Análise geoestatistica aplicada na distribuição de arboviroses emergentes no município de Caicó – RN

Autores

  • Diógenes Felix da Silva Costa Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Paulo Jerônimo Lucena Oliveira Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Diego Emanoel Moreira da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Jânio Carlos Fernandes Guedes Universidade Federal do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2234

Palavras-chave:

Geografia da saúde. Arborivoses. Krigagem. SIG

Resumo

A dengue, chicungunya e a zika são uma arbovirose causadas pelo mosquito Aedes aegypti que vem preocupando as autoridades sanitárias de todo o mundo. No Brasil, o vetor encontrou condições favoráveis para sua dispersão em 1976. Frente a isso, o objetivo do trabalho é identificar e demarcar as áreas de ocorrências de doenças decorrentes do mosquito Aedes aegypti no período de 2016, em Caicó. Para tanto, foram utilizados dados referentes às ocorrências de doenças decorrentes do mosquito no município. Os mesmos foram tabulados em planilha do Excel e trabalhadas em ambiente de SIG com o auxilio do software ArcGis 10.3, onde foram especializadas através de técnicas de geoestatística. Como resultados, observou-se que a zonas Oeste e Norte do município apresentaram as maiores ocorrências de doenças. Assim, o uso das geotecnologias mostraram-se eficientes na distribuição e espacialização dos casos podendo servir como estratégia para controle da mesma.

Biografia do Autor

Diógenes Felix da Silva Costa, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Coordenador LAMMA/DGC/CERES/UFRN.

Paulo Jerônimo Lucena Oliveira, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

LAMMA/DGC/CERES/UFRN.

Diego Emanoel Moreira da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

LAMMA/DGC/CERES/UFRN.

Jânio Carlos Fernandes Guedes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

LAMMA/DGC/CERES/UFRN.

Referências

Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). Perfil do IDH-M caicoense 2016. Disponível em: <http://www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/perfil_m/caico_rn> Acesso em 18 de novembro de 2016.

BARCELLOS, C. et al. Identificação de locais com potencial de transmissão de dengue em Porto Alegre através de técnicas de geoprocessamento. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, [S.l.], v. 38, n. 30, p. 50-246, 2005.

BESSA-JÚNIOR, F. N; NUNES, R. F. F; SOUZA, M. A; MEDEIROS, A. C; MARINHO, M. J. M; PEREIRA, W. O. Distribuição espacial da dengue no município de Mossoró, Rio Grande do Norte, utilizando o Sistema de Informação Geográfica. Rev Bras Epidemiol. V.16, n.3: p.603-10, 2013.

CAMARA, F. P. et al. Estudo retrospectivo (histórico) da dengue no Brasil: características regionais e dinâmicas. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, 40(2), 192- 196, 2007.DIAGNÓSTICO do setor editorial brasileiro. São Paulo: Câmara Brasileira do Livro, 1993. 64 p. PERFIL da administração pública paulista. 6. ed. São Paulo: Fundap, 1994. 317 p.

CHIARAVALLOTI NETO, F. Descrição da colonização de Aedes aegypti na região de São José do Rio Preto, São Paulo. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical, Uberaba, v. 30, n. 4, p. 279-285, 1997.

FLAUZINO, R. F; SOUZA-SANTOS, R; OLIVEIRA, R. M. Dengue, geoprocessamento e indicadores socioeconômicos e ambientais: um estudo de revisão. Revista Panamericana de Salud Pública/Pan Am J Public Health v.25 n.5, 2009. P. 456-461.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA – IBGE, 2010. Cidades: Caicó, censo demográfico 2010. Disponível em: < http://www.cidades.ibge.gov.br/painel/historico.php?lang=&codmun=240200&search=rio-grande-do-norte|caico|infograficos:-historico>. Acesso em: 19 dez. 2016.

MEDEIROS-SILVA, A; MARQUES-SILVA, R; ALMEIDA, C. A. P; CHAVES, J. J. S. Modelagem geoestatística dos casos de dengue e da variação termopluviométrica em João Pessoa, Brasil. Revista Soc. & Nat., Uberlândia, 27 (1): 157-169, jan/abr/2015.

RIBEIRO, A. F; MARQUES, G. R. A. M; VOLTOLINI, J. C; CONDINO, M. L. Associação entre incidência de dengue e variáveis climáticas. Revista Saúde Pública, 40(4), 671-676, 2006.

ROSA, R. Geotecnologias na geografia aplicada. Revista do Departamento de Geografia, v.16: p. 81-90. 2005.

SILVA, R. M; PINTO, H. R. F; COSTA, S. G. F; PINTO, K. R. F. Modelagem geoespacial e temporal da hanseníase entre 2001 e 2011 no município de Bayeux, Paraíba. Hygeia, v.8, n.15, p.89-103, 2012.

SINGHI, S; KISSOON, N; BANSAL, A. Dengue and dengue hemorrhagic fever: management issues in an intensive care unit. Jornal de Pediatria, vol. 83, nº 2. p. 22-35, 2007.BRASIL. Constituição (1988). Emenda constitucional n.º 9, de 9 de novembro de 1995. Lex: legislação federal e marginália, São Paulo, v. 59, p. 1966, out./dez. 1995.

TAULI, P. L. Urbanização e ecologia do dengue. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, ed. 17: p. 99-102, 2001.

TEIXEIRA, M. G; COSTA, M. C. N; BARRETO, M. L; MOTA, E. Dengue and dengue hemorragic fever epidemics in Brasil: what research is needed based on trends, surveillance, and control experiences? Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, ed. 21, v. 5: 1307-1315, 2005.FAZENDA, I. C. Arantes. Interdisciplinaridade: um projeto em parceria. 6. ed. São Paulo: Loyola, 2007.

WORLD Health Organization. Strengthening implementation of the global strategy for dengue fever and dengue haemorrhagic fever, prevention and control. Report of the informal consultation, 18–20 October 1999. Geneva: WHO; 1999.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geotecnologias e Modelagem Espacial em Geografia Física