Parque Estadual Ilha do Cardoso: considerações sobre ordenamento territorial e estratégias de manejo

Autores

  • Jéssica de Lima Silva Universidade Estadual de Campinas
  • Regina Célia de Oliveira Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2018

Palavras-chave:

Unidades de Conservação. Parque Estadual Ilha do Cardoso. Perspectivas Territoriais e Paisagísti-cas. Conflitos e Territorialidades. Análise Funcional da Paisagem

Resumo

O artigo apresenta considerações referentes ao processo de organização territorial do Parque Estadual Ilha do Cardoso nos seus diferentes Núcleos presentes no Zoneamento. O artigo traz apontamentos que dizem respeito às relações que se estabelecem entre as populações tradicionais residentes, Órgão Gestor e as perspec­tivas territoriais desses atores que coexistem na Ilha do Cardoso e influenciam as dinâmicas socioambientais desta Unidade de Conservação. Os principais resultados apresentados são referentes à organização territorial dos Núcleos, sistematizada pelos moradores e quais perspectivas os mesmos apreendem dos desdobramentos da institucionalização do Parque e tais reflexos atualmente. Significativas mudanças ocorreram no Parque nos últimos anos, dentre as quais se destacam as frequentes necessidades que surgiram no esforço de conciliar as estratégias de Manejo e Gestão Participativa com as demandas das popu­lações tradicionais e suas atividades.  Assim, repensar estratégias de manejo, fazem-se necessárias para que os objetivos e funcionalidades desta Unidade de Conservação, se concretizem.

Biografia do Autor

Jéssica de Lima Silva, Universidade Estadual de Campinas

Instituto de Geociências

Regina Célia de Oliveira, Universidade Estadual de Campinas

Instituto de Geociências

Referências

BRASIL. Plano Nacional de Áreas Protegidas. Brasília: MMA/Sec. de Biodiversidade e Florestas/Diretoria de Áreas Protegidas, 2006.

BRASIL. Decreto n. 5758 de 13 de abril de 2006, que institui o Plano Estratégico Nacional de Áreas Protegidas, seus princípios, diretrizes, objetivos e estratégias e dá outras providencias.

BRASIL. Decreto n. 6040 de 7 de fevereiro de 2007 que institui a Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais.

CASTRO, C. E. A Política Nacional de Proteção da Natureza e seus Desdobramentos no Território do Parque Nacio¬nal dos Lençóis Maranhenses. Tese (Doutorado), UNESP, Presidente Prudente, 2012.

CNRBMA. Conselho Nacional da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica. Sistema Nacional de Unidades de conservação: texto da Lei 9.985 de 18 de julho de 2000 e vetos da presidência da República ao PL aprovado pelo Congresso Nacional. 2ed. revista e ampliada. São Paulo: CNRBMA, 2002.

DIEGUES, A. C. Saberes tradicionais e etnoconservação. In: DIEGUES, A. C.; VIANA, V. M. Comunidades tradicionais e manejo dos recursos naturais da Mata Atlântica. São Paulo: NUPAUB/LASTROP, 2004. p.9-22.

DIEGUES, A. C. A ecologia política das grandes ONGs transnacionais conservacionistas. São Paulo: NUPAUB-USP, 2008.

DIEGUES, A. C.; ARRUDA, R. S. V. (Org.). Saberes tradicionais e biodiversidade no Brasil. Brasília, DF: Ministério do Meio Ambiente; São Paulo: USP, 2001. 176 p.

FERREIRA, L. C. Conflitos sociais em Áreas Protegidas no Brasil: moradores, instituições e ONGs no Vale do Ribeira e Litoral Sul, SP. Idéias, v.8, n.2, 2001.

INSTITUTO SOCIOAMBIENTAL – ISA. Almanaque Brasil Socioambiental. São Paulo: Instituto Socioambiental, 2005.

IRVING, M. A. Refletindo sobre a Relação entre Proteção da Natureza e Ecoturismo em áreas protegidas: tendências no contexto brasileiro. In: IRVING & AZEVEDO (Orgs.) Turismo: o desafio da Sustentabilidade. São Paulo: Editora Futura, 2002.

IUCN. Guidelines for Protected Areas Management Categories. Cambridge, United Kingdon and Gland, Switzerland: IUCN, 1994. 29p.

MEDEIROS, R. Evolução das tipologias e categorias de áreas protegidas no Brasil. Ambiente & Sociedade, v..9, n.1, p. 41-64, 2006.

PADUA, M. T. J. Unidades de Conservação: muito mais do que atos de criação e planos de manejo. In: Milano, M.S. (org.) Unidades de Conservação: Atualidades e Tendências. Curitiba: Fundação O Boticário de Proteção à Natureza, 2003.

RODRIGUEZ, J. M. M.; SILVA, E. D.; CAVALCANTI, A. P. B. Geoecologia da paisagem: uma visão geossistêmica da análise ambiental. Fortaleza: EDUFC, 2010.

SANTILLI, J. Povos indígenas, quilombolas e populações tradicionais: a construção de novas categorias jurídicas. In:

VALLEJO, L. R. Unidades de conservação: uma discussão teórica à luz dos conceitos de território e de políticas públicas. 2010.

Disponível em: < www.uff.br/geographia/ojs/index.php/geographia/article/.../88 >. Acesso em 12 outubro 2011.

VIANNA, L. P. De invisíveis a protagonistas – populações tradicionais e unidades de conservação. São Paulo: Anna Blume Editora, 2008.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Biogeografia, Manejo de Áreas Naturais e Protegidas: Conservação da Biodiversidade