Classificação das áreas úmidas no sistema estuarino Galinhos e Guamaré (RN)

Autores

  • Ana Caroline Damasceno Souza Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Alisson Medeiros de Oliveira Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Diógenes Félix da Silva Costa Universidade Federal do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2031

Palavras-chave:

Áreas úmidas. Ambientes costeiros hipersalino. Geotecnologias

Resumo

As Áreas Úmidas são ambientes terrestres e aquáticos (e em sua transição), que são periodicamente inundados. No Brasil, estes ecossistemas estão distribuídos por todo o país, onde calcula-se que elas representem 20% do território. Notando-se a importância que tem as Áreas Úmidas (AUs) para o homem, é necessário que haja registros científicos na literatura, através de uma identificação e classificação no complexo Galinhos-Guamaré (RN), buscando um maior incentivo à preservação destes ambientes. Para alcançar este objetivo, foram utilizadas as geotecnologias para a classificação das AUs identificadas neste sistema etuarino, seguindo a proposta elaborada por Junk et al (2014). As AUs presentes nessa área de estudo estão diretamente relacionadas aos fatores climáticos da região, devido a disponibilidade hídrica com o avanço periódico das marés, as altas temperaturas (>28ºC), baixa pluviosidade (<800mm/ano) e posição geográfica. Foram identificados cinco tipos de AUs: manguezais, apicuns/salgados/planície de maré, salinas solares, carcinicultura, e estuário, sendo estes ecossistemas considerados salinos e hipersalinos.

Biografia do Autor

Ana Caroline Damasceno Souza, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Grupo de Pesquisa em Geoecologia e Biogeografia de Ambientes Tropicais - TRÓPIKOS

Alisson Medeiros de Oliveira, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Programa de Pós-graduação e Pesquisa em Geografia (PPGE)/TRÓPIKOS

Diógenes Félix da Silva Costa, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Programa de Pós-graduação e Pesquisa em Geografia (PPGE)/TRÓPIKOS

Referências

ARAUJO, W. S. ; OLIVEIRA, A. M.; COSTA, D. F. S. Serviços ecossistêmicos prestados por lagoas costeiras no litoral setentrional do Rio Grande do Norte. Revista do CERES, v. 1, p. 30-35, 2015.

COMMON INTERNATIONAL CLASSIFICATION OF ECOSYSTEM SERVICES (CICES). Paper prepared for discussion at the expert meeting on ecosystem accounts organized by the UNSD, the EEA and the World Bank, London, 2011. Disponível em: <http://unstats.un.org/unsd/envaccounting/seeaLES/egm/Issue8a.pdf>. Acesso em: jul. 2016.

COSTA, D. F. S. Caracterização ecológica e serviços ambientais prestados por salinas tropicais. 2013. 206 f. Tese (Doutorado em Ecologia, Biodiversidade e Gestão de Ecossistemas) - Programa de Pós-graduação em Biologia, Departamento de Biologia, Universidade de Aveiro. Aveiro – Portugal, 2013.

COSTA, D. F. S.. Solar saltworks ecosystems an initial step for your valuation by ecosystems services in Brazil. SIL News, v. 67, p. 09-10, 2015.

COSTA, D. F. S.; DE MEDEIROS ROCHA, R. ; CESTARO, L. A. Análise fitoecológica e zonação do manguezal em um estuário hipersalino. Mercator (Fortaleza), v. 13, p. 119-126, 2014.

COSTA, D. F. S.; DE MEDEIROS ROCHA, R.; CANDIDO, G. A.; SOARES, A. M. V. M. Geographical location and solar salt production. Mercator (Fortaleza), v. 14, n. 02, p. 91-98, mai/ago, 2015.

COSTA, D. F. S.; GUEDES, D.R.C. ; DE MEDEIROS ROCHA, R. ; BARBOSA, J. E. L. ; SOARES, A. M. V. M. ; LILLEBO, A. I. Influência de macroaspectos ambientais na produção de sal marinho no litoral semiárido do Brasil. Revista de Geografia, v. 31, p. 28-42, 2014.

COSTA, D. F. S.; GUEDES, D.R.C. ; MOREIRA DA SILVA, D. E. M. Identificação dos padrões morfométricos dos sistemas lacustres e flúvio-lagunares no litoral setentrional do Rio Grande do Norte. Boletim Paulista de Geografia, v. 94, p. 65-83, 2016.

COSTA, D.F.S.; ROCHA, R.M.; LILLEBO, A.; SOARES, A.M.V.M. Análise dos Serviços Ambientais prestados pelas Salinas Solares. Boletim Gaúcho de Geografia, v. 1, n. 41, p. 195-209, 2014.

COWARDIN, L. M., CARTER, V., GOLET, F. C.; LAROE, E. T. Classification of wetlands and deep water habitats of the United States. Office of biological services, United States Fish and Wildlife Service, 131 p., 1979

DE BACKER, A.; VAN COLEN, C.; VINCX, M.; DEGRAER, S. 2010. The role of biophysical interactions within the ijzermonding tidal flat sediment dynamics. Continental Shelf Research, v. 30, n. 9, p. 1166-1179, 2010.

DYER, K. R. The typology of intertidal mudflats. In: BLACK, K. S.; PATERSON, D. M.; CRAMP, A. Sedimentary Processes in the Intertidal Zone, London: Geological Society Special Publication 139, 1998. p. 11-24.

