Formações xerófitas no Cerro do Diogo, na localidade de Rodeio Velho, Santana da Boa Vista, RS

Autores

  • Rodrigo Corrêa Pontes Universidade Federal de Santa Maria
  • Maurício Rizzatti Universidade Federal de Santa Maria
  • Cibele Stefanno Saldanha Universidade Federal de Santa Maria
  • Mauro Kumpfer Werlang Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2027

Palavras-chave:

Bioma Pampa. Fitogeografia. Geomorfologia. Rio Grande do Sul

Resumo

O estudo a seguir busca apontar a relevância do Cerro do Diogo, na localidade de Rodeio Velho, a oeste do município de Santana da Boa Vista, na Serra do Sudeste do Rio Grande do Sul, RS. A área de estudo apresenta diversas geoformas com interessantes aspectos fitogeográficos e geomorfológicos tais como afloramentos rochosos e escarpamentos, promovendo a existência de ambientes adequados para o estabelecimento de elementos florísticos de caráter xerófito. Esse tipo específico de vegetação presente nesses litobiomas é representado majoritariamente por espécies relictuais como bromeliáceas e cactáceas que perduraram em ambientes que reproduzem condições similares aos seus ecossistemas originais pretéritos. Baseado em fundamentos da Fitogeografia e da Geomorfologia, o trabalho tem como objetivo identificar, caracterizar e relacionar a flora xerofítica com os respectivos ambientes constituintes da paisagem da área de estudo, demonstrando a importância da preservação e conservação desses diminutos e disjuntos pontos de significativa biodiversidade.

Biografia do Autor

Rodrigo Corrêa Pontes, Universidade Federal de Santa Maria

Doutorando em Geografia, Departamento de Geociências/Universidade Federal de Santa Maria.

Maurício Rizzatti, Universidade Federal de Santa Maria

Mestrando em Geografia, Departamento de Geociências/Universidade Federal de Santa Maria.

Cibele Stefanno Saldanha, Universidade Federal de Santa Maria

Mestranda em Geografia, Departamento de Geociências/Universidade Federal de Santa Maria.

Mauro Kumpfer Werlang, Universidade Federal de Santa Maria

Prof. Dr. do Departamento de Geociências, Universidade Federal de Santa Maria.

Referências

AB’SÁBER, A. N. Espaços ocupados pela expansão dos climas secos na América do Sul, por ocasião dos períodos glaciais quaternários. Paleoclimas, São Paulo, n. 3, p. 1-19, 1977.

AB’SÁBER, A. N. Os mecanismos da desintegração das paisagens tropicais no Pleistoceno. Efeitos paleoclimáticos do período Würm-Wisconsin no Brasil. São José do Rio Preto: Inter Facies, 1979, n. 4, p. 1-19.

BIGARELLA, J. J.; BECKER, R. D; SANTOS, G. F. Estrutura e origem das Paisagens tropicais e subtropicais. 2. ed. Florianópolis: Ed. da UFSC, 2007. (Volume 1).

CARNEIRO, A. M; SINGER, R. F; RAMOS, R. A; NILSON; A. D. Cactos do Rio Grande do Sul. Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul, 2016. 224 p

FILGUEIRAS, T; et. al. Método de Caminhamento: um método expedito para levantamentos florísticos qualitativo. Caderno de Geociências. Rio de Janeiro: IBGE, n.12, out/dez, 1994. p. 39-44

HAFFER, J. Speciation in Amazonian forest birds. Science, Washington, n. 165, p. 131-137, 1969.

HOLZ, M. Do mar ao deserto: a evolução no Rio Grande do Sul no tempo geológico. 2. ed. Porto Alegre: UFRGS 2003. 142 p.

HUNT, D. R.; TAYLOR, N. P.; CHARLES, G. The new cactus lexicon. Milborne Port: Dh Books, 2006. 374 p

KERN, A. A. Paleopaisagens e povoamento pré-histórico do Rio Grande do Sul. Estudos ibero-americanos, Porto Alegre, v. 8, n. 2, p. 153-208, 1982.

LINDMAN,C. A. M. A vegetação do Rio Grande do Sul (Brasil Austral). Porto Alegre: Livraria Universal de Echenique Irmãos & Cia, 1906. 356 p.

MAPA GEOLÓGICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL. Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais. Porto Alegre, Serviço Geológico do Brasil, 2006. 1 mapa, color. Disponível em: <http://geobank.sa.cprm.gov.br/pls/publicogeobank.download.downloadlayouts?p_webmap=N>. Acesso em 13 jan .2017.

MARCHIORI, J. N. C. Fitogeografia do Rio Grande do Sul: enfoque histórico e sistemas de classificação. Porto Alegre: EST, 2002.

MARCHIORI, J. N. C. Fitogeografia do Rio Grande do Sul. Campos Sulinos. Porto Alegre: EST, 2004. 110 p.

MARCHIORI, J. N. C. Fitogeografia do Rio Grande do Sul: Embasamento florístico. Porto Alegre: EST, 2006. 40p.

RAMBO, B. A fisionomia do Rio Grande do Sul. Ensaio de monografia natural. São Leopoldo: 3. ed, Ed. da UNISINOS, 1956. 456 p.

ROMARIZ, D. A. Biogeografia: temas e conceitos. São Paulo: Scortecci, 2012. 199 p.

ROOS, J. L. S. Geografia do Brasil. 6. ed. São Paulo: Edusp, v. 1, 1996. 552 p.

TROPPMAIR, H. Biogeografia e meio ambiente. 9 ed. Rio de Janeiro: Technical Books, 9. ed. 2012. 281 p.

WAECHTER, J. L. Padrões geográficos na flora atual do Rio Grande do Sul. Ciência & Ambiente. Santa Maria: n. 24, jan./jun. 2002. p. 93-108

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Biogeografia, Manejo de Áreas Naturais e Protegidas: Conservação da Biodiversidade