Análise de séries históricas de dados de temperatura e precipitação no litoral brasileiro

Autores

  • Tiago Nicolay Rodrigues Universidade Federal Fluminense
  • Eduardo Manuel Rosa Bulhões Universidade Federal Fluminense

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2104

Palavras-chave:

Climatologia. Zona costeira. Séries históricas

Resumo

O território brasileiro, marcado por sua grande extensão, possui diferenciados regimes de temperatura e precipitação, variando o clima de Norte a Sul, em resposta à complexidade da atmosfera e atuação de diversos fatores que influenciam o clima. Obtiveram-se dados meteorológicos de estações localizadas na zona costeira do Brasil e posteriormente a aplicação de procedimentos estatísticos para geração dos resultados. Observou-se uma homogeneidade da temperatura na zona costeira da Região Norte, o que não acontece em relação à pluviosidade, caracterizando-a como o maior total pluviométrico. A zona costeira do Nordeste também apresenta pouca variabilidade na temperatura na área estudada, embora com valores menores de precipitação. Na zona costeira da Região Sul, tem-se a distribuição homogênea da precipitação e a marcante variação da temperatura média e na zona costeira do Sudeste, o máximo pluviométrico foi registrado em janeiro e fevereiro e o mínimo em julho e agosto.

Biografia do Autor

Tiago Nicolay Rodrigues, Universidade Federal Fluminense

Bacharelando em Geografia. Laboratório de Geografia Física. Instituto de Ciências da Sociedade e Desenvolvimento Regional. Universidade Federal Fluminense.

Eduardo Manuel Rosa Bulhões, Universidade Federal Fluminense

Prof. Adjunto. Laboratório de Geografia Física. Programa de Pós-Graduação em Geografia. Instituto de Ciências da Sociedade e Desenvolvimento Regional. Universidade Federal Fluminense.

Referências

BABA, R. K; VAZ, M. S. M. G; COSTA, J; Correção dedados agrometeorológicos utilizando métodos estatísticos. UFPG, Ponta Grossa, PR. Revista Brasileira de Meteorologia. v.29, n.4, 515 - 526, 2014.

BRASIL. Constituição de 1988. Lei nº 7.661, de 16 de maio de 1988. Plano Nacional de Gerenciamento Costeiro (PNGC II). 1997.

CAVALCANTI, I. F. A; FERREIRA, N. J; SILVA, M. G. A. J; DIAS, M. A. F. S; Tempo e clima no Brasil. São Paulo: Oficina de textos, 2009. 464p

CONTI, J. B. Clima e Meio Ambiente. 5. ed. São Paulo: Atual, 1998. 96p.

INMET. Instituto Nacional de Meteorologia. Nota técnica n° 001/2011/SEGER/LAIME/CSC/INMET. Rede de Estações Meteorológicas Automáticas do INMET. 2011.

MARIN, F. R.; SENTELHAS, P. C.; NOVA, A. V. Influência dos fenômenos El Niño e La Niña no clima de Piracicaba, SP. In: Revista Brasileira de Meteorologia. v. 15, n. 1, 123-129, 2000.

MENDONÇA, F.; DANNI-OLIVEIRA, I. M. Climatologia: noções básicas e climas do Brasil. São Paulo: Oficina de Texto, 2007. 206 p.

MMA. Gerência de Biodiversidade Aquática e Recursos Pesqueiros. Panorama da conservação dos ecossistemas costeiros e marinhos no Brasil. Brasília: MMA/SBF/GBA, 2010. 148 p.

MUEHE, D. O Litoral Brasileiro e sua Compartimentação. In: Guerra, A. J. T. & Cunha, S.B. (org). Geomorfologia do Brasil. Cap. 7. Ed. Bertrand Brasil, 1998

RODRIGUEZ, J. J. e WINDEVOXHEL, N. J. Análisis Regional de La situación de La zona marina costera Centroamericana. BID, Washington D. C. No – ENV 121, 1998

TORRES, F. T. P; MACHADO, P. J. O. Introdução à climatologia. São Paulo: Cengage Learning, 2011. 250p

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Climatologia em diferentes níveis escalares: mudanças e variabilidades