Percepção das problemáticas socioambientais do rio da Chata no município de Jupi (PE)

Autores

  • Macelle Soares Almeida Silva Universidade de Pernambuco
  • Jeovanes Lisboa da Silva Filho Universidade de Pernambuco
  • Suzana de Araújo Silva Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2119

Palavras-chave:

Recursos hídricos. Saneamento básico. Percepção ambiental

Resumo

Apresenta-se o referido trabalho, o qual tem como objetivo identificar as problematicas socioambientais do rio da Chata em Jupi (PE) por meio da percepção. Enquanto metodologia de trabalho, priorizou-se inicialmente a revisão bibliografica, associada com visitas in lo e registos fotograficos, bem como a percepção e a subjetividade dos pesquisadores envolvidos. Quanto aos resultados, observou-se a intensa poluição do rio da Chata, sobretudo pelo fato dos diversos efluentes domesticos por a cidade não dispor de um sistema de saneamento básico eficiente, o que afeta a qualidade de vida da população que reside ao entrono. Para tanto, o trabalho contribuiu para despertar reflexão frente as problematicas sociombietais e suas implicações a população que interage com esse recuros hidrico.  

Biografia do Autor

Macelle Soares Almeida Silva, Universidade de Pernambuco

Graduada em Geografia pela (UPE), Campus Garanhuns.

Jeovanes Lisboa da Silva Filho, Universidade de Pernambuco

Graduado em Geografia pela (UPE), Campus Garanhuns.

Suzana de Araújo Silva, Universidade Federal de Pernambuco

Doutoranda em Meio Ambiente e Desenvolvimento (UFPE).

Referências

AMADOR, Maria Betânia Moreira (Org.) Sistemismo e sustentabilidade: questão interdisciplinar. São Paulo: Scortecci, 2011.

BRASIL. Lei N. 6.938 de 31 de agosto de 1981. Dispõe sobre a Política Nacional do Meio Ambiente, seus fins e mecanismos de formulação e aplicação, e dá outras providências. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L6938.htm>. Acesso em: 15 fev. 2017.

BRASIL. Lei nº 9433, de 8 de janeiro de 1997: Política Nacional dos Recursos Hídricos. 1997. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L9433.htm>. Acesso em: 22 fev. 2017.

COMISSÃO MUNDIAL SOBRE O MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO. Nosso Futuro Comum. Rio de Janeiro: Editora da Fundação Getúlio Vargas, 1998.

LEAL, A. C. Gestão das águas no Pontal do Paranapanema-SP. 2000. 300 f. Tese (Doutorado em Geociências). Instituto de Geociências, Universidade Estadual de Campinas, 2000.

______. Gestão das águas e planejamento ambiental na UGRH Paranapanema – Brasil: Estudos e Desafios. In: Geonorte, Edição Especial, V.4, N.4,2012, p.220 – 238.

RIZK, Cristina Renata; ARAÚJO, Ribeiro d. SILVA, Marcia Aparecida. Esgotamento sanitário: um desafio para o enquadramento de corpos d’água. In: Abordagens em Recursos Hídricos. ARAÚJO Renata Ribeiro de. DI, Cláudio Antonio. DIAS, Leonice Seolin (Orgs.). Tupã: ANAP, 2016. p. 46-62.

SILVA, Suzana de Araújo. Saneamento básico e saúde pública em bacias hidrográficas urbanas: um estudo de caso do Riacho Reginaldo em Maceió (AL). 2014. 110 p. Dissertação (Mestrado em Recursos Hídricos e Saneamento). Universidade Federal de Alagoas. Centro de Tecnologia.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Bacias Hidrográficas e Recursos Hídricos: Análise, Planejamento e Gestão