Análise da vulnerabilidade ambiental em áreas protegidas: o caso da APA do Maracanã – São Luís/MA

Autores

  • Marly Silva de Morais Universidade Estadual do Maranhão
  • Gilberlene Serra Lisboa Universidade Estadual do Maranhão
  • Jerfesson Domingos Viana Universidade Estadual do Maranhão
  • José Fernando Rodrigues Bezerra Universidade Estadual do Maranhão

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2024

Palavras-chave:

Área de Proteção ambiental. Vulnerabilidade ambiental. Impacto ambiental

Resumo

As áreas de Proteção Ambiental são instituídas pelo Poder Público. Como unidade de conservação sustentável, a APA permite a ocupação humana. No entanto seu uso desordenado causa a deterioração do ecossistema. Neste sentido, o presente trabalho teve como objetivo analisar e caracterizar a vulnerabilidade ambiental da APA do Maracanã para compreensão dos elementos e fatores que compõem o seu espaço, dinâmica e processos, para tentar minimizar os impactos ambientais negativos. Para alcançar estes objetivos realizou-se um levantamento bibliográfico, trabalhos de campo, além de técnicas de geoprocessamento para caracterizar os componentes geoambientais, considerando o levantamento e o cruzamento desses aspectos, a partir da proposta de Tricart (1977) e Ross (1990, 1991, 1992 e 1994). Como resultado, verificou-se que a área de altíssima vulnerabilidade ambiental ocupa cerca de 4,6%, a forte 28,5% enquanto a média ocupa 49,2% , a baixa 14,6% e a muito baixa 3,1%. Pôde-se concluir que a área de estudo constitui um local de média vulnerabilidade ambiental.

Biografia do Autor

Marly Silva de Morais, Universidade Estadual do Maranhão

Mestranda em Geografia, Dinâmica da Natureza e do Espaço/Universidade Estadual do Maranhão

Gilberlene Serra Lisboa, Universidade Estadual do Maranhão

Mestranda em Geografia, Dinâmica da Natureza e do Espaço/Universidade Estadual do Maranhão

Jerfesson Domingos Viana, Universidade Estadual do Maranhão

Mestranda em Geografia, Dinâmica da Natureza e do Espaço/Universidade Estadual do Maranhão

José Fernando Rodrigues Bezerra, Universidade Estadual do Maranhão

Mestranda em Geografia, Dinâmica da Natureza e do Espaço/Universidade Estadual do Maranhão

Referências

ADGER W. Vulnerability. Tyndall Centre for Climate Change Research, School of Environmental Sciences. University of East Anglia, Norwich NR4 7TJ, UK. 2006. p.1-14

BRASIL. Lei nº 9.985 de 18 de julho de 2000. Regulamenta o art. 225, 1º, incisos I, II, III e VII da Constituição Federal, institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) e dá outras providências. Diário Oficial da União, 2000.

BEZERRA, J. F. R. Geomorfologia e reabilitação de áreas degradadas por erosão com técnicas de bioengenharia de solos na bacia do rio Bacanga, São Luís, Maranhão. Tese de Doutorado. Rio de Janeiro - Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2011.

CATELLANI, Rodrigo. Utilização de Técnicas em Sistemas de Informações Geográficas para a determinação da Vulnerabilidade Natural e Ambiental da região do Campo Petrolífero do Canto do Amaro na Bacia Potiguar/RN. 2004. 114f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Geociências, UFRN, Natal, 2004.

CHISTOFOLETTI, A. Modelagem de sistemas ambientais. São Paulo: Edgard Blücher, 1999. 236 p.

CONAMA. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução CONAMA nº 10, de 01 de janeiro de 1986. Avaliação de Impacto Ambiental. Disponível em: . Acesso em: 18 de junho de 2015.

