens dos rios e toda a sua vegetação. Porém, reformulou-se em conflitos e diante de uma séria dúvida quanto a sua aplicabilidade. Já que existe possibilidade de interpretações errôneas e dificuldade de inseri-lo no planejamento ambiental. Tendo em vista que o uso e ocupação as margens dos rios, as degradam, incluindo ambientes consolidados pelo uso agrícola, industrial e urbano. Assim, este artigo tem por objetivo discutir a importância das APPs do rio Pitimbu – RN, incluindo os principais impactos, e como as mudanças do Novo Código influenciam em sua proteção e, principalmente, mostrar a dificuldade entre o planejamento e a aplicabilidade da lei. Confirmou-se que as APPs do rio Pitimbu sofrem com a degradação ambiental e a falta de políticas públicas efetivas.

Biografia do Autor

Helânia Pereira da Silva, Universidade Federal do Ceará

Programa de Pós em Geografia

Referências

BORGES, A. N. Estudos de impacto ambiental do centro industrial avançado –CIA-RN. (Dissertação de mestrado). Programa de Pós Graduação em Recursos hídricos e Engenharia Sanitária: UFRN, 1999.

BORGES, A. N. Implicações ambientais na bacia hidrográfica do rio Pitumbu (RN) decorrentes das diversas formas de uso e ocupação do solo. (Dissertação de mestrado). Programa da Pós em Engenharia Sanitária, Natal: UFRN, 2002.

CONSELHO NACIONAL DE MEIO AMBIENTE. Resolução CONAMA nº 369 de 20 de março de 2006.

DIREÇÃO GERAL DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO. Carta européia do ordenamento do território. Lisboa: SEALOT-MPAT, 1998.

GUERRA, A. J. T.; CUNHA, S. B. da. Impactos urbanos no Brasil. 6ª Ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2010. .

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Manual técnico de uso da terra. 2ª ed. Rio de Janeiro: IBGE, 2006.

METZGER, J.P.O Código Florestal tem base científica?Conservação e Natureza. . São Paulo: USP, 2010.

MILLENNIUM ECOSYSTEM ASSESSMENT. EcosystemsandHumanWel-being: a framework for assessment. Disponível em: http: www.millenniummassessment.org.

MACHADO, P. A. L. Direito ambiental brasileiro. 15 ed. São Paulo: Malheiros, 2007.

MAY, P. H. Economia do meio Ambiente: teoria e prática. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010. 2ª Ed.

PRESIDENCIA DA REPÚBLICA. Dispoe sobre a proteção da vegetação nativa; altera as leis nº 6.938 de 31 de gosto de 1981. Lei nº 12.651 de Maio de 2012.

SILVA, H.P. da. Faixas de Proteção Ambiental do rio Pitimbu-RN: uma análise como subsídio ao planejamento e ordenamento do território. (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós – Graduação e Pesquisa em Geografia. Natal: UFRN, 2012.

SANTOS, R. F. dos.Planejamento ambiental: teoria e prática. São Paulo; oficina de Textos, 2004.

WHATELY, M.; HERCOWITZ, M. Serviços Ambientais: conhecer, valorizar e cuidar. Subsídios para a proteção dos mananciais de São Paulo. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2008.

VBA CONSULTORES S-C LTDA & TECNOSOLO. Elaboração do plano de Gestao integrada da bacia do rio Pitumbu. Versão final dos relatórios. Natal: secretaria de Estado dos Recursos Hidrícos. CD, 2005.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Uso e ocupação das terras e legislação ambiental