Suscetibilidade erosiva na bacia do Córrego Lava-Pés em Silvânia – GO

Autores

  • Fernanda Vaz Oliveira Instituto de Estudos Sócio-Ambientais, Universidade Federal de Goiás
  • Andrelisa Santos Jesus Instituto de Estudos Sócio-Ambientais, Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2143

Palavras-chave:

Bacia hidrográfica. Erosão. Suscetibilidade erosiva

Resumo

Este trabalho resultou da pesquisa de diagnóstico e prognóstico do meio físico da bacia do córrego Lava-Pés em Silvânia – GO. Esta bacia possui área de 16,5 km² e localiza-se na porção central do município onde está edificada boa parte da malha urbana do município. Esta região é predominantemente utilizada para agricultura seguida de pastagem, além de ser ocupada pela área urbana. Apresenta problemas com processos erosivos lineares o que motivou os estudos para diagnóstico da bacia visando compreender a suscetibilidade erosiva. Foram elaboradas castas de suscetibilidade a erosão laminar e linear que permitiram concluir que as regiões mais suscetíveis à erosão laminar estão relacionadas com as maiores declividades e a suscetibilidade à erosão linear se associa às áreas urbanas e de agricultura.

Biografia do Autor

Fernanda Vaz Oliveira, Instituto de Estudos Sócio-Ambientais, Universidade Federal de Goiás

Instituto de Estudos Sócio-Ambientais, Universidade Federal de Goiás

Andrelisa Santos Jesus, Instituto de Estudos Sócio-Ambientais, Universidade Federal de Goiás

Instituto de Estudos Sócio-Ambientais, Universidade Federal de Goiás

Referências

AFFONSO, M. V. T. Cadastro de erosões na área urbana do município de Silvânia –GO. Goiânia: UFG, 2014.

ARCAYA, S. G. C. Avaliação dos fatores condicionantes dos processos erosivos no Distrito Federal. Dissertação de Mestrado. Brasília: Universidade de Brasília, 2007.

CASTRO, S. S. de; XAVIER, L. de S. Plano de controle da erosão linear da área de abrangência das nascentes dos rios Araguaia e Araguainha – GO e MT. Goiânia, 2004.

EMBRAPA. Centro Nacional de Pesquisa de Solos. Sistema brasileiro de classificação de solos. Brasília: Embrapa Produção de Informação; Rio de Janeiro: Embrapa Solos, 2013.

JESUS, A. S. de. Processos Erosivos em Silvânia – GO. Goiânia, 2014.

LACERDA, M. P. C.; ALVARENGA, Maria I. N. Recursos naturais da microbacia. Belo Horizonte, 2000.

OLIVEIRA, C. C. de. Programa Levantamentos Básicos do Brasil – Folha SE.22-X-B-V, Leopoldo de Bulhões: Brasília: DNPM, 1994.

ROSS, J. L. S. Análise empírica da fragilidade dos ambientes naturais e antropizados. São Paulo, 1994.

SALOMÃO, F. X. T. Controle e prevenção dos processos erosivos. In: GUERRA, T.A.J.; SILVA, A.S. & BOTELHO, R.G. (Org.). Erosão e Conservação dos solos: conceitos, temas e aplicações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999. cap. 7.

SANTORO, J. Erosão Continental. In: TOMINAGA, L. K; SANTORO, J; AMARAL, R. do. (Org.). Desastres Naturais: conhecer para prevenir. 2 ed. São Paulo: Instituto Geológico, 2012. cap. 4.

SENA, J. N. O uso de sistema de informação geográfica na avaliação de diferentes alternativas de geração de cartas de suscetibilidade à erosão. Dissertação de Mestrado. Ilha Solteira: Universidade Estadual Paulista, 2008.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Bacias Hidrográficas e Recursos Hídricos: Análise, Planejamento e Gestão