Capacidade de carga e análise da efetividade da revitalização de uma trilha interpretativa na RPPN URU - Lapa/PR

Autores

  • Lucas Pontes Universidade Federal do Paraná
  • Eduardo Vedor de Paula Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2035

Palavras-chave:

Floresta com Araucárias. Unidades de conservação. Uso público. Planejamento ambiental

Resumo

Áreas naturais protegidas são reconhecidas como a melhor estratégia para a preservação dos recursos naturais e manutenção dos processos ecológicos. No entanto, com o aumento do ecoturismo e dos impactos causados por estas atividades, se faz necessário um planejamento que ordene a visitação para que não haja impactos negativos ao ecossistema. A Reserva Particular do Patrimônio Natural Uru, localizada no Município da Lapa/PR está inserida no domínio fitogeográfico da Floresta com Araucárias e foi revitalizada para implantação do Programa de Uso Público com foco na realização de atividades de educação ambiental. Assim, o traçado da Trilha das Araucárias (650m) foi redesenhado e recebeu cobertura de grimpas trituradas de araucária (Araucaria angustifolia), uma nova metodologia que após dois anos de visitação (2.468 visitantes) na área se mostrou eficiente. A capacidade máxima de visitação da trilha foi definida através do cálculo de capacidade de carga que resultou em 251 pessoas/dia.

Biografia do Autor

Lucas Pontes, Universidade Federal do Paraná

Departamento de Geografia

Eduardo Vedor de Paula, Universidade Federal do Paraná

Departamento de Geografia

Referências

CEGANA, A.C.V.; TAKAHASHI, L.Y. Situação atual do planejamento e uso público das Reservas Particulares do Patrimônio Natural no Estado do Paraná. Revista Brasileira de Conservação da Natureza, Curitiba, vol.3, nº.1, p.83-92 Abr. 2005.

CIFUENTES Arias, Miguel et al. Capacidad de carga turística de las áreas de uso público del Monumento Nacional Guayabo, Costa Rica, 1999. Disponível em: <http://awsassets.panda.org/downloads/wwfca_guayabo.pdf>. Acesso em: 01 fevereiro de 2017.

COLE, D. Low-impact recreational practices for wilderness and backcountry. General Technical Report INT. USDA. Forest Service, Ogden, n.265, p.1- 31, 1989.

DELGADO, M. Análise da Metodologia Criada por Miguel Cifuentes referente à Capacidade de Carga Turística. Turismo em Análise, São Paulo, v. 18, n. 1, p. 73-93, 2007.

DRUMM, A.; MOORE A. Desenvolvimento do Ecoturismo – um manual para planejadores e gestores de conservação. Virginia. USA. The Nature Conservancy. 2003.

EMBRAPA – Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasília: Embrapa Produção de informação; Rio de Janeiro, 1999.

FUNDAÇÃO NEOTRÓPICA. Análisis de Capacidad de Carga para Visitación en las areas silvestres de Costa Rica. Centro de Estudios Ambientales y Políticas. San José, Costa Rica, 1992.

FUPEF - Fundação de Pesquisas Florestais do Paraná. Conservação do Bioma Floresta com Araucária: relatório final. Diagnóstico dos remanescentes florestais/PROBIO Araucária. v.1 FUPEF, Curitiba, Brasil, 124p, 2001.

HIGA, A.R. 2002. SIFLOR – Sistema de Informações para Planejamento Florestal. Curitiba, 2002. 1 cd-rom 52,3 MB. Mapas interativos do Estado do Paraná.

IAPAR, Instituto Agronômico do Paraná, Médias históricas nas Estações do IAPAR, Londrina, PR. Disponível em http://www.iapar.br/arquivos/Image/monitoramento/Medias_Historicas/Lapa.htm Acesso em: 10 de outubro 2013.

LECHNER, L. Planejamento, Implantação e Manejo de Trilhas em Unidades de Conservação. Cadernos de Conservação nº 3. Fundação o Boticário de Proteção a Natureza. Curitiba-PR, 2006.

TAKAHASHI, L.Y. Limite Aceitável de Câmbio (LAC): Manejando e Monitorando Visitantes. In: I Congresso Brasileiro de Unidades de Conservação. Anais. Curitiba: IAP: UNILIVRE: Rede Nacional Pro Unidades de Conservação, 1997 2v.

SPVS, Sociedade de Pesquisa em Vida Selvagem e Educação Ambiental. Plano de Manejo RPPN URU, Curitiba, PR, 2014.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Biogeografia, Manejo de Áreas Naturais e Protegidas: Conservação da Biodiversidade