Unidades fisiográficas de relevo da bacia hidrográfica do rio Itu – oeste do Rio Grande do Sul

Autores

  • Romario Trentin
  • Luís Eduardo de Souza Robaina
  • Rhael David Lara Partida
  • Maria José Entrena Pineda

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2172

Palavras-chave:

Relevo. Fisografia. Bacia hidrográfica

Resumo

O trabalho tem com objetivo estabelecer a compartimentação fisiográfica da bacia hidrográfica do Rio Itu. Utilizou-se além de parâmetros de relevo, atributos litológicos e de solos combinados em SIG. Os dados de elevação foram discriminados em duas classes, sendo elas maiores e menores de 186 metros. As informações de declividades foram discriminadas em duas classes, sendo elas maiores e menores que 15%. Por fim, os solos foram discriminados em três classes: solos hidromórficos, solos rasos e solos profundos. O cruzamento automático definiu 24 unidades, sendo que, as unidades que não representavam espacialmente a configuração de uma unidade fisiográfica, foram reagrupadas em unidades com características semelhantes, o que condicionou a delimitação de 15 unidades fisiográficas para a bacia hidrográfica do Rio Itu. Destas unidades fisiográficas, seis são grandes unidades espaciais que representam o predomínio das áreas da bacia hidrográficas, e as demais unidades, apesar de ocuparem pequenas áreas representam situações especificas da área de estudo.

Biografia do Autor

Romario Trentin

Departamento de Geociências/ Universidade Federal de Santa Maria.

Luís Eduardo de Souza Robaina

Departamento de Geociências/ Universidade Federal de Santa Maria.

Rhael David Lara Partida

Departamento de Geociências/ Universidade Federal de Santa Maria.

Maria José Entrena Pineda

Departamento de Geociências/ Universidade Federal de Santa Maria.

Referências

CARRARO, C. C.; LIU, C. C.; YAMAGATA, S. K. Interpretação geológica da região do Alto e Médio São Francisco baseada nas imagens MSS do ERTS-1. INPE TPT, v. 790, p. 1–115, 1975.

CHORLEY, R. J.; SCHUMM, S. A.; SUGDEN, D. E. Geomorphology. Geomorphology., 1984.

CHRISTOFOLETTI, A. Modelagem de Sistemas Ambientais. São Paulo: Editora Edgard Blücher, 1999.

CUNHA, S. B.; GUERRA, A. Geomorfologia e Meio Ambiente. 3. ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1996.

FREITAS, M. W. D.; CUNHA, S. B. Geossistemas e Gestão Ambiental na Bacia Hidrográfica do Rio São João-RJ. Anais do 5o Simpósio de Nacional de Geomorfologia e 1o Encontro Sul-Americano de Geomorfologia. Anais...Santa Maria: 2004

GONZAGA DE CAMPOS, L. F. Secção geológica. São Paulo: [s.n.].

KRETSCH, J. L. Shuttle radar topography mission overview. Proceedings - Applied Imagery Pattern Recognition Workshop. Anais...Institute of Electrical and Electronics Engineers Inc., 2000

MACIEL FILHO, C. L.; SARTORI, P. L. P. Aspectos Estruturais da Região de São Francisco de Assis, RS. Ciência e Natura, v. 1, p. 53–65, 1979.

MILANI, E. J. Geodinâmica Fanerozóica do Gondwana Sul-Ocidental e a Evolução Geológica da Bacia do Paraná. In: HOLZ, M.; DE ROS, L. V. (Eds.). Geologia do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: CIGO/UFRGS, 2002. p. 275–302.

PIRES, J. L. O planejamento das atividades de mineração para a área conurbada de Florianópolis. [s.l.] Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) –Curso de Pós-Graduação em Engenharia Civil, Universidade Federal de Santa Catarina, 2000.

ROBAINA, L. E. DE S. et al. COMPARTIMENTAÇÃO GEOMORFOLÓGICA DA BACIA HIDROGRÁFICA DO IBICUÍ, RIO GRANDE DO SUL, BRASIL: PROPOSTA DE CLASSIFICAÇÃO. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 11, n. 2, p. 11–23, 2010.

SCHERER, C. M. S.; FACCINI, U. F.; LAVINA, E. Arcabouço Estratigráfico do Mesozóico da Bacia do Paraná. In: HOLZ, M.; DE ROS, L. V.; L.V. (Eds.). Geologia do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: CIGO/UFRGS, 2002. p. 335–354.

SECRETARIA DA COORDENAÇÃO E PLANEJAMENTO. Atlas Socioeconômico do Rio Grande do Sul. 2. ed. Porto Alegre: SCP, 2002.

STRECK, E. V. et al. Solos do Rio Grande do Sul. 2. ed. Porto Alegre: Emater/RS, 2008.

SUERTEGARAY, D. M. A. O Rio Grande do Sul descobre seus “desertos”. Ciência & Ambiente, v. 1, n. 1, p. 34–52, 1995.

SUERTEGARAY, D. M. A.; GUASSELI, L. A.; VERDUM, R. Atlas da arenização: Sudoeste do Rio Grande do Sul. Porto Alegre: Secretaria da Coordenação e Planejamento do Rio Grande do Sul, 2001.

TRENTIN, ROMARIO; SANTOS, LEONARDO JOSÉ CORDEIRO; ROBAINA, L. E. DE S. Compartimentação geomorfológica da bacia hidrográfica do rio Itu – Oeste do Rio Grande do Sul - Brasil. Sociedade & Natureza, v. 24, n. 1, p. 127–142, 2012.

TRENTIN, R. Mapeamento geomorfológico e caracterização geoambiental da bacia hidrográfica do Rio Itu - oeste do Rio Grande do Sul - Brasil. [s.l.] Universidade Federal do Paraná, 2011.

TROPPMAIR, H. Biogeografia e Meio Ambiente. 6. ed. Rio Claro: [s.n.].

VIDAL-TORRADO, P.; LEPSCH, I. F.; CASTRO, S. S. Conceitos e aplicações das relações pedologia-geomorfologia em regiões tropicais úmidas. In: Tópicos em Ciência do Solo. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2005. p. 145–192.

WILDNER, W. et al. Mapa Geológico do Estado do Rio Grande do Sul - Escala 1:750000Porto Alegre CPRM, Serviço Geológico do Brasil, 2006.

ZUQUETTE, L. V. Importância do mapeamento geotécnico no uso e ocupação do meio físico: fundamentos e guia para elaboração. [s.l] Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, São Carlos, 1993.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geotecnologias e Modelagem Espacial em Geografia Física