Análise do uso e ocupação do solo da bacia do Córrego Água Vermelha, município de Uberlândia-MG, por meio do software livre QGIS

Autores

  • Aline de Freitas Roldão Universidade Federal de Uberlânida
  • Eduardo Petrucci Universidade Federal de Uberlânida
  • Francielle de Siqueira Castro Universidade Federal de Uberlânida

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2227

Palavras-chave:

Geotecnologias. Uso e ocupação do solo. Qgis. Córrego Água Vermelha. Uberlândia-MG

Resumo

A partir dos avanços tecnológicos tornou-se possível, através do geoprocessamento, adquirir informações de um alvo sem necessariamente estar em contato direto com ele. Essa popularização das geotecnologias tem nos últimos anos alcançado expressivos progressos, graças ao desenvolvimento e disponibilização de softwares livres, como o Quantum Gis (Qgis), garantindo maior arcabouço de análise aos estudos ambientais. Por efeito, o presente trabalho tem como objetivo a análise do uso e ocupação do solo da bacia hidrográfica do Córrego Água Vermelha, localizada no município de Uberlândia-MG. Por meio de imagem do Satélite Sentinel-2 e ferramentas do software livre Qgis, foi possível delimitar as feições do uso do solo e classificá-las. As análises apontam que o uso predominante na bacia é agricultura com 52,1% do total seguido pela pastagem que manifesta em 40,5% da área, subsidiados, em grande parte, pela morfologia do terreno. Os 7,3% restantes representam a vegetação ciliar e edificações.

Biografia do Autor

Aline de Freitas Roldão, Universidade Federal de Uberlânida

Instituto de Geografia, Universidade Federal de Uberlânida.

Eduardo Petrucci, Universidade Federal de Uberlânida

Instituto de Geografia, Universidade Federal de Uberlânida.

Francielle de Siqueira Castro, Universidade Federal de Uberlânida

Instituto de Geografia, Universidade Federal de Uberlânida.

Referências

BRASIL. Constituição (1997). Lei nº 9433, de 08 de janeiro de 1997. Institui a Política Nacional de Recursos Hídricos, cria o Sistema Nacional de Gerenciamento de Recursos Hídricos, regulamenta o inciso XIX do art. 21 da Constituição Federal, e altera o art. 1º da Lei nº 8.001, de 13 de março de 1990, que modificou a Lei nº 7.990, de 28 de dezembro de 1989. Lei Nº 9.433, de 8 de Janeiro de 1997: Lei Federal. 1. ed. Brasília, DF, 08 jan. 1997. Disponível em <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9433.htm>, acesso em 08 de Março de 2017.

CHUERUBIM, Maria Lígia; PAVANIN, Erich Vectore. Análise do uso e ocupação do solo na bacia hidrográfica do Córrego Barbosa no ano de 2011. GEOUSP – espaço e tempo, São Paulo, n. 33, p. 229-238, 2013.

CUNHA, Sandra Baptista da. Sistemas ambientais de grandes rios: degradação e recuperação. In: SILVA, José Borzacchiello da; LIMA, Luiz Cruz e ELIAS, Denise (org.). Panorama da geografia brasileira, v. 1. São Paulo: Annablume, 2006.

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA - EMBRAPA. Serviço Nacional de Levantamento e Conservação de Solos (Rio de Janeiro, RJ). Súmula da 10ª Reunião Técnica de Levantamento de Solos. Rio de Janeiro, 1979. 83p.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Manual Técnico de Uso da Terra. 3 ed. Rio de Janeiro, 2013. Disponível em: <http://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv81615.pdf>. Acesso em: 09 de Março de 2017.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Mapas. Disponível em: <http://mapas.ibge.gov.br/bases-e-referenciais > Acesso em: outubro de 2016.

LEPSCH, I.F.; BELLINAZZI Jr., R.; BERTOLINI, D.; ESPÍNDOLA, C.R. Manual para levantamento utilitário do meio físico e classificação de terras no sistema de capacidade de uso. 4ª Aproximação. 2ª. ed. Campinas: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 1991.175p.

MENDONÇA, Francisco de Assis. Diagnóstico e análise ambiental em microbacia hidrográfica: proposição metodológica na perspectiva do zoneamento, planejamento e gestão ambiental. RA’EGA, v. 3, p. 67-89, 1999. Disponível em: <http://revistas.ufpr.br/raega/article/view/18225/11822>, acesso em 06 de Março de 2017.

NOVAIS, G. T. Caracterização climática da mesorregião do Triângulo Mineiro/Alto Paranaíba e do entorno da Serra da Canastra (MG). 2011. 175 f. Dissertação (Mestrado) - Curso de Mestrado em Geografia, Instituto de Geografia, Universidade Federal de Uberlândia, Uberlândia, 2011. Cap. 3.

RADAM-BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Secretaria Geral. Levantamento de Recursos Naturais, Rio de Janeiro, p. Folha SE, 22 Goiânia, 1983.

ROSA, Roberto. Geotecnologias na geografia aplicada. Revista do Departamento de Geografia. v. 16, 2005, p. 81-90.

SANTOS, Leonardo Lima dos; RIBEIRO, Vinícius de Oliveira; SILVA, João Lucas Alves da. Aplicação de geotecnologias gratuitas e livres na delimitação e análise do uso e cobertura do solo na Bacia Hidrográfica do córrego Laranja Doce. In: Simpósio de Geotecnologias do Pantanal, 6, 2016, Cuiabá-MT, Anais 6º Simpósio de Geotecnologias no Pantanal, Anais, 2016, p. 936-945.

TORCHETTO, Natieli Luisa; et. al., O uso do Quantum Gis (QGIS) para caracterização e delimitação de área degrada por atividade de mineração de basalto no município de Tenente Portela (RS). Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental – REGET. V. 18 n. 2, Mai-Ago 2014, p.719-726.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geotecnologias e Modelagem Espacial em Geografia Física