Elaboração de banco de dados geográficos para planejamento e gestão de unidades de conservação

Autores

  • Otacílio Lopes de Souza da Paz Universidade Federal do Paraná
  • Josemar Pereira da Silva Universidade Federal do Paraná
  • Eduardo Vedor de Paula Universidade Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2194

Palavras-chave:

Geotecnologias. Dados geoespaciais. Qualidade da informação. Áreas protegidas

Resumo

Banco de dados geográficos (BDG) apresenta grande importância enquanto subsídio ao planejamento e à gestão ambiental. Discentes da graduação e pós-graduação em Geografia da Universidade Federal do Paraná desenvolvem desde 2014 uma metodologia para elaboração de BDG, a partir de experiências na produção do diagnóstico ambiental da Área de Proteção Ambiental de Guaraqueçaba e de outras unidades de conservação (UCs) no litoral norte do Paraná. Objetiva-se apresentar a metodologia em desenvolvimento, elencando resultados na aplicação entre os anos de 2015 e 2016. Os procedimentos metodológicos dividem-se em 4 etapas: avaliação, sistematização organizacional,qualidade e elaboração de produtos cartográficos. Foram organizados 181 dados geoespaciais em 35 categorias temáticas. Ganha destaque a metodologia por aplicar critérios de controle de qualidade, permitindo a interoperabilidade dos dados. Espera-se que a metodologia apresentada continue seu desenvolvimento aliando a teoria da academia com a prática profissional e que seja aplicada em outras UCs.

Biografia do Autor

Otacílio Lopes de Souza da Paz, Universidade Federal do Paraná

Departamento de Geografia/Universidade Federal do Paraná.

Josemar Pereira da Silva, Universidade Federal do Paraná

Departamento de Geografia/Universidade Federal do Paraná

Eduardo Vedor de Paula, Universidade Federal do Paraná

Departamento de Geografia/Universidade Federal do Paraná

Referências

CAVELLANI, C. L. Sig, cartografia e limites territoriais – Análise do litígio entre Paraná E São Paulo. In: Congreso Iberoamericano de Estudios Territoriales y Ambientales, 6., 2014, São Paulo. Anais...São Paulo: USP, 2014. p. 3323-3339. Disponível em: <http://6cieta.org/arquivos-anais/eixo6/Caio%20Lourencini%20Cavellani.pdf> acesso em 28 fev. 2017.

CONCAR – COMISSÃO NACIONAL DE CARTOGRAFIA. Perfil de Metadados Geoespaciais do Brasil (Perfil MGB), Conteúdo de Metadados Geoespaciais em conformidade com a norma ISO 19115:2003, v. 1, p.164, 2009. Disponível em: <http://www.sieg.go.gov.br/downloads/Perfil_de_Metadados.pdf> acesso em: 28 fev. 2017.

COUTINHO, L. A. Banco de dados geográfico de desastres naturais. Projecto conceitual, inventariação e proposta para difusão dos dados. 2010. 99 f. Dissertação (Mestrado em gestão do território, área de especialização em Detecção Remota e Sistemas de Informações Geográficas) – Universidade Nova de Lisboa. Lisboa. 2010. Disponível em: <https://run.unl.pt/bitstream/10362/4240/1/DISSERTA%C3%87%C3%83O.pdf> acesso em: 28 fev. 2017.

DALAZOANA, R.; FREITAS, S. R. C. Efeitos na cartografia devido a evolução do sistemaGeodésico brasileiro e adoção de um referencialgeocêntrico. Revista Brasileira de Cartografia. v. 1, n. 54. p. 66-76, 2002. Disponível em: <http://www.lsie.unb.br/rbc/index.php/rbc/article/view/190> acesso em 28 fev. 2017.

DEVILLERS, R.; JEANSOULIN, R. Fundamentals of spatial data quality.ISTE Publishing Company, 2006. Disponível em <http://dlia.ir/Scientific/e_book/Geography_Anthropology_Recreation/Geography_(General)/001646.pdf> Acesso em: 28 fev. 2017.

DSG – DIRETORIA DO SERVIÇO GEÓGRAFICO. Especificação técnica para aquisição de dados geoespaciais vetoriais (ET-ADGV).Ministério da Defesa, Exército Brasileiro, Departamento de Ciência e Tecnologia. Brasília-DF, 2a edição, v. 2, 2016. Disponível em <http://www.geoportal.eb.mil.br/images/PDF/ADGV_Defesa_FT_2016_2a_Edicao_2016.zip> acesso em: 28 fev. 2017.

ESRI. Spatial Analyst Tutorial. Esri, 2010.

IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Define a data de término do período de transição definido na RPR 01/2005 e dá outrasprovidências sobre a transformação entre os referenciais geodésicos adotados no Brasil.Resolução da presidência. 1ª edição, v. 1, 2015. Disponível em: <ftp://geoftp.ibge.gov.br/metodos_e_outros_documentos_de_referencia/normas/rpr_01_2015_sirgas2000.pdf> acesso em: 28 fev. 2017.

ISO - International Organization for Standardization. ISO 19114 - Geographic information - Quality evaluation procedures. Switzerland. 2003a. Disponível em: <https://www.iso.org/standard/26019.html> acesso em: 28 fev. 2017.

ISO - International Organization for Standardization. ISO 19115 - Geographic Information - Metadata. Switzerland. 2003b. Disponível em: <https://www.iso.org/standard/26020.html> acesso em: 28 fev. 2017.

ISO - International Organization for Standardization. ISO 19157 - Geographic Information - Data Quality. Switzerland. 2013. Disponível em: <https://www.iso.org/standard/32575.html > acesso em: 28 fev. 2017.

PAULA, E. V. et al. Diagnóstico de subsídio ao Plano de Manejo da APA de Guaraqueçaba. v. 2, p. 280, 2015.

PAZ, O. L. S.; SAMPAIO, T. V. M. Qualidade de Dados Espaciais Vetoriais Disponibilizados para o Estado do Paraná. Anais da XXXII Semana de Geografia da Universidade Estadual de Londrina e do I Encontro de Tecnologias Geográficas e Contemporaneidades. Anais...Londrina: 2016. Disponível em: <http://www.uel.br/cce/geo/arquivos/anais_semana_geografia_2016.pdf> acesso em 28 fev. 2017.

TIMBÓ, M. A. Elementos de cartografia. Universidade Federal de Minas Gerais. Belo Horizonte, Brasil, 57p, 2001. Disponível em: <http://www.csr.ufmg.br/carto1/elementoscartografia_timbo.pdf> acesso em 28 fev. 2017.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geotecnologias e Modelagem Espacial em Geografia Física