Focos de calor na bacia hidrográfica do Rio Poti (Ceará/Piauí) a partir dos registros do satélite NOAA-18

Autores

  • Emanuel Lindemberg Silva Albuquerque Universidade Federal do Piauí

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2083

Palavras-chave:

Geotecnologias. Queimadas. Semiárido

Resumo

Desde os primórdios da civilização humana e, expressivamente, com a ocupação empreendida pelos colonizadores, as queimadas vêm sendo utilizadas, sobretudo, para o preparo da terra e/ou criação de animais. O estudo objetiva realizar uma análise têmporo-espacial das ocorrências de focos de calor na bacia hidrográfica do Rio Poti (Ceará/Piauí) nos anos de 2010, 2013 e 2016, almejando quantificar e qualificar esses dados dentro do contexto progressivo e/ou regressivo. Os procedimentos metodológicos contemplam revisão bibliográfica e aquisição da base cartográfica, inseridas em ambiente de Sistema de Informação Geográfica. Utilizaram-se os registros do satélite NOAA-18 (National Oceanic Atmospheric Administration), obtidos no Banco de Dados de Queimadas (BDQueimadas-INPE). Conclui-se que houve um aumento considerável nos focos de calor nos anos trabalhados, totalizando 2.380 registros, sendo que os maiores ocorrências se concentraram no mês de outubro, com respectivamente 11, 226 e 963 focos. 

Biografia do Autor

Emanuel Lindemberg Silva Albuquerque, Universidade Federal do Piauí

Coordenação do Curso de Geografia

Referências

ALBUQUERQUE, E. L. S.; LIMA, I. M. M. F. Análise dos sistemas ambientais no alto curso da bacia hidrográfica do Rio Poti, Estado do Ceará. In: XI Simpósio Nacional de Geomorfologia – SINAGEO, 11, 2016. Maringá-PR. Anais... Maringá-PR: SINAGEO, 2016.

ASSAD, E. D.; SANO, E. E. Sistemas de informações geográficas. Aplicações na agricultura. 2ª. ed, Brasília: EMBRAPA, 1998.

BRASIL. Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais - INPE. Dados pontuais de focos de calor. Programa de Monitoramento de Focos. <http://sigma.cptec.inpe.br/queimadas/>. Acesso em: 01/02/2017.

FERREIRA, N. J. (Org.). Aplicações Ambientais Brasileiras dos Satélites NOAA e TIROS-N. São Paulo: Oficina de Textos, 2004.

FLORENZANO, T. G. Iniciação em sensoriamento remoto. 2. ed. São Paulo: Oficina de Textos, 2007.

GOMES, D. D. M.; MEDEIROS, C. N. de; ALBUQUERQUE, E. L. S. Análise têmporo-espacial das ocorrências de focos de calor no estado do Ceará: configuração dos cenários no contexto das unidades fitogeográficas e das Macrorregiões de Planejamento. Texto para Discussão, Fortaleza, nº. 90, 01-28, dez. 2010.

JENSEN, J. R. Sensoriamento Remoto do Ambiente. 1ª edição. São José dos Campos: Ed. Parêntese, 2009.

LIMA, I. M. M. F. Caracterização Geomorfológica da Bacia Hidrográfica do Poti. (Dissertação de Mestrado). Programa de Pós-Graduação em Geografia. UFRJ, Rio de Janeiro, 1982.

NOVO, E. M. L. M. Sensoriamento Remoto: princípios e aplicações. 2ª. ed, São Paulo: EDITORA EDGARD BLÜCHER LTDA., 1998.

PFALTZGRAFF, P. A. S.; TORRES F. S. M.; BRANDÃO, R. L. (Orgs.). Geodiversidade do estado do Piauí. Recife: CPRM, 2010.

PIAUÍ. Secretaria do Meio Ambiente e Recursos Hídricos. Plano Estadual de Recursos Hídricos – Relatório Síntese. Teresina/PI: SEMAR, 2010.

ROCHA, C. H. B. Geoprocessamento: tecnologia transdisciplinar. Juiz de Fora: Ed. do Autor, 2000.

SILVA FILHO, E. B. da; TELES, L. J. S; SANTOS NETO, L. A. dos. Ocorrências de focos de calor no estado de Rondônia em 2007. Sociedade & Natureza, Uberlândia, 21 (2): 123-140, ago. 2009.

SOUZA, M. J. N. Bases naturais e esboço do zoneamento geoambiental do estado do Ceará. In: SOUZA, M. J. N; LIMA, L. C.; MORAIS, J. O. (Org.) Compartimentação territorial e gestão regional do Ceará. Fortaleza: Ed. FUNECE, 2000.

ZANELLA, M. E; OLIMPIO, J. L. S; COSTA, M. C. L; DANTAS, E. W. C. Vulnerabilidade socioambiental do Baixo curso da Bacia Hidrográfica do Rio Cocó, Fortaleza-CE. Revista Sociedade e Natureza, nº 25, v. 2, p. 317-332, 2013.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geotecnologias e Modelagem Espacial em Geografia Física