Uso da terra e ocorrência de lagoas entre a Fazenda Santa Maria e Porto do Campo no Rio Sepotuba-MT

Autores

  • Evanil Rocha Universidade Estadual do Mato Grosso
  • Célia Alves Souza Universidade Estadual do Mato Grosso
  • Cristiane da Silva Lima Universidade Estadual do Mato Grosso
  • Vanilda Soares Prudêncio Universidade Estadual do Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2112

Palavras-chave:

Uso da terra. Mudanças temporais. Lagoas

Resumo

O estudo teve como objetivo verificar as mudanças temporais sobre o uso da terra e a ocorrência de lagoas no corredor fluvial do rio Sepotuba entre a fazenda Santa Maria e Porto do Campo. Na confecção os mapas usou imagem de satélite e Sistema de Informações Geográfico (GIS / SIG) por software ArcGis 9.3. O corredor fluvial do rio Sepotuba entre a fazenda Santa Maria e Porto do Campo passou por várias alterações a cobertura vegetal em 1986 era de 46.349 km2, com desmatamento foi reduzindo para 6.580 km2. A planície de inundação possuía 32.315 km2 em 1986, com a introdução de pastagem reduziu para 18,322 km2.  Varias lagoas desapareceu, a maioria reduziu a área e surgiu 4 lagoas.

Biografia do Autor

Evanil Rocha, Universidade Estadual do Mato Grosso

Departamento de Geografia. Universidade Estadual do Mato Grosso

Célia Alves Souza, Universidade Estadual do Mato Grosso

Departamento de Geografia. Universidade Estadual do Mato Grosso

Cristiane da Silva Lima, Universidade Estadual do Mato Grosso

Departamento de Geografia. Universidade Estadual do Mato Grosso

Vanilda Soares Prudêncio, Universidade Estadual do Mato Grosso

Departamento de Geografia. Universidade Estadual do Mato Grosso

Referências

CARVALHO, N.O. Hidrossedimentologia prática. Rio de Janeiro: CPRM, 1994.

CUNHA, GUERRA; Bacias hidrográficas. Geomorfologia do Brasil. 5º ed.- Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2009. 233p.

CUNHA, S.B. da e GUERRA, A.J.T. Degradação Ambiental. In: GUERRA, A.J.T. e CUNHA, S.B. da.(org.). Geomorfologia e Meio Ambiente. Rio de Janeiro. Bertrand Brasil. Capítulo 7, 2004.

FERNANDEZ, O. V. Q; Mudanças no canal fluvial do Rio Paraná e processos de erosão nas margens: Região de Porto Rico, PR. Dissertação de Mestrado, UNESP, Instituto de Geociências e Ciências Naturais. Rio Claro. 1990. 85 p.

GUERRA, A. T.; GUERRA, A. J. NOVO DICIONARIO - Geológico Geomorfológico. 6 ed. Rio de Janeiro: Bertand Brasil, 2008. 79, 349, 233 e 337p.

GUERRA, A.T.; GUERRA, A.J. (Org.). Novo dicionário Geológico-Geomorfológico. 6ªed- Rio de Janeiro Bertrand Brasil,2008.79- 349p.

RITELA A., CABRAL I. L. L., SOUZA C. A. Disponibilidade de água e uso da terra na bacia hidrográfica do rio Aguapeí – Mato Grosso/Brasil. ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer - Goiânia, v.9, n.17; p. 3358-3385. 2013.

SERIGATTO, MARIA, E. Delimitação Automática das áreas de preservação permanente e identificação dos conflitos de uso do terreno da Bacia Hidrográfica rio SEPOTUBA-MT. Viçosa: UFV. 2006.

SILVA, L. N. P. da. Bacia hidrográfica do córrego das Pitas, MT: dinâmica fluvial e o processo de ocupação, como proposta de gestão dos recursos hídricos. 2009. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais). Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais, Universidade do Estado do Mato Grosso, UNEMAT, Cáceres, MT, 2009.4

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Bacias Hidrográficas e Recursos Hídricos: Análise, Planejamento e Gestão