Análise espacial dos processos hidrossedimentológicos na bacia do rio Taperoá-PB

Autores

  • Irla Gabriele Nunes Henriques Universidade Federal da Paraíba
  • Richarde Marques da Silva Universidade Federal da Paraíba
  • Leonardo Pereira e Silva Universidade Federal da Paraíba

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2226

Palavras-chave:

Produção de sedimentos. Modelo SWAT. Bacia do Rio Taperoá

Resumo

Este estudo tem como objetivo estimar o escoamento superficial e a produção de sedimentos na bacia do Rio Taperoá. Essa bacia está localizada no semiárido do Estado da Paraíba e possui vegetação característica do bioma Caatinga. Para estimar os processos hidrossedimentológicos foi utilizado o modelo Soil and Water Assessment Tool (SWAT). Neste trabalho foram utilizados dados de precipitação, temperatura e umidade para o período de 1994 a 1999, além de mapa pedológico, de uso e ocupação da terra e o modelo digital de elevação (MDE). Quanto à estimativa de escoamento superficial a maior concentração do escoamento superficial ocorreu na porção sul da bacia, principalmente nas sub-bacias próximas ao exutório, sendo que, a sub-bacia 15 foi aquela com a maior média anual do período estudado e a menor média foi obtida para a sub-bacia 2. Os resultados evidenciaram que a concentração do escoamento superficial ocorre principalmente nas sub-bacias próximas ao exutório, localizadas ao sul da bacia (sub-bacias 9,11, 12 e 15). Quanto à estimativa da produção de sedimentos, pode-se observar que as sub-bacias 1, 3 e 8 foram as que mais produziram sedimentos variando de 0,006 a 0,016 ton/ha/ano, e estão localizadas na porção oeste da bacia.

Biografia do Autor

Irla Gabriele Nunes Henriques, Universidade Federal da Paraíba

Departamento de Geociências/ CCEN/Universidade Federal da Paraíba/Bolsista de Iniciação Científica do CNPq.

Richarde Marques da Silva, Universidade Federal da Paraíba

Departamento de Geociências/CCEN/Universidade Federal da Paraíba.

Leonardo Pereira e Silva, Universidade Federal da Paraíba

Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil e Ambiental/CT/Universidade Federal da Paraíba.

Referências

ANDRADE, R. L.; SOUTO, J. S.; SOUTO, P.C.; BEZERRA, D. M. 2008. Deposição de serapilheira em área de caatinga na RPPN “Fazenda Tamanduá”, Santa Terezinha-PB, Caatinga, v. 21, n.2, p 223-230.

ARAGÃO, R.; ALMEIDA, J.A. P.; FIGUEIREDO, E.E.; SRINIVASAN, V.S. Mapeamento do potencial de erosão laminar na bacia do rio Japaratuba - SE, via SIG. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, 15:731-740, 2011

ARAÚJO, J.C.; KNIGHT, D.W.A review of the measurement of sediment yield in different scales. Revista Escola de Minas, v. 53, n. 3, p. 257-265, 2005.

ARNOLD, J.G. & ALLEN, P.M. Estimating hydrologic budgets for three Illinois watersheds. Journal of Hydrology, v. 176, p. 57-77, 1996.

BAKKER. M. M.; GOVERS, G.; KOSMAS, C.; VAN ACKER, V.; VAN OOST, K.; ROUNSEVELL, M. Soil erosion as a driver of land-use change, Agriculture, Ecosystems & Environment. v 105, p.467-481, 2005.

BAKKER. M. M; GOVERS, G; ROUNSEVELL, M. D. A. The crop productivity- erosion relationship: an analysis based on experimental work. Catena, v. 57, p.55-76, 2004.

BERTONI, J.; LOMBARDI NETO, F. Conservação do solo. 5. ed. São Paulo, Ícone, 2005. 355p.

CARVALHO, N. O. Hidrossedimentologia prática. Rio de Janeiro: Editora Interciência, 2008. 326p.

