Relação da cobertura vegetal e uso do solo com o NDVI e a temperatura superficial da área não inundável do Pantanal de Cáceres/MT

Autores

  • Géssica de Jesus Silva Universidade do Estado de Mato Grosso
  • Sandra Mara Alves da Silva Neves Universidade do Estado de Mato Grosso
  • Willian Cosme da Silveira de Paula Universidade do Estado de Mato Grosso
  • Vinicius Neves da Silva Universidade do Estado de Mato Grosso

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2244

Palavras-chave:

Geotecnologias. NDVI. Temperatuda. Uso e cobertura do solo

Resumo

O presente estudo teve como objetivo analisar a relação entre uso do solo, cobertura vegetal e temperatura superficial da área não alagável do Pantanal de Cáceres/MT. O mapa de temperatura foi confeccionado utilizando as imagens do sensor Operational Land Imager (OLI) eThermalInfrared, do satélite Landsat 8, os mapas de cobertura vegetal e uso do solo  no SPRING. A região sudoeste da área de estudo possuí maior concentração de vegetação o que possibilitou maior NDVI e menores temperaturas e as regiões noroeste e sul-sudoeste possuem menor concentração de vegetação o que resulta em menores valores de NDVI e maior temperatura superficial. Os locais com presença efetiva de vegetação se portaram de maneira favorável no índice de vigor da vegetação, contribuindo para que a temperatura local ficasse baixa, o oposto ocorreu com as áreas utilizadas para fins agropecuários onde o índice de vigor se apresentou baixo e a temperatura alta.

Biografia do Autor

Géssica de Jesus Silva, Universidade do Estado de Mato Grosso

Curso de Geografia/Faculdade de Ciências Humanas, Universidade do Estado de Mato Grosso.

Sandra Mara Alves da Silva Neves, Universidade do Estado de Mato Grosso

Curso de Geografia/Faculdade de Ciências Humanas, Universidade do Estado de Mato Grosso.

Willian Cosme da Silveira de Paula, Universidade do Estado de Mato Grosso

Curso de Geografia/Faculdade de Ciências Humanas, Universidade do Estado de Mato Grosso.

Vinicius Neves da Silva, Universidade do Estado de Mato Grosso

Curso de Geografia/Faculdade de Ciências Humanas, Universidade do Estado de Mato Grosso.

Referências

ALMEIDA, A. J. P. et al.Relação entre o índice de vegetação e a temperatura da superfície na estimada e identificação das ilhas de calor na cidade de Maceió-AL. In: Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 17.,João Pessoa. Anais...João Pessoa: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, 2015. p. 2047-2054.

BONJOUR, S. C. M., FIGUEIREDO, A. M. R., MARTA, J. M. C. A pecuária de corte no estado de Mato Grosso. In: Congresso da Sociedade Brasileira de Economia, Administração e Sociologia Rural, 46., Rio Branco. Anais... Rio Branco: Embrapa Informática Agropecuária, 2008. p. 01-21.

CÂMARA, G. et al. Spring: Integrating remote sensing and GIS by object-oriented data modelling. Comput&Graphics, v. 20, n. 3, p. 395-403, 1996.

COELHO, A. L. N.; CORREA, W. S.C. Temperatura de Superfície Celcius do Sensor TIRS/LandSat – 8: metodologia e aplicações. In: Revista Geográfica Acadêmica, v. 7, n. 1, p. 31-45, 2013.

DEERING, D. W. et al. Measuring “forage production” of grazing units from Landsat MSS data. In: International Symposium on Remote Sensing of Environment, 10., Ann Arbor. Proceedings... Ann Arbor, MI: ERIM, 1975. v. 2, p. 1169-1178.

ESRI. ArcGis 10.5. Environmental Systems Research Institute, Inc. Redlands, CA. 2017.

JARLAN, L. et al.Assimilation of SPOT/VEGETATION NDVI data into a sahelian vegetation dynamics model. In: Remote Sensing of Environment, v. 112, n. 4, p. 1381-1394, 2008.

JÚNIOR, O. A. C. et al. Classificação de padrões de savana usando assinaturas temporais NDVI do Sensor MODISs no Parque Nacional Chapada dos Veadeiros. Revista Brasileira de Geofísica, v. 26, n. 4, p. 505-517,2008.

LEÃO, C. et al. Avaliação de métodos de classificação em imagens TM/Landsat e CCD/CBERS para o mapeamento do uso e cobertura da terra na região costeira do extremo sul da Bahia. In: Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 13., 2007, Florianópolis. Anais... Florianópolis: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, 2007. p. 939-946.

LIMA, G. C. et al. Avaliação da cobertura vegetal pelo índice de vegetação por diferença normalizada. Revista Ambiente & Água, v. 8, n. 2, p.204-214, 2013.

NEVES, S. M. A. S. et al. Geotecnologias aplicadas na identificação e classificação das unidades ambientais do Pantanal de Cáceres/MT - Brasil. Revista Geografia, v. 34, n. Especial, p. 795-805, 2009.

NEVES, S. M. A. S. et al. Operacionalização de propostas de zoneamento turístico do Pantanal de Cáceres/MT, com suporte nas geotecnologias. Revista Ciência Geográfica, v. 13, n. 2, p. 76-86, 2008.

OLIVEIRA, B. S.; MATAVELI, G. A. V. Avaliação do desempenho dos classificadores Isoseg e Bhattacharya para o mapeamento de áreas de cana-de-açúcar no município de Barretos-SP. In: Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, 16., 2013, Foz do Iguaçu. Anais... Foz do Iguaçu: Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, 2013. p. 0089-0096.

PROBIO. Projeto de conservação e utilização sustentável da diversidade biológica brasileira –. Cobertura vegetal dos biomas brasileiros. Brasília, DF: Ministério do Meio Ambiente, 2007. Disponível em: http://mapas.mma.gov.br/mapas/aplic/probio/datadownload.htm?/. Acessoem: fev. 2017.

ROUSE, J. W. et al. Monitoring the vernal advancement of retrogradation of natural vegetation. Greenbelt, MD: NASA/GSFC, 1974. 371p. Type III, Final Report.

SILVA, G. J. O. et al.Ilhas de calor nas cidades contidas na Bacia do Alto Paraguai, Brasil. In: SIMPÓSIO DE Geotecnologias no Pantanal, 6., 2016, Cuiabá. Anais... Cuiabá: Embrapa Informática Agropecuária/INPE, 2016. p. 433-441.

SILVA, J. S. V.; ABDON, M. M. Delimitação do Pantanal brasileiro e sua sub-regiões. Revista Pesquisa Agropecuária Brasileira, v. 33, n. Especial, p. 1703 - 1711, out. 1998.

USGS. Geological Survey. Download de imagens, 2016. Disponível em:https://earthexplorer.usgs.gov/. Acessado em: 07 jul. 2013.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geotecnologias e Modelagem Espacial em Geografia Física