O uso do sistema de informação geográfica na análise do conflito do uso e ocupação das terras nas áreas de preservação permanente, no município de Cordeirópolis/SP

Autores

  • Paulo Henrique Vieira Universidade Estadual Paulista
  • Andreia Medinilha Pancher Universidade Estadual Paulista

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2169

Palavras-chave:

Uso e ocupação das terras. APP. SIG. Análises espaciais

Resumo

As atividades antrópicas vêm transformando o espaço consideravelmente, ocupando grande parte dos sistemas ambientais existentes, desencadeando em impactos ambientais. É neste contexto que o objetivo deste trabalho foi analisar o conflito do uso e ocupação das terras nas áreas de preservação permanente (APP), localizadas no municipio de Cordeirópolis SP, com suporte de SIG. Para o propósito, os procedimentos metodológicos foram divididos em etapas: Levantamento bibliográfico, do material cartográfico e dos produtos sensores; Elaboração dos mapas temáticos; Elaboração da faixa de APP (distância buffer); e Trabalhos de Campo. O trabalho baseou-se em imagens com 1 metro de resolução espacial (Ortofotos) e no Sistema de Informação Geográfica (SIG), que nos últimos anos vem sendo muito utilizado no meio acadêmico. Com isso o trabalho visa também demonstrar a importância do SIG nas análises espaciais.

Biografia do Autor

Paulo Henrique Vieira, Universidade Estadual Paulista

Doutorando em Geografia UNESP – Campus de Rio Claro.

Andreia Medinilha Pancher, Universidade Estadual Paulista

Professora Drª de Geografia UNESP – DEPLAN/Campus de Rio Claro.

Referências

ALMEIDA, A. Q. de.; BERGER, B. Comparação entre áreas de preservação permanentes demarcadas a partir de diferentes escalas topográficas. Cap.1, 2007. In: MORAIS, A. C. de.; SANTOS, A. R. dos. Geomática e Análise Ambiental. Vitória: EDUFES, 2007.

BARROS GÓES, M.H.; XAVER-DA-SILVA, J. Uma contribuição metodológica para diagnósticos ambientais por geoprocessamento. Parque Estadual de Ibitipoca, Seminário de Pesquisa, 1996, Ibitipoca. Resumos... Ibitipoca: IBAMA, 1996, pp.13-23.

BIAS, E. de S.; BRITES, R.S.; ROSA, A.N de. C.S. Imagem de Alta Resolução Espacial. Cap.15, 2014 In: MENESES, P.R. ALMEIDA, T.de. Introdução ao Processamento de Imagens de Sensoriamento Remoto. Brasília: CNPq, 2012, p.249-267.

Brasil (1988). Constituição da República Federativa do Brasil de 1998. Brasília: Diário Oficial da União.

BRASIL. Lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012. Dispõe Sobre A Proteção da Vegetação Nativa; Altera As Leis nos 6.938, de 31 de Agosto de 1981, 9.393, de 19 de Dezembro de 1996, e 11.428, de 22 de Dezembro de 2006; Revoga As Leis nos 4.771, de 15 de Setembro de 1965, e 7.754, de 14 de Abril de 1989, e A Medida Provisória no 2.166-67, de 24 de Agosto de 2001; e Dá Outras Providências.

Brasil. Ministério do Meio Ambiente. Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 1965. Institui o Código Florestal Brasileiro. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, DF, 1965.

BRASIL. Resolução CONAMA no. 001/86 Define Impacto Ambiental. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/port/conama/res/res86/res0186.html> Acesso em: 02/02/2017.

CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE – CONAMA. Resolução nº 01, de 23 de janeiro de 1986. Dispõe sobre critérios básicos e diretrizes gerais para o Relatório de Impacto Ambiental – RIMA. Disponível em: <http://www.mma.gov.br/port/conama/legiabre.cfm?codlegi=23>. Acesso em: 02/02/ 2017.

COUTINHO, L. M. ZANETTI, S. S. CECILIO, R. A. GARCIA, G. de O. XAVIER, A. C. Usos da terra e áreas de preservação permanente (APP) na bacia do rio prata, Castelo – ES. Revista Floresta e Ambiente. v. 20. nº 7 p. 425-434. 2013.

FERREIRA, C. C. Geotecnologias aplicada a Criação e Organização de Banco de Dados Geoambientais da Bacia Hidrográfica do Rio Sucuriú - MS/BR. 2011. Dissertação Mestrado – Universidade Federal do Mato Grosso do Sul, Três Lagoas, 2011.

FLORENZANO, T. Iniciação em Sensoriamento Remoto. 3 ed. São Paulo: Oficina de Textos, 2011.

IBGE. Manual Técnico do Uso da Terra. 3 ed. n.7. Rio de Janeiro, 2006.

LONGLEY, P. A.; Goodchild, M. F.; Maguire, D. J.; Rhind, D. W. Sistemas e ciência da Informação Geográfica. Revisão técnica: Heinrich Hasenack, Eliseu José Weber. 3ª ed. Porto Alegre: Bookman, 2013.

NOVO, E. M. L. M, Sensoriamento Remoto, Princípios e Aplicações. 3ºed. Edgard Blucher, 2008.

PENTEADO, O. M. M. A bacia de sedimentação de Rio Claro, Estado de São Paulo. Revista Geographica da Sociedade de Geografia de Lisboa, Lisboa, 1969

ROSA, R. Análise Espacial em Geografia. Revista da ANPEGE. v. 7. nº 1. p.275-289. 2011.

_______. Introdução ao Sensoriamento Remoto. 6 ed. Uberlândia: EDUFU, 2009.

ROSS, J. L. S. Ecogeografia do Brasil: subsídios para planejamento ambiental. São Paulo: Oficina de textos, 2009.

SEADE – Sistema Estadual de Análise de Dados. Disponível em:< http://produtos.seade.gov.br/produtos/imp/.> Acessado em: dezembro de 2016

SOARES VP; MOREIRA A.A.; RIBEIRO, C.A.A.S.; GLERIANI, J.M. Mapeamento das áreas de preservação permanente e dos fragmentos florestais naturais como subsidio à averbação de Reserva Legal em imóveis rurais. Cerne 2011; 17(4): 555-561.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geotecnologias e Modelagem Espacial em Geografia Física