Identificação da expansão da lama por subtração simples de bandas e análise de componentes principais na Barragem de Santarém – Mariana/MG

Autores

  • João Pedro dos Santos Universidade Federal de Minas Gerais
  • Helder Lages Jardim Universidade Federal de Minas Gerais

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2239

Palavras-chave:

Sensoriamento remoto. Imagens multiespectrais. Mineração

Resumo

A mineração é uma atividade que causa grandes impactos ao meio ambiente. Em 2015 a barragem de rejeitos de Fundão (Mariana/MG) se rompeu causando o maior desastre ambiental de Minas Gerais fazendo com que a barragem de Santarém, a jusante, extrapolasse sedimentos. Os processamentos digitais de imagens são úteis para análises geoespaciais permitindo que sejam criados meios apurados para verificação de alterações em caso de desastres ambientais. Dentre os diversos processamentos diferentes podemos destacar dois: Subtração Simples de Bandas e Análise de Componentes Principais. Com isso, o objetivo desse trabalho é identificar a expansão da barragem de Santarém após o rompimento da barragem de Fundão utilizando as técnicas mencionadas. Foram processadas no programa SPRING imagens multiespectrais do satélite Landsat8 de antes e após o rompimento. Nas imagens resultantes da Subtração Simples de Bandas e da Análise dos Componentes Principais as áreas que apresentaram mudança são representadas pelos pixels de maior intensidade, portanto os mais claros. Os processamentos se mostraram úteis para análise rápida do acontecido.

Biografia do Autor

João Pedro dos Santos, Universidade Federal de Minas Gerais

Graduando em Geografia do Departamento de Geografia / Instituto de Geociências, UFMG.

Helder Lages Jardim, Universidade Federal de Minas Gerais

Professor Adjunto do Departamento de Geografia / Instituto de Geociências, UFMG.

Referências

ALBERTI, G. A.; VICTORINO, H. da S. Detecção da expansão da barragem de rejeitos Maravilhas II (MG) por Subtração Simples de Bandas e Análise de Componentes Principais. Anais XVII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, João Pessoa-PB, Brasil, 25 a 29 de abril de 2015, INPE. Disponível em: <http://www.dsr.inpe.br/sbsr2015/files/p0955.pdf>. Acesso em 31 de jan. de 2017.

CHAVEZ Jr., P. S. An improved dark-object subtraction technique for atmospheric scattering correction of multispectral data. Flagstaff, Arizona. Remote Sensing of Environment, 1988. V. 24, p. 459-479.

CHAVEZ Jr, P.S.; MAC KINNON, D.J. Automatic detection of vegetation changes in South United States using remotely sensed images. Photogrametric Engineering & Remote Sensing, v.60, n.5, p.571-583, 1994.

CPRM. Monitoramento Especial do Rio Doce. CPRM: Belo Horizonte, 2015. Disponível em: <http://www.cprm.gov.br/publique/Hidrologia/Eventos-Criticos/Monitoramento-Especial-do-Rio-Doce-4057.html>. Acesso em 14 de março de 2016.

ESPÓSITO, T. de J. Metodologia probabilística e observacional aplicada a barragens de rejeitos construídas por aterro hidráulico. 363f. Tese (Doutorado em Geotecnia) – Universidade Federal de Brasília, Brasília, 2000.

FARIA, M. Barragens de rejeito já causaram diversas em Minas Gerais; relembre. Minas Gerais: Estado de Minas, 2015. Acesso em: <http://www.em.com.br/app/noticia/gerais/2015/11/05/interna_gerais,705019/barragens-de-rejeito-ja-causaram-diversas-tragedias-em-minas-gerais-r.shtml>. Acesso em 26 de março de 2016.

FUNDAÇÃO ESTADUAL DO MEIO AMBIENTE. Inventário Estadual de Barragens do ano de 2014. Belo Horizonte: Feam, 2014. Disponível em: <http://www.feam.br/images/stories/2015/DECLARACOES_AMBIENTAIS/GESTAO_DE_BARRAGENS/correo_inventrio%20de%20barragens_2014_final.pdf>. Acesso em 30 de maio de 2016.

IBAMA. Laudo Técnico Preliminar: Impactos ambientais decorrentes do desastre envolvendo o rompimento da barragem de Fundão, em Mariana, Minas Gerais. Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Renováveis. Diretoria de Proteção Ambiental – DIPRO e Coordenação Geral de Emergências Ambientais – CGEMA. Brasília, 2015. Disponível em: <http://www.ibama.gov.br/phocadownload/noticias_ambientais/laudo_tecnico_preliminar.pdf>. Acesso em 14 de mar. de 2016.

INMET. Normais climatológicas do Brasil 1961-1990. Instituto Nacional de Meteorologia: Brasília, 2016. Disponível em <http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=clima/normaisclimatologicas>. Acesso em 25 de jun. de 2016.

PORTAL DO BRASIL. Setor mineral representa 4% do PIB brasileiro. Brasília, 2014. Brasília, 2014. Disponível em <http://www.brasil.gov.br/infraestrutura/2014/12/setor-mineral-representa-4-por-cento-do-pib-brasileiro>. Acesso em 28 de mar. de 2016.

SAUSEN, T. M.; LACRUZ, M. S. P. Org. Sensoriamento remoto para desastres. São Paulo: Oficina de textos, 2015.

SUPRAM ZM. Parecer técnico supram – zm Nº: 0201538/2011. Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável: Belo Horizonte, 2014. In. GIAIA. Disponível em <http://giaia.eco.br/wp-content/uploads/2015/11/SUPRAM-2011-adendo.pdf>. Acesso em 30 de maio de 2016.

USGS. Landsat Missions: Using the USGS Landsat8 Product. U.S. Department of the Interior; U.S. Geological Survey – NASA, 2015. Disponível em <http://landsat.usgs.gov/Landsat8_Using_Product.php>. Acesso em 28 de maio de 2016.

VARELLA, C. A. A. Análise de componentes principais. Seropédica: Rio de Janeiro, 2008. Disponível em: <http://www.ufrrj.br/institutos/it/deng/varella/Downloads/multivariada%20aplicada%20as%20ciencias%20agrarias/Aulas/analise%20de%20componentes%20principais.pdf>. Acesso em 31 de jan. de 2017.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geotecnologias e Modelagem Espacial em Geografia Física