Relações do hidroperíodo e micro topografia com a frequência de queimadas entre 1998 e 2016 do Parque Nacional de Ilha Grande - PR/MS

Autores

  • Everton Hafemann Fragal Universidade Estadual de Maringá (UEM)
  • Nelson Vicente Lovatto Gasparetto Universidade Estadual de Maringá (UEM)

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2240

Palavras-chave:

inundação. Resíduos. Fogo. Rio Paraná. Sensoriamento remoto

Resumo

A frequência de queimadas do Parque Nacional de Ilha Grande (PNIG) possui relações com as variáveis ambientais e antrópicas. O objetivo desse trabalho foi analisar as relações do hidroperíodo e micro topografia com a frequência de queimadas do parque entre 1998 e 2016, com base em imagens multi-sensores e modelagem espacial. Para isso, foram gerados produtos de hidroperíodo, micro topografia e frequência de queimadas do PNIG e comparados visualmente. Foram encontradas relações diretas do hidroperíodo e micro topografia com a frequência de queimadas. Aréas com nenhum ou baixo hidroperíodo e com relevo alto possuem frequências de queimadas maiores, do que áreas com hidroperíodo alto e relevo baixo. No entanto, foram evidenciadas áreas sem relações diretas do hidroperíodo e micro topografia com a frequência de queimadas, revelando que outras variáveis ambientais ou antrópicas possuem maiores influências nas atividades de queimadas. 

Biografia do Autor

Everton Hafemann Fragal, Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Programa de Pós-graduação em Geografia (PGE) e Grupo de Estudos Multidisciplinares do Ambiente (GEMA), Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Nelson Vicente Lovatto Gasparetto, Universidade Estadual de Maringá (UEM)

Programa de Pós-graduação em Geografia (PGE) e Grupo de Estudos Multidisciplinares do Ambiente (GEMA), Universidade Estadual de Maringá (UEM).

Referências

ADGER, W. N. Vulnerability. Global Environmental Change, v.16, p. 268-281, 2006.

ANDRADE, I. R. A. O uso de técnicas de sensoriamento remoto na identificação de formas na região de Porto Rico, planície de inundação do Alto rio Paraná MS/PR. 2008. 72 f. Dissertação (Mestrado em Geografia). Pós-Graduação em Geografia, Universidade Estadual de Maringá, Maringá.

FRAGAL, E. H.; GASPARETTO, N. V. L. Parque Nacional de Ilha Grande: caracterização da dinâmica de queimadas entre 1985 e 2006 com base em imagens Landsat. In: XVII Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada e I Congresso Nacional de Geografia Física. Submetido para publicação.

FRAGAL, E. H.; GASPARETTO, N. V. L. Análise da frequência de inundação no período anterior à criação do Parque nacional de Ilha Grande (PNIG) entre 1985 e 1996. In: XI Simpósio Brasileiro de Geomorfologia (SINAGEO), 11., 2016, Maringá. Anais... Maringá: Universidade Estadual e Maringá, 2016. p. 1-8.

FRAGAL, E. H.; SOUZA FILHO, E. E.; ALVES, F. C. Relações entre os corpos d’água e planície fluvial do alto rio Paraná, por meio de mapas de frequência de inundação. In: IX Simpósio Brasileiro de Geomorfologia (SINAGEO), 9., 2012, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2012. p. 1-8.

INSTITUTO AGRONÔMICO DO PARANÂ (IAPAR). Cartas Climáticas do estado do Paraná. 2000. Disponível em: <http://www.pr.gov.br/iapar/sma/Cartas_Climáticas/Cartas_Climáticas.htm>. Acesso em: 5 de jan. 2017.

INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE (ICMBio). Plano de Manejo: Parque Nacional de Ilha Grande. 2008. Disponível em: <http://www.icmbio.gov.br/portal/images/stories/docs-planos-de-manejo/parna_ilha_grande_pm.pdf>. Acesso em: 05 de jul. 2016.

JONES, T. A.; HAMILTON, D. E.; JOHNSON, C. R. Contourning geologic surfaces with the computer. New York: Van Nostrand Reinhold, 1986. 314p.

KOPROSKI, L. P.; MANGINI, P. R.; PACHALY, J. R.; BATISTA, A. C.; SOARES, R. V. Impactos do fogo sobre serpentes (Squamata) no Parque Nacional de Ilha Grande (PR/MS), Brasil. Arquivos de Ciências Veterinárias e Zoologia da UNIPAR, v. 9, p. 129-133, 2006.

MONTANHER, O. C.; FRAGAL, E. H. Aplicação de dados radiométricos TM5 na análise da vegetação após incêndio em área alagável e relação com a geomorfologia. Revista Brasileira de Cartografia, v. 1, n. 65, p. 111–122, 2013.

PONZONI, F. J.; SHIMABUKURO, Y. E. Sensoriamento Remoto no Estudo da Vegetação. São José dos Campos: Parêntese, 2007. 144p.

ROCHA, P. C.; SOUZA FILHO, E. E. Erosão marginal e evolução hidrodinâmica no sistema rio-planície fluvial do Alto Paraná-Centro Sul do Brasil. In: Nunes, J. O. R. e ROCHA, P. C (Org.). Geomorfologia: aplicações e metodologias. São Paulo: Expressão Popular, 2008. p.133-154.

SOUZA FILHO, E. E. As transformações da calha fluvial do Alto rio Paraná induzidas por barragens. In: Messias Modesto dos Passos. (Org.). A raia divisória São Paulo - Paraná - Matogrosso do Sul (cenas e cenários). 1 ed. São Paulo: Expressão Popular, 2011. p. 167-195.

SOUZA FILHO, E. E. Aspectos da geologia e estratigrafia dos depósitos sedimentares do rio Paraná entre Porto Primavera (MS) e Guaíra (PR). 1993. 233f. Tese (Doutorado em Geociência), Instituto de Geociência. Universidade de São Paulo, São Paulo.

SWAN, A. R. H.; SANDILANDS, M. Introduction to geological data analysis. Oxford: Blackwell, 1995. 446p.

ZANI, H.; ROSSETTI, D. F. Multitemporal Landsat data applied for deciphering a megafan in northern Amazonia. International Journal of Remote Sensing, v. 33, p. 6060-6075, 2012.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geotecnologias e Modelagem Espacial em Geografia Física