Estado de conservação e domínios fitogeográficos das espécies utilizadas pela comunidade quilombola Santa Cruz, Brejo Grande/SE

Autores

  • Ray Santos Andrade Universidade Federal de Sergipe
  • Neise Mare de Souza Alves Universidade Federal de Sergipe
  • Marta Cristina Vieira Farias Universidade Federal de Sergipe
  • Bruna Leidiane Pereira Santana Universidade Federal de Sergipe

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2043

Palavras-chave:

Brejo Grande. Comunidades tradicionais. Conservação. Domínios fitogeográficos

Resumo

Pesquisas sobre a biodiversidade brasileira e distribuição geográfica das espécies vegetais se encontram em estágio exploratório. Diante disso, o presente trabalho tem por objetivo analisar o estado de conservação das espécies utilizadas pela comunidade quilombola Santa Cruz, Brejo Grande/SE, identificando os dominios fitogeográficos brasileiros onde as mesmas se distribuem. Os estudos se baseiam nos pressupostos geossistêmicos, que se harmonizam com a análise integrada da paisagem. O material botânico coletado foi herborizado e levado ao Herbário ASE para identificação. As espécies foram classificadas quanto ao grau de ameaça de extinção, enquanto a distribuição fitogeográfica se deu mediante consultas ao banco de dados Flora do Brasil. Os resultados permitiram constatar que a maioria das espécies apresenta ampla distribuição, à exceção das seguintes: joazeiro (Ziziphus joazeiro Mart.) e gameleiro (Ficus cyclophylla (Miq.) Miq.). As análises também indicaram que a espécie F. cyclophylla se encontra ameaçada, sendo classificada em situação de perigo pelo IUCN.

Biografia do Autor

Ray Santos Andrade, Universidade Federal de Sergipe

Departamento de Biologia

Neise Mare de Souza Alves, Universidade Federal de Sergipe

Departamento de Geografia

Marta Cristina Vieira Farias, Universidade Federal de Sergipe

Departamento de Biologia

Bruna Leidiane Pereira Santana, Universidade Federal de Sergipe

Departamento de Geografia

Referências

ALVES, N. M. S. Análise geoambiental e socioeconômica dos municípios costeiros do litoral norte do estado de Sergipe – Diagnóstico como subsídio ao ordenamento e gestão do território. Tese (Doutorado em Geografia) Núcleo de Pós-Graduação em Geografia, Pró-Reitoria de Pós-Graduação e Pesquisa, Universidade Federal de Sergipe, 2010.

APG IV. An update of the Angiosperm Phylogeny Group classification for the orders and families of flowering plants: APG VI. Botanical Journal of the Linnean Society, 2016.

BERTRAND, G. Paisagem e geografia física global: esboço metodológico. Caderno de Ciências da Terra, São Paulo, n. 13, p. 1-27, 1972.

BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Projeto RADAMBRASIL: folha SC.24/25 Aracaju/Recife: geologia, geomorfologia, pedologia, vegetação, uso potencial da terra. Rio de Janeiro, 1983. 851 p. (Levantamento de Recursos Naturais, 30).

CRIA - CENTRO DE REFERÊNCIA EM INFORMAÇÃO AMBIENTAL. Species link. Disponível em: <http://www.splink.cria.org.br> Acesso em: 15 mar. 2017

DRUMMOND, G. M. et al. Biota Minas: Diagnostico do conhecimento sobre a biodiversidade no Estado de Minas Gerais-subsidio ao Programa Biota Minas. In: Biota Minas: Diagnostico do conhecimento sobre a biodiversidade no Estado de Minas Gerais-subsidio ao Programa Biota Minas. Fundação Biodiversitas, 2009.

FERNANDES, I. O. L. Avaliação energética e ambiental da produção de óleo de dendê para biodiesel na região do baixo sul, Bahia. 2009 151f.. Dissertação (Mestrado em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente) - Programa Regional de Pós-Graduação em Desenvolvimento Regional e Meio Ambiente (PRODEMA). Ilhéus: UESC, 2009.

