Variabilidade climática e a modelagem ecológica da Biomphalaria glabrata: cenários futuros (2050 e 2070) para o hospedeiro intermediário da esquistossomose no Brasil

Autores

  • Márcia Eliane Silva Carvalho Universidade Federal de Sergipe
  • Francisco de Assis Mendonça Universidade Federal do Paraná
  • Sindiany Suelen Caduda dos Santos Universidade Federal de Sergipe

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2095

Palavras-chave:

Variabilidade climática. Biomphalaria glabrata. Ecologia

Resumo

A variabilidade climática em curso pode gerar mudanças futuras significativas na distribuição de várias espécies, pois podem afetar o seu nicho e habitat. Este artigo tem como objetivo analisar a influência de variáveis ambientais na distribuição potencial futura (+50 anos e +70 anos) do hospedeiro intermediário da esquistossomose (Biomphalaria glabrata) através da modelagem ecológica utilizando o programa MAXENT. Ao analisar o modelo de distribuição futura de 50 anos, a amplitude térmica anual e a precipitação anual apresentaram-se como o maior percentual de contribuição. Para projeção futura de 70 anos, a temperatura média do trimestre mais frio, apresentou o maior percentual de contribuição para a distribuição da espécie no ambiente. A análise realizada expressa a importancia da ampliação dos estudos sobre a variabilidade climática e sua relação com a saúde, pois  revalidou que na região Nordeste do Brasil encontram-se os pontos quentes de ocorrência da B. glabrata, com cenário de distribuição potencial para outros estados brasileiros.

Biografia do Autor

Márcia Eliane Silva Carvalho, Universidade Federal de Sergipe

Departamento de Geografia, Universidade Federal de Sergipe

Francisco de Assis Mendonça, Universidade Federal do Paraná

Departamento de Geografia, Universidade Federal do Paraná

Sindiany Suelen Caduda dos Santos, Universidade Federal de Sergipe

Departamento de Biologia, Universidade Federal de Sergipe,

Referências

ALMEIDA JÚNIOR, E. B. de. 2010. Modelagem como ferramenta ecológica. Disponível em: http://oficinacientifica.com.br/index.php. Acesso em: 10/10/2016.

AMBDATA. Variáveis Ambientais para Modelagem de distribuição de espécies. Disponível em: http://www.dpi.inpe.br/Ambdata/descricao_dados.php. Acesso em: 10/12/2016.

ARAÚJO, K.C.G.M., et al. Análise espacial dos focos de Biomphalaria glabrata e de casos humanos de esquistossomose mansônica em Porto de Galinhas, Pernambuco, Brasil, no ano 2000. Cadernos de Saúde Pública [online]. 2007, vol.23, n.2, pp.409-417.

BARBOSA, Frederico Simões (org). Tópicos em Malacalogia Médica. Rio de Janeiro: FIOCRUZ/Scielo Books. 1995.

BARCELLOS, Christovam et. al. Mudanças climáticas e ambientais e as doenças infecciosas: cenários e incertezas para o Brasil. Epidemiologia e Serviços de Saúde, Brasília, v. 18, n. 3, p. 285-304, jul-set. 2009.

BRASIL. Vigilância e controle de moluscos de importância epidemiológica: diretrizes técnicas. Programa de Vigilância e Controle da Esquistossomose (PCE) / Ministério da Saúde. 2. ed. Brasília: Editora do Ministério da Saúde. 2008.

BRASIL. Vigilância da Esquistossomose mansoni: diretrizes técnicas. 4. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2014.

CARVALHO, O. dos S. et.al. Importância epidemiológica dos moluscos do gênero Biomphalaria. In: Carvalho, O. dos Santos; et.al. Schistosoma mansoni: uma visão multidisciplinar. Rio de Janeiro: FIOCRUZ, 2008, p. 309-346.

CHIEFFI, Pedro Paulo; WALDMAN, Eliseu Alves. Aspectos particulares do comportamento epidemiológico da esquistossomose mansônica no Estado de São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública. Rio de Janeiro, v.4, n.3. Jul/Sept, 1988.

CONFALONIERI, Ulisses. E. C. Variabilidade climática, vulnerabilidades social e saúde no Brasil. Terra Livre. São Paulo, vol. 1, n. 20, p. 193-204, jan/jul, 2003

GIANNINI, T.C. et al. Desafios atuais da modelagem preditiva de distribuição de espécies. Rodriguésia, v. 63, n. 3, p. 733-749. 2012.

GOMES, Elaine C. de S. Modelo de risco para a esquistossomose. Tese de doutorado. Fundação Oswaldo Cruz, Recife, 2011.

HIJMANS, R.J., et al. Very high resolution interpolated climate surfaces for global landareas. International Journal of Climatology 25, p.1965-1978, 2005.

MENDONÇA, Francisco. Aquecimento global e saúde: uma perspectiva geográfica. Terra Livre. São Paulo, vol. I, n.20, 2003, p. 205-221.

___________. Clima, tropicalidade e saúde: uma perspectiva a partir da intensificação do aquecimento global. Revista Brasileira de Climatologia, vol. 1, n. 1, 2005, p.100-112.

OLIVEIRA, Daniel Santos. Determinação e avaliação de focos esquistossomóticos em áreas urbanas do estado de Sergipe/Brasil. Dissertação de Mestrado em Saúde e Ambiente. Aracaju: Universidade Tiradentes 2011.

OMS. Trabalhando para superar o impacto global de doenças tropicais negligenciadas: Primeiro relatório da OMS sobre doenças tropicais negligenciadas. Organização Mundial de Saúde, 2010, 188p.

PAZ, R.J. da. Biologia e Ecologia de Biomphalaria glabrata (Say, 1818) (Mollusca: Pulmonata: Planorbidae), na Fazenda Árvore Alta, Alhandra (Paraíba: Brasil). Dissertação de Mestrado. João Pessoa: UFPB 1997.

SANTOS, S.S.C. et.al. Cenários de distribuição de mangues no litoral norte e nordeste brasileiro a partir da modelagem de distribuição potencial das espécies. Revista Okara, v.9, n.2, p.313-324, 2015.

TEIXEIRA, R. dos S.; et.al. Espacialização do Caramujo da espécie Biomphalaria Glabrata do córrego da Lagoa do Parque de Pituaçu Salvador/ BA. Candombá – Revista Virtual, v. 7, n. 1, p. 55-64, jan/dez, 2011.

TIBIRIÇÁ, S.H.C.; GUIMARÃES, F.B., TEIXEIRA, M.T.B. A esquistossomose mansoni no contexto da política de saúde brasileira. Cadernos de saúde coletiva. 16 (Supl.1), 2011, p. 1375-1381.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Climatologia em diferentes níveis escalares: mudanças e variabilidades