Aplicação das geotecnologias para parametrização do mapeamento geomorfológico

Autores

  • Gervásio B. Soares Neto Instituto Federal de Brasília
  • Luís Gustavo Silveira Universidade de Brasília
  • Karla Maria S. de Faria Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2215

Palavras-chave:

Geomorfologia. Geomorfometia. Sistema de Informações Geográficas

Resumo

A representação da superfície terrestre o mais próximo da realidade é de fundamental importância para a adequada análise geomorfológica de uma determinada área. Este trabalho apresenta estudos com dados topologicamente coerentes e estruturados, cuja modelagem foi possível em ambientes de sistema de informações geográficas (SIG), possibilitando uma melhoria na interpretação dos dados morfológicos e na descrição dos dados morfométricos. O objeto de estudo para aplicação desta metodologia foi a unidade hidrológica de Pedreira, localizada ao norte do Distrito Federal. Por ser inserida em uma superfície, em sua maior parte, em declive e com elevado índice de dissecação, foi possível colocar em prática a referida metodologia, aplicando uma diversidade de intervalos para as classes geomorfométricas e morfológicas.

Biografia do Autor

Gervásio B. Soares Neto, Instituto Federal de Brasília

Campus Riacho Fundo, Instituto Federal de Brasília.

Luís Gustavo Silveira, Universidade de Brasília

Instituto de Geociências, Universidade de Brasília.

Karla Maria S. de Faria, Universidade Federal de Goiás

Instituto de Estudos Sócio-Ambientais, Universidade Federal de Goiás.

Referências

CASSETI, Valter. Geomorfologia. [S.l.]: [2005]. Disponível em: <http://www.funape.or

CHRISTOFOLETTI, Antônio. Geomorfologia. São Paulo: Edgard Blucher, 2ª edição, 1980.

COOK, R. U. ; DOORNKAMP, J. C. Geomorphology in environmental management: an introduction. 2 ed. Oxford: Claredon Press, 1990. 413p.

DEMEK, J. Generalization of geomorphological maps. In Progress Made in Geomorphological Mapping. Brno. 1967. p. 35-66.

di/geonomos/pdf. Acesso em 01 de dezembro de 2016.

EVANS, I. S. Geomorphometry and landform mapping: What is a landform? Geomorphology. 137 (2012). p. 94–106.

FITZ, Paulo Roberto. Geoprocessamento sem complicação. São Paulolo, Oficina de textos, 2008.

FLORENZANO, T. G (org.). Geomorfologia: conceitos e tecnologias atuais. São Paulo: Oficina de Textos, 2008.

g.br/geomorfologia/>. Acesso em 18 de dezembro de 2010.

IBGE. Manual técnico de geomorfologia. Manuais técnicos em geociências n. 5. Coordenação de Recursos Naturais e Estudos Ambientais. – 2. ed. - Rio de Janeiro: IBGE, 2009. 182 p.

IPT. Instituto de Pesquisas Tecnológicas. Mapa Geomorfológico do Estado de São Paulo. Escala 1:500.000. IPT, São Paulo. Vol. I. Programa de Desenvolvimento de Recursos Minerais, São Paulo, 1981.

LAUT, P. & PAINE, T. A. A step towards an objective procedure for land classifi cation and mapping. Applied Geography. 1982. 2. p. 109-126.

LOLLO, J. A. “Landform”: Conceituação, Descrição e Aplicabilidade na Caracterização Preliminar de Unidades do Meio Físico para Cartografia Geotécnica. São Carlos: EESC/ USP. 1994. Seminário (Pós-graduação em 71 Geotecnia) - Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de São Paulo, 1994. 46 p.

LOLLO, J. A. O uso da técnica de avaliação de terreno no mapeamento geotécnico: sistematização e aplicação na quadrícula de Campinas. São Carlos, 1996. 2v. Tese Doutorado - EESC/USP. 267 p.

LONGLEY, P.A., GOODCHILD, M.F., MAGUIRE, D.J. e RHIND, D.W., (2001) Geographic Information: Systems and Science. England: Wiley.454p.

MINEROPAR. Mapa Geomorfológico do Estado do Paraná. Paraná: Mineropar. 2006.

ROSS, J.L.S. Geomorfologia: Ambiente e planejamento. São Paulo: Editora Contexto. 85p, 1990.

ROSS, J.L.S. O registro cartográfico dos fatos geomórficos e a questão da taxonomia do relevo. Revista do Departamento de Geografia, São Paulo; FFLCH/USP, v.6, p.17-29, 1992.

SAADI, A. A geomorfologia como ciência de apoio ao planejamento urbano em Minas Gerais. 2004. Disponível em: http://www.igc.ufmg.br/geonomos/PDFs/5_2_01_04_Saa

SAMPAIO, T. V. M. Parâmetros morfométricos para melhoria da acurácia do mapeamento da rede de drenagem – uma proposta baseada na análise da Bacia Hidrográfica do Rio Benevente – ES. 2008. Tese de Doutorado. IGC/UFMG. Belo Horizonte, 2008. 147 p.

SHRODER Jr., J. F., BISHOP, M. P., 2003. A perspective on computer modeling and fi eldwork. Geomorphology 53, p. 1–9.

Soares Neto, B. G.; M. S. Faria, K. Processos metodológicos para o desenvolvimento da cartografia geomorfológica digital na unidade hidrológica de Sonhém-DF. Disponível em: http://www.sinageo.org.br/2016/trabalhos/6/6-466-1295.html. Acesso em 08 dez. 2016.

TAYLOR, D.R.F. Geographical Information Systems: The microcomputer and modem cartography. Oxford, England, Pergamon Press, 1991, 251p.

TORRES, Tamiozzo P., NETO, Roberto Marques; MENEZES, Sebastião de Oliveira. Introdução à geomorfologia. São Paulo: Cengape Learning 2012 – Coleção textos básicos de geografia.

TRICART, J. Principes et méthodes del geomorphologie. Paris: Masson Ed., 201p, 196p.

VALERIANO, M. de M. Dados topográficos. In: FLORENZANO, T. G. Geomorfologia: conceitos e tecnologias atuais. São Paulo: Oficina de Textos, 2008. cap. 3, p. 72-106.

ZUQUETTE, L. V.; GANDOLFI, N. Cartografia Geotécnica. São Paulo: Oficina de Texto, 2004. 190 p.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geotecnologias e Modelagem Espacial em Geografia Física