Avaliação da capacidade adaptativa (ACI) no município de Santos/SP a partir das mudanças climáticas

Autores

  • Fabiano de Araujo Moreira Universidade Estadual de Campinas
  • Luci Hidalgo Nunes Universidade Estadual de Campinas
  • José Marengo Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2057

Palavras-chave:

Mudanças Climáticas. Adaptação. Mitigação. Capacidade Adaptativa

Resumo

É premente a elaboração de políticas públicas de redução da emissão de gases de efeito estufa e adaptação às mudanças climáticas nas aglomerações urbanas costeiras. Esta pesquisa visa contribuir para a articulação entre os cenários projetados por pesquisas científicas e as decisões políticas no município de Santos, já que as ações municipais por parte dos tomadores de decisão tem se pautado nos problemas imediatos, não incorporando de forma efetiva as previsões de mudanças ambientais desenvolvidas no campo científico. Parte do projeto temático Metropole, (chamada Belmont/Fapesp), tem-se por meta observar se as mudanças climáticas estão efetivamente internalizadas em ações, ou se elas aparecem meramente como um discurso inócuo, sem medidas e que, dessa forma, poderia trazer consequências duradouras e nefastas para esse município. Essa avaliação foi realizada a partir do Índice de Capacidade Adaptativa, aplicado em uma série de agentes que têm por responsabilidade ditar a regulamentação do município, observando como o discurso se traduz, ou não, em ações efetivas para a adaptação municipal face ao advento das mudanças climáticas, em especial, mudanças no nível do mar. 

Biografia do Autor

Fabiano de Araujo Moreira, Universidade Estadual de Campinas

Departamento de Geografia/UNICAMP

Luci Hidalgo Nunes, Universidade Estadual de Campinas

Departamento de Geografia/UNICAMP

José Marengo, Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais

Centro Nacional de Monitoramento e Alertas de Desastres Naturais

Referências

AFONSO, C. M. A paisagem da Baixada Santista: urbanização, transformação e conservação. São Paulo: Edusp. Fapesp, 2006

BERKHOUT, F. Adaptation to climate change by organizations. Wiley Interdisciplinary Reviews: Climate Change, 2012. 3, 91-106

CARMO, R. L. do; SILVA, C. A. M. da. População em zonas costeiras e mudanças climáticas: redistribuição espacial e riscos. In: HOGAN, D. J.; MARANDOLA JR., E. (Org.). População e mudança climática: dimensões humanas das mudanças ambientais globais. Campinas: Núcleo de Estudos de População – Nepo. Unicamp; Brasília: UNFPA, 2009.

EISENACK, K. et al. Explaining and overcoming barriers to climate change adaptation. Nature Clim. Change, 2014. 4, 867-872

HIGH, C. et al. Local agency, adaptation and the shadow system: The institutional architecture of social learning in rural areas of the UK and India. XI World Congress on Rural Sociology, 25-30 July 2004. Trondheim, Norway, 2004

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Censo 2010. 2010

IPCC – Intergovernmental Panel on Climate Change. Climate Change 2007: Synthesis Report. Contribution of Working Groups I, II and III to the Fourth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change. IPCC, Geneva, Switzerland, 2007

____. Climate change 2013: The Physical Science Basis. Contribution of Working Group I to the Fifth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change. Cambridge University Press, Cambridge, United Kingdom and New York, NY, USA, 2013

KRELLENBERG, K. et al. Adaptation to Climate Change in Megacities of Latin America: Regional Learning Network of the research project ClimateAdaptationSantiago (CAS) Santiago, Chile. Economic Commission for Latin America and the Caribbean (ECLAC), 2014

NUNES, L.H. Distribuição espaço-temporal da pluviosidade no Estado de São Paulo: tendências, variabilidade, processos intervenientes, 1997, EPUSP, 197p.

PELLING, M. et al. Shadow spaces for social learning: a relational understanding of adaptive capacity to climate change within organisations. Environment and Planning A, 40, 867-884, 2008

PELLING, M.; ZAIDI, R. Z. Measuring adaptive capacity: application of an indexing methodology in Guyana. EPD Working Paper #47, Department of Geography, King’s College London, 2013

SILVA, R.B. da, NUNES, L.H. Vulnerability profiles in a Metropolitan Area of Brazil. Saarsbrüchen: Lambert Academic Publishing, 97 p. 2016;

YOUNG, A. F. Mudanças climáticas: entre a coesão e a fragmentação dos assentamentos humanos, os conflitos e as transformações da paisagem na Baixada Santista. In: HOGAN, D. J.; MARANDOLA JR., E. (Org.). População e mudança climática: dimensões humanas das mudanças ambientais globais. Campinas: Núcleo de Estudos de População – Nepo. Unicamp; Brasília: UNFPA, 2009;

ZUNDT, C. Baixada Santista: uso, expansão e ocupação do solo, estruturação de rede urbana regional e metropolização. In: CUNHA, J. M. P. da. Novas Metrópoles Paulistas: População, vulnerabilidade e segregação. Campinas: Núcleo de Estudos de População – Nepo. Unicamp, 2006.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Climatologia em diferentes níveis escalares: mudanças e variabilidades