Distribuição geográfica potencial de Maytenus Iliciflora (celastraceae) no Brasil frente às mudanças climáticas

Autores

  • Thays Mayara Camassola Universidade do Extremo Sul Catarinense
  • Fabiana Gonçalves Barbosa Universidade do Extremo Sul Catarinense

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2152

Palavras-chave:

Consenso de predição. Conservação. Modelos bioclimáticos. Planta medicinal

Resumo

As discussões acerca do impacto na biodiversidade mundial causadas pelas alterações climáticas vêm sendo bastante ampliadas. Nos últimos anos, Maytenus ilicifolia Mart. Ex Reissek é uma das espécies mais utilizadas para distintos fins medicinais; sua valorização comercial somada às fronteiras agrícolas disparou o extrativismo, possibilitando reduzir drasticamente a população desta planta.  Aliado as futuras alterações climáticas, o risco à conservação aumenta.  Neste propósito, utilizamos uma combinação de modelos bioclimáticos para mapear a adequabilidade climática potencial de M. ilicifolia no Brasil frente às alterações climáticas. Utilizamos 215 registros de presença de M. ilicifolia, quatro diferentes técnicas de modelagem (conduzidas no ambiente R), cinco variáveis bioclimáticas atuais e futuras e três Modelos de Circulação Global na geração dos modelos atuais e futuros.  Em conclusão, a adequabilidade climática no futuro (2100) para o Brasil será reduzida nos Estados do Mato Grosso do Sul e Paraná e ampliada em regiões mais frias.

Biografia do Autor

Thays Mayara Camassola, Universidade do Extremo Sul Catarinense

Acadêmica do Curso de Geografia - Bolsista do Programa Institucional de Bolsa de Iniciação Científica (PIBIC) - UNESC - Criciúma, SC, Brasil.

Fabiana Gonçalves Barbosa, Universidade do Extremo Sul Catarinense

Docente do Programa de Pós-graduação em Ciências Ambientais - UNESC - Criciúma, SC, Brasil.

Referências

BEAUMONT, L. J; HUGHES, L. Potential changes in the distributions of latitudinal restricted Australian butterfly species in response to climate change. 2002. Global Change Biology, 8:954-971.

CARVALHO, A. C. B; BALBINO, E.E; MACIEL, A; PERFEITO, J. P. S. (2008) Situação do registro de medicamentos fitoterápicos no Brasil. Revista Brasileira Farmacognosia, 18:314- 319.

CARVALHO-OKANO, R. M; LEITÃO FILHO, H. F. (2004) O gênero Maytenus Mol. emend. Mol. (Celastraceae) no Brasil extra-amazônico. In: Reis MS & Silva SR (Organizadores). Conservação e uso sustentável de plantas medicinais e aromáticas: Maytenus spp., espinheira-santa. Brasília: IBAMA. 11-51p.

COSTA. J; DORNAK, L. L; ALMEIDA, C. E, PETERSON AT. (2014) Distributional potential of the Triatoma brasiliensis species complexa at presente and under scenarios of future climate conditions. Parasites & Vectors, 7:238.

DI STASI, L. C (2004) Aspectos químicos e farmacológicos da espinheira-santa: uma análise da utilidade dos dados. In: Reis MS & Silva SR (Organizadores). Conservação e uso sustentável de plantas medicinais e aromáticas: Maytenus spp., espinheira santa. Brasília: IBAMA. 67-92p.

FORZZA, R. C (2010) Catálogo de plantas e fungos do Brasil. Rio de Janeiro: Instituto de Pesquisa Jardim Botânico do Rio de Janeiro. 871p

GAIKWAD, J; WILSON, P. D; RANGANATHAN, S. Ecological niche modeling of customary medicinal plant species used by Australian Aborigines to identify species-rich and culturally valuable areas for conservation. Ecological Modelling, 222: 3437-3443.

GIANNINI, T. C et (2012). Pollination services at risk: bee habitats will decrease owing to climate change in

Brazil. Ecological Modelling 244: 127-131.

HUGHES, L. (2000) Biological consequences of global warming: is the signal already apparent. Trends in Ecology and Evolution, 15:56-61.

LEMES, P; LOYOLA, R; Mudanças climáticas e prioridades para conservação da biodiversidade. Revista de Biologia Neotropical, Goiânia, p.47-57, 18 jul. 2014. Semestral. Disponível em: <https://www.revistas.ufg.br/RBN>. Acesso em: 19 dez. 2016.

LOURTEIG, A; O’DONNELL, C. A (1955) Las Celastraceas de Argentina y Chile. Natura, 1:181-233.

LOYOLA, R. D et al (2012) Climate change might drive species into reserves: a case study of the American bullfrog in the Atlantic Forest Biodiversity Hotspot. Alytes, 29:61-74.

MALCOM, J.R; LIU, C.;NELSON, R.P.; HANSEN, L. & HANNAH, L. 2006. Global Warming and Extictions os Endemic Species from Biodiversity Hotspots. Conservation Biology, 20(2): 538-548. Mateo RG, Felicíssimo AM & Munhoz J. (2011) Modelos de distribución de especies: una revision sintética. Revista Chilena de Historia Natural, 84: 217-240.

MATOS, F. J. A.et al. Plantas medicinais no brasil: nativas e exóticas. 2. ed. Sao Paulo: Harri Lorenzi, 2008.

PEARSON, R; DAWSON, T (2003) Predicting the impacts of climate change on the distribution of species: are cioclimatic envelope models useful. Global Ecology and Biogeography, 12: 361-371.

PETERSON, A. T (2001) Effects of global climate change on geographic distributions of Mexican Cracidae. Ecological Modelling, 144: 21-30.

R CORE TEAM (2014) R: a language and environment for statistical computing. R Foundation for Statistical Computing, Vienna, Austria. URL http://www.R-project.org/.

SANTOS OLIVEIRA, R; COULAUD-CUNHA, S; COLAÇO, W. (2009) Revisão da Maytenus ilicifolia Mart. Ex Reissek, Celastraceae. Contribuição ao estudo das propriedades farmacológicas. Revista Brasileira de Farmacognosia, 19: 650-659.

STEENBOCK, W; REIS, M.S (2004) Manejo sustentável de populações naturais de espinheira-santa. In Reis MS & Silva SR (Organizadores). Conservação e uso sustentável de plantas medicinais e aromáticas: Maytenus spp., espinheira-santa. Brasília: IBAMA. 145-161p.

THUILLER, W. et al. (2005) Niche-based modeling as tool for predicting the risk of alien plant invasions at a global scale. Global Change Biology, vol. 11, p. 2234-2250.

TOLEDO, K. Quinto relatório do IPCC mostra intensificação das mudanças climáticas. 2013. Disponível em: http://agencia.fapesp.br/quinto_relatorio_do_ipcc_mostra_intensificacao_das_mudancas_climaticas/17944/>. Acesso em: 10 out. 2016.

VALE, M.M; ALVES, M.A.S; LORINI, M.L. 2009. Mudanças climáticas: desafios e oportunidades para a conservação da biodiversidade brasileira. Oecol. Bras. 13(3):518-53.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Biogeografia, Manejo de Áreas Naturais e Protegidas: Conservação da Biodiversidade