ERFTEMEIJER, P. L. A.; LEWIS III, R. R. Planting mangroves on intertidal mudflats: habitat restoration or habitat conversion?. In: ECOTONO, 8., 1999, Bangkok. Anais… Bangkok: Ranong & Phuket, 1999. p. 156-165.

GIANNOTTI, A. Psicologia nas instituições médicas e hospitalares. In: OLIVEIRA, M. F. P.; ISMAEL, M. C. (Org.). Rumos da psicologia hospitalar em cardiologia. Campinas: Papirus, 1996. p. 14-28.

GUEDES, D. R. C. Padrões morfométricos dos ecossistemas aquáticos costeiros no litoral setentrional do Rio Grande do Norte. Monografia (Bacharelado em Geografia). Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro de Ensino Superior do Seridó, Caicó, 2014.

JUNK, W. J.; PIEDADE, M. T. F.; LOURIVAL, R.; WITTMANN, F; KANDUS, P.; LACERDA, L. D.; BOZELLI, R. L.; ESTEVES, F. A.; NUNES DA CUNHA, C.; MALTCHIK, L.; SCHÖNGART, J.; SCHAEFFERNOVELLI, Y.; AGOSTINHO, A. A.; Brazilian wetlands: their definition, delineation, and classification for research, sustainable management, and protection. Aquatic Conservation: Mar. Freshw. Ecosyst., v. 24, p. 5-22, 2014.

JUNK, W. J.; PIEDADE, M. T. F.; LOURIVAL, R.; WITTMANN, F; KANDUS, P.; LACERDA, L. D.; BOZELLI, R. L.; ESTEVES, F. A.; NUNES DA CUNHA, C.; MALTCHIK, L.; SCHÖNGART, J.; SCHAEFFERNOVELLI, Y.; AGOSTINHO, A. A.; NÓBREGA, R. L. B.; CAMARGO, E. Definição e Classificação das Áreas Úmidas (AUs) Brasileiras: Base Científica para uma Nova Política de Proteção e Manejo Sustentável. In: NUNES DA CUNHA, C.; PIEDADE, M. T. F.;

JUNK, W. J. (Org.) Classificação e Delineamento das Áreas Úmidas Brasileiras e de seus Macrohabitats. Cuiabá: EdUFMT, 2015. p. 13-82.

MIRANDA, L. B.; CASTRO, B. M.; KJERFVE, B. Princípios de Oceanografia física de estuários. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 2002.

MOREIRA DA SILVA, D. E. Classificação das áreas úmidas costeiras da Zona Estuarina do Rio Apodi-Mossoró (RN). Monografia (Bacharelado em Geografia). Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro de Ensino Superior do Seridó, Caicó, 2016.

MOREIRA DA SILVA, D. E.; COSTA, D. F. S. Classificação das áreas úmidas (AUs) hipersalinas da bacia hidrográfica do Rio Piancó-Piranhas-Açu e da Faixa Litorânea Norte de Escoamento Difuso. REGNE, v. 2, n. especial, p. 1436-1446, 2016.

OLIVEIRA, A. M.; COSTA, D. F.S.; ARAÚJO, W. S.; SILVA, E. E.S. Análise dos serviços ecossistêmicos em reservatórios da Região Nordeste Semiárida do Brasil. REGNE, v. 2, n. especial, p. 1447-1458, 2016.

PRITCHARD, D. W. Estuarine hydrography. Advances in Geophysics, v.1, p. 243-280,1952.

RIBEIRO, L. F.; SOUZA, M. M.; BARROS, F.; HATJE, V. Desafios da carcinicultura: aspectos legais, impactos ambientais ealternativas mitigadoras.

Revista de Gestão Costeira Integrada / Journal of Integrated Coastal Zone Management, v.14, n.3, p. 365-383, 2014.

RUTE DA SILVA, A. Produção artesanal de sal marinho no litoral setentrional do Rio Grande do Norte. Monografia (Bacharelado em Geografia).

Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Centro de Ensino Superior do Seridó, Caicó, 2015.

SCOTT, D. A.; JONES, T. A. Classification and inventory of wetlands: A global overview. Vegetatio, v. 118, n. 1, p. 3-16, 1995.

SOUZA, A. C. D.; SOUZA, A. C. D ; SALDANHA, D. S. ; COSTA, D. F. S. . Serviços ecossistêmicos como ferramenta de apoio a formulação de políticas públicas para gestão de ambientes hipersalinos no litoral semiárido brasileiro. In: Encontro Nacional de Planejamento Urbano-Regional no Semiárido (ENAPUR-SEMIÁRIDO), 1, 2016, Pau dos Ferros, RN. Anais... Natal: CCHLA, 2016. v. 1. p. 962-973.

TAHIM, E. F.; ARAÚJO JUNIOR, I. F. A carcinicultura do nordeste brasileiro e sua inserção em cadeias globais de produção: foco nos APLs do Ceará. Rev. Econ. Sociol. Rural, v. 52 n. 3, 2014.

WIOREK, W. D. Variação morfológica e sedimentológica de um trecho de planície de maré no canal da passagem, Vitória-ES. Monografia (Bacharelado em Oceanografia). Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2013

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Biogeografia, Manejo de Áreas Naturais e Protegidas: Conservação da Biodiversidade