CERDAN, O.; GOVERS, G.; LE BISSONNAIS, Y. Rates and spatial variations of soil erosion in Europe: A study based an erosion plot data. Geomorphology, v. 122, p. 167-177, 2010.

DANTAS, J. C.; SILVA, M. A.; SILVA, R. M.; VIANNA, P. C. G. Erosão usando o modelo SWAT para umasimulação vazão grande bacia da região semiárida da Paraíba. Geociências, v. 34, n. 4, p.816-827, 2015.

DESIR, G; MARÍN, C. Factors controlling the erosion rates in a semi-arid zone (Bardenas Reales, NE Spain). Catena, V. 71, p.31-40, 2007.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA, Serviço Nacional de Levantamento e Conservação de Solos (Rio de Janeiro, RJ). Súmula da X Reunião Técnica de Levantamento de Solos (SNLCS, Miscelânea, 1), Rio de Janeiro, RJ: 1979, p. 83.

FAO. Desarrollo sostenible de tierras aridas y lucha contra La desertificacion: Posición de la FAO. Rome, 1993. 30p.

MENDONÇA, F. & DANNI-OLIVEIRA, I.M. Climatologia: noções básicas e climas do Brasil. São Paulo: Oficina de Textos, 2007, 206p.

PAIVA, L. A. N.; SILVA, F. M.; NASCIMENTO, P. S.R. Uso de imagens MODIS e TM para a detecção de áreas degradadas na sub-bacia do Taperoá- PB. In: SIMPÓSIO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA FÍSICA APLICADA, 13, 2009, Anais..., Viçosa: UFV, 2009.

PEREZ-MARIN, A. M.; CAVALCANTE, A. M. B.; MEDEIROS, S. S.; TINOCO, L. B. M.; SALCEDO, I. H. Núcleos de desertificação no semiárido brasileiro: Ocorrência natural ou antrópica? Parcerias Estratégicas, v.17, p.87-106, 2012.

SILVA, J.V; ALECRIM, M. A. B; SILVA, D. O; COSTA, C.C; OLIVEIRA, R.J. DE. Perdas de Solo e água por Erosão Hídrica em Floresta Equiânea em um Latossolo Vermelho-Amarelo. Revista Brasileira de Ciência Agrária, v.5, n.4, p.579-584, 2010.

SILVA, R.M.; SANTOS, C.A.G.; SILVA, A.M. Predicting soil erosion and sediment yield in the Tapacurá catchment, Brazil. Journal of Urban and Environmental Engineering, v. 8, p. p. 75-82, 2014.

SILVA, R. M.; SANTOS, C. A. G.; SILVA, V. C. L.; SILVA, L.P. (2013). Erosivity, surface runoff, and soil erosion estimation using GIS-coupled runoff-erosion model in the Mamuaba catchment, Brazil. Environmental Monitoring and Assessment, v. 185, n. 8, p. 8977-8990.

SOUZA, B. I.; SILANS, A. M. B. P.; SANTOS, J. B. Contribuição ao estudo da desertificação na Bacia do Taperoá. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v.8 n2/3, p.292-298, 2004;

SOUSA, R.F.; BARBOSA, M.P.; MORAIS NETO, J.M.; FERNANDES, M.F. Estudo do processo da desertificação e das vulnerabilidades do Município de Cabaceiras-Paraíba. Revista Brasileira de Engenharia Ambiental, v.4, n.1, p.89-102, 2007.

VILLELA, S. M.; MATOS, A. Hidrografia Aplicada. São Paulo: Mc Graw-Hill do Brasil, 1975.

WILLIAMS, J. R. Sediment-yield prediction with universal equation using runoff energy factor, In: Present and Prospective Technology for Predicting Sediment Yield and Sources. Washington D.C.: USDA, 1975, pp. 244–252.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geotecnologias e Modelagem Espacial em Geografia Física