Morfometria da bacia hidrográfica do Riacho Doce – município de Maceió (AL)

Autores

  • Genisson Panta da Silva Universidade Federal de Alagoas
  • Kleython de Araújo Monteiro Universidade Federal de Alagoas
  • Rosane Cunha Maia Nobre Universidade Federal de Alagoas
  • Deise Sâmara Silva Universidade Federal de Alagoas

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2137

Palavras-chave:

Morfometria. Geoprocessamento. Recursos Hídricos. Riacho Doce

Resumo

O objetivo deste estudo é caracterizar a Bacia Hidrográfica do Riacho Doce (15,8 km²) que se localiza no município de Maceió, capital de Alagoas, por meio de índices morfométricos. Para isso, utilizou-se o Modelo Digital de Elevação (MDE) gerado com dados do projeto internacional SRTM (Shuttle Radar Topography Mission) e disponibilizado gratuitamente no site da EMBRAPA. Trabalhou-se em ambiente GIS para delimitação da bacia, determinação da área, perímetro, comprimento do rio principal, eixo axial, índice de circularidade, compacidade, densidade de drenagem, fator de forma e hierarquização da drenagem segundo Strahler. Os índices sugerem que a bacia estudada tem, em condições normais de pluviosidade, baixo risco de enchentes. A utilização de técnicas GIS é uma ferramenta importante para a sistematização de informações que subsidiam o gerenciamento dos recursos hídricos das bacias hidrográficas. 

Biografia do Autor

Genisson Panta da Silva, Universidade Federal de Alagoas

Instituto de Geografia, Desenvolvimento e Meio Ambiente, Universidade Federal de Alagoas

Kleython de Araújo Monteiro, Universidade Federal de Alagoas

Instituto de Geografia, Desenvolvimento e Meio Ambiente, Universidade Federal de Alagoas

Rosane Cunha Maia Nobre, Universidade Federal de Alagoas

Instituto de Geografia, Desenvolvimento e Meio Ambiente, Universidade Federal de Alagoas

Deise Sâmara Silva, Universidade Federal de Alagoas

Instituto de Geografia, Desenvolvimento e Meio Ambiente, Universidade Federal de Alagoas.

Referências

BRASIL. Lei nº. 9.433, de 8 de janeiro de 1997. Lei dos Recursos Hídricos. Disponível em: . Acesso em: 10 jan. 2017.

CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. São Paulo: Edgard Blucher. 1980.

CARDOSO, C. A. et al. Caracterização Morfométrica da Bacia Hidrográfica do Rio Debossan, Nova Friburgo, RJ. R. Árvore, Viçosa (MG), v.30 n.2, 2006. p.241-248,

COSTA W. D. et al. Estudos hidrogeológicos para subsidiar a gestão sustentável dos recursos hídricos subterrâneos na região metropolitana de Maceió. Brasília: Agência Nacional de Águas (ANA); Setembro, 2011. v. II.

MENDONÇA, C. A. P. et al. Enciclopédia dos Municípios de Alagoas. Maceió: Núcleo de Projetos Especiais, 2012.

NOBRE, R. C. M.; NOBRE, M. M. M. Caracterização hidrogeológica para o uso racional e proteção dos mananciais subterrâneos em Maceió-AL. Revista Brasileira de Recursos Hídricos, v.6, n.1, 2001. p.7-20.

OLIVEIRA, P. T. S. et al. Caracterização morfométrica de bacias hidrográficas através de dados SRTM. Campina Grande: Rev. Bras. de Eng. Agric., v.14, n.8, 2010. p.819-825.

STIPP , N. A. F. et al. Análise morfométrica da bacia hidrográfica do rio taquara – uma contribuição para o estudo das ciências ambientais. Londrina: Portal da Cartografia, v.3 n.1, 2010. p.105-104.

SOUZA, R. M. Caracterização morfométrica e delimitação da bacia hidrográfica do Córrego Samambaia – GO a partir de dados do SRTM. In: Anais XVI Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto. Foz do Iguaçu: Anais…2013, p.5880-5887.

SANTOS, I. et al. Hidrometria Aplicada. Curitiba: ITD, 2001.

VILLELA, S. M., MATTOS, A. Hidrologia Aplicada. São Paulo: McGraw-Hill do Brasil, 1975.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Bacias Hidrográficas e Recursos Hídricos: Análise, Planejamento e Gestão