Morfoscopia da fração areia de formações alúvio-coluviais: o que revela a assinatura de grãos de quartzo

Autores

  • Renata Jordan Henriques Universidade Federal de Minas Gerais
  • Roberto Célio Valadão Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2071

Palavras-chave:

Formações superficiais. Stoneline. Mofoscopia de areia

Resumo

A superfície é modelada por materiais incoesos de gênese alóctone ou autóctone. No contexto do território brasileiro, dada suas condições ambientais, essas formações superficiais possuem considerável espessura podendo haver linhas de fragmentos grossos em seu meio, isto é, stonelines. Para o trabalho foi escolhido um recorte de talude às margens da rodovia MG-010 ao norte de Belo Horizonte em Minas Gerais em virtude de uma expressiva stoneline integrada por seixos de quartzos de origem aluvial (alóctone) inseridos em uma formação aparentemente eluvial (autóctone). O objetivo é aplicar o método de morfoscopia de areia na fração fina em uma seção vertical e verificar se é revelado o caráter alóctone das formações. Os resultados mostram-se satisfatórios e revela uma marcada descontinuidade entre forma e textura dos grãos situados acima e abaixo da stoneline. Isto permite avaliar que são materiais de origem alóctone (alúvio-coluviais) ainda que seu aspecto seja de materiais autóctones.

Biografia do Autor

Renata Jordan Henriques, Universidade Federal de Minas Gerais

Mestranda pelo Programa de Pós-graduação em Geografia

Roberto Célio Valadão, Universidade Federal de Minas Gerais

Professor Titular no Departamento de Geografia

Referências

AB’SABER, A. N. Um conceito de geomorfologia a serviço das pesquisas sobre o quaternário. Geomorfologia. São Paulo. Instituto de Geografia USP, v.19, p. 1-23,1962.

AUBERT, G.; SEGALEN, P. Project de classification des sols ferrallitiques. Cahier ORSTOM-Pédologie IV, 4, p.97-112, 1966.

BERTOLINI, W.Z.; da COSTA, I.M.; de LIMA, G.L. Morfoscopia e morfologia da cobertura pedológica às margens do rio Uruguai no oeste de Santa Catarina. Anuário do Instituto de Geociências – UFRJ. v.39, n.3, p.71-78, 2016.

BIGARELLA, J.J.; HARTKOPF, C.C.; SOBANSKI, A.; TREVISAN, N. Textura superficial dos grãos em areias e arenitos. Arquivos de Biologia e Tecnologia, v.10, p.253-275, 1955.

BIGARELLA, J.J. Estrutura e origem das paisagens tropicais. v.1, Florianópolis: Ed. UFSC, 1994.

BLOTT, S.J.; PYE, K. Particle shape: a review and new methos of characterization and classification. Sedimentology, v.55, p.31-63, 2008.

CAILLEAUX, A.; TRICART, J. Initiation à l’étude des sables et galets. CDU, 5 pi. De la Sorbonne, Paris, v.1, 369p., 1963.

CASSETI, V. Geomorfologia. [S.l.]: [2005]. Disponível em: . Acesso em: 21 set. 2015.

COX, E.A. A method for assigning numerical and percentage values to the degree of roundness of sand grains. Journal of Paleontology. v.1, n.3, p.179-183, 1927.

DIAS, J.A. A Análise Sedimentar e o Conhecimento dos Sistemas Marinhos, 2014. E-book disponível online em:<http://www.oceanografia.ufba.br/ftp/Sedimentologia/Bibliografia/Alverino_Dias_Analise%20Sedimentar%20Sistemas%20Marinhos_2004.pdf >. Acesso em: 08 Jan. 2017.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA. Sistema Brasileiro de Classificação de solos. 3 ed. ver. Ampl. Brasília, DF: Embrapa, 353p. 2013.

GRAHAN, J. Collection and analysis of field data. In: TUCKER, M. Techniques in Sedimentology. Oxford: Editora Blackwell Scientific Publications, 1988, Cap. 2, p.5-62.

HIRUMA, S.T. Revisão dos conhecimentos sobre o significado das linhas de seixos. Revista do Instituto Geológico, São Paulo, v.27-28, n.1/2, p. 53-64, 2007.

HOFMANN, M. GIS-based Analysis of Geo-Potentials for a Tropical Metropolitan Area: the Northern Periphery of Belo Horizonte (Minas Gerais, Brazil). PhD Thesis, TU Darmstadt, 333p, 2014. URL: http://tuprints.ulb.tu-darmstadt.de/4152 URN: urn:nbn:de:tuda-tuprints-41522, 2014.

KOHLER, H.C. Estudo do relevo cárstico de Lagoa Santa. 1989. 113f. (Doutorado em Geografia Física). Universidade de São Paulo, São Paulo, 1989.

PENTEADO, M.M. Fundamentos de Geomorfologia. 3ª Ed. Fundação Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística : Rio de Janeiro, 186p. 1983.

PENTLAND, A. A method of measuring the angularity of sands. Royal Society of Canada. (ser. 3), .21, 1927.

PILÓ, L.B. Morfologia cárstica e materiais constituintes: dinâmica e evolução da depressão poligonal Macacos-Baú - carste de Lagoa Santa, MG. 1998. 283f. (Doutorado em Geografia Física) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

PINTO, R.C. Eventos deposicionais cenozóicos no médio vale do rio das Velhas: paleoníveis deposicionais e dinâmica fluvial. 2009. 216f. (Doutorado em Geografia e Análise Ambiental) – Instituto de Geociências da Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2009.

QUEIROZ-NETO, J.P. O estudo das formações superficiais no Brasil. Revista do Instituto Geológico, São Paulo, v.22 n. 12, p.65-78, 2001.

RIBEIRO, S.; BONETTI, C. Variabilidade morfométrica de sedimentos arenosos: revisão de métodos e uso do software ImageJ na diferenciação de ambientes deposicionais na Ilha de Santa Catarina e região continental, SC, Brasil. Gravel, v.11, n.1, p.37-47, 2013.

SANTOS, L.J.C.; SALGADO, A.A.R.; RAKSSA, M.L.; MARENT, B.R. Gênese das linhas de Pedra. Revista Brasileira de Geomorfologia, v.11, n.2, p.103-108, 2010.

SCHAEFER, C.E.R. Brazilian latosols and their B horizon microstructure as long-term biotic constructs. Australian Journal of Soil Research, CSIRO Publishing, Collingwood, Australia, v.39, p.909-926, 2001.

SEGALEN, P. Le remaniement des sols et la mise en place de la stone-line en Afrique. Cah. Orstom, ser. Pedologie, v.7, n.1, p. 113-131, 1969.

SILVA, A.B. Hidrogeologia de Meios Cársticos. Cap. 3.2, 1995. Disponível em: Acesso em: 5 jan. 2017.

SUGUIO, K., Introdução a sedimentologia. São Paulo. Ed. Edgard Blucher. EDUSP, 317 p. 1973.

THOMAS, M.F. Geomorphology in the tropics : a study of weathering and denudation in low latitudes. John Wiley and Sons Ltd: Chichester, England, 460p. 1994.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Sistemas Geomorfológicos: Estrutura, Dinâmicas e Processos