CONAMA. Conselho Nacional do Meio Ambiente. Resolução CONAMA nº 10, de 14 de dezembro de 1988. Área de Proteção Ambiental e Zonas de Conservação. Disponível em: . Acesso em: 18 de junho de 2015.

FARIAS FILHO, Marcelino Silva. Caracterização geoambiental da Área de Proteção Ambiental da Região do Maracanã, São Luís –MA. In___: CARVALHO NETA, R. N. F (org). Área de Proteção Ambiental do Maracanã: subsídios ao manejo e à Educação Ambiental. São Luís: FAPEMA, Café & Lápis, 2010. 15 –39 p.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Dicionário Aurélio Básico da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1988, p. 214

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Mapa das províncias estruturais e domínios geotectônicos. In: http://geoftp.ibge.gov.br/mapas/tematicos/tematico_estadual/- Rio de Janeiro. 2011. Acesso em 25/07/2013.

KAWAKUBO, F. S.; MORATO, R. G.; CAMPOS, K. C.; LUCHIARI, A.; ROSS, J. L. S. 2005. Caracterização empírica da fragilidade ambiental utilizando geoprocessamento. In:Anais XII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Goiânia, INPE, p. 2203-2210.

MARANDOLA, E. & HOGAN, D. Vulnerabilidade do lugar vs. Vulnerabilidade sociodemográfica: implicações metodológicas de uma velha questão. Revista Brasileira de Estudos Populacionais, Rio de Janeiro, v. 26, n. 2, p.161-181, jul. 2009.

MARANHÂO. Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais do Estado do Maranhão. Secretaria de Estado do Meio Ambiente e Recursos Hídricos. Diagnóstico ambiental da microrregião da aglomeração urbana de São Luís e dos Municípios de Alcântara, Bacabeira e Rosário. São Luís, 1998.

MOTA, S. Introdução a Engenharia Ambiental. Rio de Janeiro: ABES, 1997. 292p.

OLIVEIRA, M. S. Mudanças no uso e ocupação do solo decorrentes da industrialização e suas implicações socioambientais na APA do Maracanã e zona de amortecimento. Projeto de monografia. São Luís: UFMA, 2011.

SANTOS, J.O. do. Vulnerabilidade Ambiental e Áreas de Risco na Bacia Hidrográfica do Rio Cocó – RMF, (Dissertação de Mestrado) UECE, 2006. p.212.

ROSS J. L.S. Geomorfologia ambiente e planejamento. Contexto. São Paulo, 1990.

__________. O registro cartográfico dos fatos geomorfológicos e a questão da taxonomia do relevo. Revista do Departamento de Geografia, n.6, São Paulo: Edusp, p. 17-30. 1992.

__________. Análise empírica da fragilidade dos ambientes naturais e antropizados. In:Revista do Departamento de Geografia, 8, p. 63-74. 1994.

SILVA, Q. D. Mapeamento geomorfológico da Ilha do Maranhão/ Tese de Doutorado. Presidente Prudente- Universidade Estadual de São Paulo, 2012.

TAGLIANI C.R.A. Técnica para avaliação da vulnerabilidade de ambientes costeiros utilizando um Sistema Geográfico de Informações. Porto Alegre, UFRGS. 2002. Disponível em: <http://www.fatorgis.com.br>. Acesso em: 09 abril. 2017.

TURNER II, B.; KASPERSON, R.; MATSON, P.; MCCARTHY, J.; CORELL, R.; CHRISTENSEN, L.; ECKLEY, N.; KASPERSON, J.; LUERS, A.; MARTELLO, M.; POLSKY, C.; PULSIPHER, A.; SCHILLER, A. A Framework for Vulnerability Analysis in Sustainability Science. Proceedings of the National Academy of

Sciences US (PNAS), Vol.100. 2003a. p. 8074-8079.

TRICART, J. Ecodinâmica. Rio de Janeiro: IBGE, 1977.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Biogeografia, Manejo de Áreas Naturais e Protegidas: Conservação da Biodiversidade