O trabalho de campo como metodologia para ensinar sobre as inundações do rio Mutondo na bacia do rio Guaxindiba-Alcântara- SG-RJ

Autores

  • Nathália Villela Peres dos Santos Universidade do Estado do Rio de Janeiro
  • Ana Claudia Ramos Sacramento Universidade do Estado do Rio de Janeiro

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2116

Palavras-chave:

Inundações. Trabalho de Campo. Ensino de Geografia

Resumo

Este texto objetiva apresentar a importância do trabalho de campo realizado com uma turma de 1º ano da rede estadual do CIEP 439- Luiz Gonzaga Júnior localizado no bairro Luiz Caçador no município de São Gonçalo-RJ, para discutir sobre as inundações no Rio Mutondo pertencente à Bacia Hidrográfica do rio Guaxindiba-Alcântara. Os conceitos e os conteúdos mediados sobre bacia hidrográfica e seus elementos podem fazer mais sentido quando se promove atividades para além da sala de aula. Ter o trabalho de campo como uma metodologia de ensino possibilita repensar as práticas pedagógicas, por meio da organização desta atividade: pré-campo, campo e pós-campo. Desta forma, como resultado esta possibilitou a apreensão sobre as concepções do meio físico-natural, da cidade, do urbano, e das contradições socioespaciais, os quais foram possíveis de serem trabalhadas promovendo o conhecimento geográfico relacionado à bacia hidrográfica de maneira mais dinâmica para o estudante.

Biografia do Autor

Nathália Villela Peres dos Santos, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Departamento de Geografia/Faculdade de Formação de Professores, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Ana Claudia Ramos Sacramento, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Departamento de Geografia/Faculdade de Formação de Professores, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Referências

ALENTEJANO, P. R. R.; ROCHA-LEÃO, O. M. Trabalho de campo: uma ferramenta essencial para os geógrafos ou um instrumento banalizado? Boletim Paulista de Geografia, São Paulo, n. 84, p. 51-67, 2006.

GOERL, R. F.; KOBIYAMA, M. Considerações sobre as inundações no Brasil. In: Simpósio Brasileiro de Recursos Hídricos. (16: 2005: João Pessoa) Porto Alegre: ABRH, Anais 2005. CD-rom. Disponível em: http://www.labhidro.ufsc.br/Artigos/ABRH2005_inundacoes.pdf s/p.

LIMA, V. B. Expedições geográficas: uma proposta interdisciplinar para o trabalho de campo. Fortaleza: Premius, 2013.

SALGADO, C. M. Precipitação e enchentes no município de São Gonçalo (RJ): caracterização e prevenção. IN: Estudos Ambientais em Regiões Metropolitanas: São Gonçalo. SANTOS, Marcelo Guerra (Org). Rio de Janeiro: EdUerj, 2012. p. 211-125

SERPA, A. Trabalho de campo em geografia: uma abordagem teórico-metodológica. Boletim Paulista de Geografia, São Paulo, n. 84, p. 7-24, 2006.

SILVA, L. O. da. Avaliação dos parâmetros morfométricos da bacia do rio Guaxindiba – Alcântara (SG/RJ) como subsídio a análise de inundações. 2013. 107f. Especialização em Dinâmicas Urbano-Ambientais e Gestão do Território. UERJ/FFP, São Gonçalo-RJ.

TUCCI, C. E. M. Gerenciamento integrado de inundações urbanas no Brasil. Revista REGA, Porto Alegre, n.1, p. 59-73, 2004.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Bacias Hidrográficas e Recursos Hídricos: Análise, Planejamento e Gestão