Intensidade das ilhas de calor em Presidente Prudente (SP) através de zonas climáticas locais (LCZ)

Autores

  • Renata dos Santos Cardoso Universidade Estadual Paulista
  • Margarete Cristiane de Costa Trindade Amorim Universidade Estadual Paulista

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2105

Palavras-chave:

Clima urbano. Classificação da paisagem. Transectos móveis. Ilhas de calor urbanas

Resumo

Dentre as alterações no clima urbano decorrentes da urbanização, a mais evidente pode ser observada através da formação das ilhas de calor urbanas (ICU). Grande parte das investigações define a intensidade das ilhas de calor através da tradicional classificação “urbano-rural”. Entretanto, o uso desses termos para descrever os locais de estudo leva à simplificação da realidade paisagística e, consequentemente, das ICUs. Nesse sentido, esse trabalho teve como objetivo aplicar o sistema de classificação da paisagem denominado “Zonas Climáticas Locais” (LCZ) em Presidente Prudente (SP) como base para a análise da intensidade das ilhas de calor. A utilização do sistema confirmou a existência de diferentes intensidades no intraurbano, definidas como ΔT LCZ X-Y. Os contrastes entre as LCZs com diferenças significativas na morfologia urbana e cobertura da terra excederam, em média, 4ºC, enquanto as diferenças entre as classes com características físicas semelhantes foram iguais ou inferiores a 2ºC.

Biografia do Autor

Renata dos Santos Cardoso, Universidade Estadual Paulista

Doutoranda em Geografia/Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Campus de Presidente Prudente

Margarete Cristiane de Costa Trindade Amorim, Universidade Estadual Paulista

Profa. Dra. do Departamento de Geografia/Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Campus de Presidente Prudente

Referências

ALEXANDER, P. J.; MILLS, G. Local Climate Classification and Dublin’s Urban Heat Island. Atmosphere, 5, 755−774, 2014.

AMORIM, M. C. C. T. O clima urbano de Presidente Prudente/SP. São Paulo, 2000. 378p. Tese (Doutorado em Geografia) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo.

AMORIM, M. C. C. T. Intensidade e forma da ilha de calor urbana em Presidente Prudente/SP. Geosul, v. 20, n. 39, p. 65−82, UFSC – Florianópolis/Brasil, 2005.

AMORIM, M. C. C. T.; DUBREUIL, V.; CARDOSO, R. S. Modelagem espacial da ilha de calor urbana em Presidente Prudente (SP) - Brasil. Revista Brasileira de Climatologia, v. 16, p. 29−45, 2015.

AUER, A. H. Correlation of Land Use and Cover with Meteorological Anomalies. J. Appl. Meteor., 17, p. 636–643, 1978.

BECHTEL, B.; LANGKAMP, T.; BÖHNER, J.; DANEKE, C.; OßENBRÜGGE, J.; SCHEMPP, S. Classification and modelling of urban micro-climates using multisensoral and multitemporal remote sensing data. International Archives of the Photogrammetry, Remote Sensing and Spatial Information Sciences, Volume XXXIX-B8, 2012 XXII ISPRS Congress, 25 August – 01 September 2012, Melbourne, Australia. Disponível em: <http://www.int-archphotogramm-remote-sens-spatial-inf-sci.net/XXXIX-B8/463/2012/isprsarchives-XXXIX-B8-463-2012.pdf>. Acesso em: 20 set. 2014.

CARDOSO, R. S. Classificação de potenciais unidades climáticas em Presidente Prudente-SP. 2015. 135 f. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Faculdade de Ciências e Tecnologia, Universidade Estadual Paulista, Presidente Prudente.

CHANDLER, T. J. The climate of London. London: Hutchinson, 1965. Disponível em: <http://urban-climate.org/documents/TonyChandler_TheClimateOfLondon.pdf>. Acesso em: 23 out. 2016.

COLLISCHONN, E.; MATTOS, G. P. Classificação de ambientes termicamente homogêneos para estudos de clima na camada do dossel urbano - metodologia e aplicação à cidade de Pelotas/RS. Revista Brasileira de Climatologia, v. 9, p. 56−67, 2011.

ELIASSON, I. Intra-urban noctural temperature differences: Multivariate approach. Clim. Res., 7, p. 21–30, 1996.

EVELYN, J. Fumifugium. London, England: His Majesties Command, 1661. Disponível em: <http://www.iaqm.co.uk/text/resources/reports/fumifugium_mmxi.pdf>. Acesso em: 25 abr. 2015.

GARCÍA, F.F. Manual de Climatologia Aplicada: Clima, Medio Ambiente y Planificación, 1st ed.; Madri: Editorial Síntesis, 1995.

GRIMMOND, S. Urbanization and global environmental change: Local effects of urban warming. Geogr. J., 173, p. 83–88, 2007.

HOWARD, L. The Climate of London: Deduced from Meteorological Observations, Made at Different Places in the Neighbourhood of the Metropolis. 1 ed. Londres: W. Phillips, George Yard, Lombard Street, 1818, v.1. Disponível em: <http://www.urbanclimate.org/documents/LukeHoward_Climate-of-London-V1.pdf>. Acesso em: 25 abr. 2015.

LANDSBERG, H. E. The urban climate. New York: Academic Press, 1981.

LOWRY, W. P. Empirical estimation of the urban effects on climate: A problem analysis. J. Appl. Meteorol., 16, p. 129–135, 1977.

OKE, T.R. City size and the urban heat island. Atmos. Environ., 7, p. 769–779, 1973.

OKE, T.R. Initial Guidance to Obtain Representative Meteorological Observations at Urban Sites; IOM Report 81; World Meteorological Organization: Geneva, Switzerland, 2004.

OKE, T.R.; MAXWELL, G.B. Urban heat island dynamics in Montreal and Vancouver. Atmos. Environ., 9, p. 191–200, 1975.

OKE, T. R. The distinction between canopy and boundary‐layer urban heat islands. Atmosphere, 14:4, p. 268−277, 1976.

OKE, T. R. Boundary Layer Climates. 2nd ed. London: Methuen & Co., 1987, 435 p.

PULIAFITO, S. E.; BOCHACA, F. R.; ALLENDE, D. G.; FERNANDEZ, R. Green Areas and Microscale Thermal Comfort in Arid Environments: A Case Study in Mendoza, Argentina. Atmospheric and Climate Sciences, v. 3, n. 3, p. 372−384, 2013.

STEWART, I. D. Redefining the urban heat island. 2011a. 368p. Thesis (Doctor of Philosophy). The Faculty of Graduate Studies, The University of British Columbia, Vancouver.

STEWART, I. D. A systematic review and scientific critique of methodology in modern urban heat island literature. Int. J. Climatol., 31, p. 200–217, 2011b.

STEWART, I. D.; OKE, T. R. Local Climate Zones for Urban Temperature Studies. Bull. Amer. Meteor. Soc., 93, p. 1879–1900, 2012.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Climatologia em diferentes níveis escalares: mudanças e variabilidades