FUNDAÇÃO BIODIVERSITAS. Lista da flora brasileira ameaçada de extinção, segundo avaliação no workshop da fundação biodiversitas. Disponível em: <http://www.biodiversitas.org.br/florabr/lista_florabr.pdf > Acesso em: 14 mar. 2017

GILLUNG, J. P. Biogeografia: a história da vida na Terra. Revista da Biologia, v. esp. 2011.

GIULIETTI, A.M. et al. Biodiversidade e conservação das plantas no Brasil. Megadiversidade, v. 1, n. 1, p. 52-61. 2005.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Cidades. Sergipe: Brejo Grande. 2017. Disponível em: < http://cidades.ibge.gov.br/xtras/temas.php?lang=&codmun=280070&idtema=16&search=sergipe|brejo-grande|sintese-das-informacoes >;. Acesso em: 13 mar. 2017

KETTUNEN, M.; TEN BRINK, P. Value of Biodiversity, Documenting EU examples where biodiversity loss has led to the loss of ecosystem services. Brussels, Belgium: The Institute for European Environmental Policy (IEEP), p. 131, 2006.

LEÃO, T. C. C et al. Espécies exóticas invasoras no Nordeste do Brasil: contextualização, manejo e políticas públicas. Centro de Pesquisas Ambientais do Nordeste e Instituto Hórus de Desenvolvimento e Conservação Ambiental. Recife, PE, p. 56, 2011.

LEITÃO FILHO, H. F. Considerações sobre a Florística de Florestas Tropicais e sub-tropicais do Brasil. Revista do IPPEF v. 35, p. 41-46, 1987.

LEITMAN, P. et al. Arecaceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro, 2015. Disponível em: <http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/floradobrasil/FB22138>.

LISTA DE ESPÉCIES DA FLORA DO BRASIL. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. 2017. Disponível em: <http://floradobrasil.jbrj.gov.br/ >. Acesso em: 14 Mar. 2017

LORENZI, H. Árvores brasileiras: manual de identificação e cultivo de plantas arbóreas do Brasil. vol. 1, 5ª ed., Nova Odessa, São Paulo: Instituto plantarum, 2008.

MMA - MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE. Lista oficial de espécies da flora brasileira ameaçada de extinção, Brasil. Instrução normativa nº 6 de 23 de setembro de 2008. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/estruturas/ascom_boletins/_arquivos/83_19092008034949.pdf> Acesso em: 14 mar. 2017

MORI, S. A.; BOOM, B. M. Southern Bahian moist forests. The Botanical Review, New York, v. 49, n 2, p. 155-232, 1983.

NASCIMENTO, A. R. T.; LONGHI, S. J.; BRENA, D. A. Estrutura e padrões de distribuição espacial de espécies arbóreas em uma amostra de Floresta Ombrófila Mista em Nova Prata, RS. Ciência Florestal, v. 11, n. 1, p. 105-119, 2001.

NOGUCHI, D. K.; NUNES, G. P.; SARTORI, Â. L. B. Florística e síndromes de dispersão de espécies arbóreas em remanescentes de Chaco de Porto Murtinho, Mato Grosso do Sul, Brasil. Rodriguésia, p. 353-365, 2009.

PASSOS, M. M. Biogeografia e paisagem. 2 ed. Maringá:[s.n], 2003.

RAVEN, P. H.; EICHHORN, S. E.; EVERT, R. F.; Biologia vegetal. 5ª ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 1996.

ROMANIUC NETO, S. et al. Moraceae in Lista de Espécies da Flora do Brasil. Jardim Botânico do Rio de Janeiro. 2015. Disponível em: <http://floradobrasil.jbrj.gov.br/jabot/floradobrasil/FB10158>. Acesso em: 14 Mar. 2017

STEHMANN, J.R. et al. Gimnospermas e Angiospermas. Plantas da Floreta Atlântica. Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, p.27- 37, 2009.

THE IUCN RED LIST OF THREATENED SPECIES. Version 2013.2. Disponível em: Acesso em: 14 mar. 2017

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Biogeografia, Manejo de Áreas Naturais e Protegidas: Conservação da Biodiversidade