Ambiente de confluência: um estudo de caso no rio Cavalo Morto, afluente da margem esquerda do rio Teles Pires no município de Nova Canaã do Norte-Mato Grosso

Autores

  • Claudete Silveira Damas Machado Universidade do Estado do Mato Grosso
  • Fabio Junior do Espirito Santo Andrade Universidade do Estado do Mato Grosso
  • Leila Nalis Paiva da Silva Andrade Universidade do Estado do Mato Grosso
  • Marcos Santos Universidade do Estado do Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2115

Palavras-chave:

Ambiente de Confluência. Carga de sedimentos. Recursos Hídricos

Resumo

O presente trabalho tem como objetivo quantificar os sedimentos (fundo e suspensão) em ambiente de confluência do rio Cavalo Morto com o rio Teles Pires. Realizou-se trabalho de gabinete com pesquisas em livros, revistas e artigos científicos. O trabalbo de campo ocorreu em período de cheia e foram feitas observações  e coleta dos sedimentos para análise. As análises foram feitas no Laboratório  de Ensino e Pesquisa em Geomorfologia Fluvial “Antonio Christofoletti” no campus de Colider – Mato Grosso.  Concluiu-se que a carga  de  suspensão é relativamente baixa, no entanto, em razão da sua velocidade, o rio Cavalo Morto, afluente do rio Teles Pires, tem grande capacidade de transportar sedimentos arenosos (areia grossa, média e fina) e seixos.

Biografia do Autor

Claudete Silveira Damas Machado, Universidade do Estado do Mato Grosso

Departamento de Geografia. Universidade do Estado do Mato Grosso

Fabio Junior do Espirito Santo Andrade, Universidade do Estado do Mato Grosso

Departamento de Geografia. Universidade do Estado do Mato Grosso

Leila Nalis Paiva da Silva Andrade, Universidade do Estado do Mato Grosso

Departamento de Geografia. Universidade do Estado do Mato Grosso

Marcos Santos, Universidade do Estado do Mato Grosso

Departamento de Geografia. Universidade do Estado do Mato Grosso

Referências

ANDRADE, L. N. P. S.; SOUZA, C. A. de. Sub-bacia hidrográfica do Córrego das Pitas: análise batimétrica e transporte de sedimentos. Geociências. São Paulo: UNESP, v. 28, n. 4, p. 387-400, 2009. Disponível em: <http://www.revistageociencias.com.br/28_4/Art%2004_Andrade.pdf> Acesso em: 05 de jan. de 2017.

BARROS, L. R.; SOUZA, C. A. de. Avaliação do grau de degradação e impactos associados na bacia hidrográfica do Córrego Sangradouro, Cáceres – MT. Revista Eletrônica da Associação dos Geógrafos Brasileiros. Seção Três Lagoas/MS – nº 16 – Ano 9, Novembro 2012. Disponível em: <http://seer.ufms.br/index.php/RevAGB/article/view/598> Acesso em: 05 de jan. de 2017.

BÜHLER, B. F. Qualidade da água e aspectos sedimentares da bacia Hidrográfica de rio Paraguai no trecho situado entre a baía do Iate e a região do Sadão, município de Cáceres (MT) sob os enfoques quantitativos e perceptivos. 2011, 141 f. Dissertação (Mestrado em Ciências Ambientais) Universidade do Estado de Mato Grosso, Cáceres, 2011. Disponível em: acesso em: 05 de jan. de 2017.

CAMARGO, L. (org.). Atlas de Mato Grosso: Abordagem socioeconômica-ecológica. Cuiabá, MT: Entrelinhas, 2011.

CARVALHO, N. de O..Hidrossedimentologia Prática. Rio de Janeiro: CPRM, 1994. 372 p.

CHRISTOFOLETTI, A.. Geomorfologia. São Paulo: Edgard Blücher, 1980.

CIMA, E. F.; ANDRADE, L. N. P. da S.; SOUZA, C. A. de; SANTOS, M. dos; LEANDRO, G. R. dos S..Frequência granulométrica e deposição de sedimentos em ambientes do corredor fluvial do rio Paraguai, pantanal superior, Mato Grosso. Cadernos de Geociências. v. 11, n. 1-2, nov. 2014 . Disponível em: <https://portalseer.ufba.br/index.php/cadgeoc/article/view/9769/8833> acesso 05 de jan. de 2017.

CUNHA, S. B. Geomorfologia Fluvial. In: Cunha S. B. e Guerra. A. J. T. (orgs.). Geomorfologia: Exercícios, técnicas e aplicações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.

EMBRAPA. Manual de Métodos de Análises de Solo. 2. ed. Rio de Janeiro: Embrapa Solo. 1997. 212 p.

EMBRAPA. Manual Técnico de Pedologia. 2. ed. Rio de Janeiro: Embrapa Solo. 2007. 316 p.

GIANNINI, P. C. F.; MELO, M. S.de; Do Grão à rocha sedimentar: erosão,deposição e diagenese. In: TEIXEIRA, W.; FAIRCHILD, T. R.; TOLEDO, M. C. M. de; TAIOLI, F.(orgs.). Decifrando a Terra. São Paulo: Nacional, 2009.

SANTOS, M. dos; SOUZA, C. A. de; SOUSA, J. B. de; FILHO, A. R.; SANTOS, R. P. dos. A dinâmica fluvial da bacia hidrográfica do Córrego Cachoeirinha no município de Cáceres MT- Brasil. Enciclopédia Biosfera, Centro Científico Conhecer. Goiânia, v.9, n.17; p.3160 2013. Disponível em: <http://www.conhecer.org.br/enciclop/2013b/MULTIDISCIPLINAR/A%20DINAMICA%20FLUVIAL.pdf> Acesso em: 05 de jan. de 2017.

SOUZA, J. O. P. de. Dos sistemas ambientais ao sistema fluvial – uma revisão de conceitos. Caminhos da Geografia. Uberlândia v. 14, n. 46 Set/2013 p. 224–233. Disponível em: < http://www.seer.ufu.br/index.php/caminhosdegeografia/article/view/22281/13241> acesso em: 06 de jan. de 2017.

SUGUIO, K. Introdução a sedimentologia. São Paulo: Edgard Blücher, 1973.

SUGUIO, K.. Geologia Sedimentar Aplicada. São Paulo: Edgard Blücher, 2003. p.346-347.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Bacias Hidrográficas e Recursos Hídricos: Análise, Planejamento e Gestão