A Análise das Tendências Pluviométricas no Município de Irati/PR

Autores

  • Gabriela Marques Pinheiro Universidade Estadual do Centro-Oeste
  • Javier Martin-Vide Universidade de Barcelona, Espanha

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2097

Palavras-chave:

Mudanças Climáticas. Variabilidade climática. Tendências Pluviométricas. Paraná. Irati

Resumo

As mudanças climáticas globais, suas causas e consequências têm ganhado cada vez mais importância no cenário mundial. De acordo com o Primeiro Relatório de Avaliação Nacional (RAN-1), do Painel Brasileiro de Mudanças Climáticas, a projeção para mudanças da precipitação para a região Sul da América do Sul prevê, até 2040, aumento de 5% a 10%. Neste contexto, esta trabalho tem por objetivo principal compreender a variabilidade pluviométrica (1980 a 2010), assim como analisar tendências futuras para eventos pluviais no município de Irati, localizado na região sudeste do estado do Paraná. Dessa forma, foram utilizadas técnicas estatísticas para cálculo da variabilidade e tendências pluviométricas. Os resultados demostraram que a cidade não apresenta tendências positiva e negativa de precipitação para as últimas 30 décadas. Dessa forma, os dados corroboram para o melhor entendimento da gênese das chuvas bem como para os estudos sobre os impactos regionais e locais das mudanças climáticas e variabilidade climática. 

Biografia do Autor

Gabriela Marques Pinheiro, Universidade Estadual do Centro-Oeste

Departamento de Geografia/ Universidade Estadual do Centro-Oeste

Javier Martin-Vide, Universidade de Barcelona, Espanha

Departamento de Geografia Física e Análise Geográfica Regional /Universidade de Barcelona, Espanha

Referências

BENHAMROUCHE, A. Análisis de la concentración diaria de la precipitación en la Cuenca del Mediterráneo Occidental. Tesis (Doctorado en Geografía). Programa de Doctorado en Geografía, Planificación Territorial y Gestión Ambiental da Universidad de Barcelona, Barcelona-España. 2014 Disponível em: . Acesso em: 28 mar. 2015.

CLARK, W. A. V. and HOSKING, P. L.: Statistical methods for geographers. New York: John Wiley & Sons, Inc. 1986.

EM-DAT, Emergency Events Database. The OFDA/CRED International Disaster Database. Disponível em: Acesso em dezembro de 2016.

EM-DAT. Emergency Events Database. Annual disaster statistical review. 2012.

GILBERT, R. O. Statistical methods for environmental pollution monitoring. New York: Van Nostrand Reinhold, 1987.

GONÇALVES, N. M. S. Impactos Pluviais e Desorganização do Espaço Urbano em Salvador. In: MONTEIRO, C. A. de F.; MENDONÇA, F. Clima Urbano. São Paulo: Contexto, 2003. p. 69-92.

GOOSSENS, C.; BERGER, A. Annual and seasonal climatic variations over the northem hemisphere and Europe during the last century. Annales Geophysicae, Berlin, v.4, 1986.

GRIMM, A. M. Variabilidade interanual do clima do Brasil. In: CAVALCANTI, I, F. A; FERREIRA, N. J; SILVA, M, G, A, J; DIAS, M. A. F. S (Orgs). Tempo e clima no Brasil. Oficina de Textos. 2009.

HERREZUELLO, M. da C. G. Un Estudio de la Variabilidad Climática en la Península Ibérica. 344f. Tese de Doutorado em Ciências Físicas, Universidad de Extremadura. 2003.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/censo2010. Acesso em: novembro 2014.

IPCC, 2007: Climate Change 2007: The Physical Science Basis. Contribution of Working Group I to the Fourth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change [Solomon, S., D. Qin, M. Manning, Z. Chen, M. Marquis, K.B. Averyt, M.Tignor and H.L. Miller (eds.)]. Cambridge University Press, Cambridge, United Kingdom and New York, NY, USA.

KENDALL, M. G. Rank correlation methods. 4ª ed., London: Charles Griffin, 1975.

LIMA, R.; INOUE, M. T.; FIGUEIREDO FILHO, A.; ARAUJO, A. J.; MACHADO, S. A. Efeito do espaçamento no desenvolvimento volumétrico de Pinus taeda L. Floresta e Ambiente, n. 20, v. 2, p. 223-230, 2013.

MANN, H. B. Nonparametric tests against trend. Econometrica, vol. 13, n. 3, 1945

MENDONÇA, F.; DANNI-OLIVEIRA, I. M.; Climatologia: noções básicas e climas do Brasil. São Paulo. Oficina de texto. 2007.

MONTEIRO, C. A. F. O clima da região Sul. Clima e excepcionalismo: conjecturas sobre o desempenho da atmosfera como fenômeno geográfico. Florianópolis: Editora da UFSC, 1991.

OMM/ ETCCDMI. World Meteorological Organization - The Expert Team on Climate Change Detection Monitoring and Indices: Guidelines on Analysis of extremes in a changing climate in support of informed decisions for adaptation. 2009. p. 245- 259 p. The Econometric Society.

SALMI, T.; MÄÄTTÄ, A.; ANTTILA, P.; RUOHO-AIROLA, T.; AMNELL, T. Makesens for detecting and estimating trends. Helsinki: Finnish Meteorological Institute, 2002.

SALMI, T.; MÄÄTTÄ, A.; ANTTILA, P.; RUOHO-AIROLA, T.; AMNELL, T. Makesens for detecting and estimating trends. Helsinki: Finnish Meteorological Institute, 2002.

SEN, P. K. Estimates of the regression coefficient based on Kendall’s tau. Journal of the American Statistical Association, vol. 63, n. 324, 1379-1389 p. 1968.

SILVA, E.S. Variabilidade da precipitação pluviométrica nas regiões sudeste e sul do Brasil. 211 f. Tese (Doutorado em Agronomia) - Faculdade de Ciências Agronômicas da UNESP – Campus de Botucatu, Universidade Estadual de São Paulo. Botucatu, 2007.

SILVA, I. F.; NÓBREGA, R. S.; GALVÍNCIO, J. G. Impacto das Mudanças Climáticas nas Respostas Hidrológicas do Rio Ipojuca (PE) – Parte 2: Cenários de Aumento de Temperatura. Revista Brasileira de Geografia Física (RBGF). Recife-PE, Vol.2 (maio-agosto 2009). n.02.

TRENBERTH, K. E.; A. DAI, R. M. Rasmussen and D. B. Parsons. 2003. The changing character of precipitation. BAMS 84(9):1205–1217.

YEVJEVICH, V. Probability and statistics in hydrology. Fort Collins : Water Resources Publication, p. 276. 1972.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Climatologia em diferentes níveis escalares: mudanças e variabilidades