Estimativa da aptidão agrícola de terras por álgebra de mapas

Autores

  • Ana Flávia Padilha Universidade Tecnológica Federal do Paraná
  • Débora Regiane Gobatto Curso de Agronomia/ Universidade Tecnológica Federal do Paraná – Câmpus Pato Branco.
  • Danielli Batistella Universidade Tecnológica Federal do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2253

Palavras-chave:

Plano de informação. Álgebra de mapas. Agricultura

Resumo

Estimar aptidão agrícola é fundamental para estabelecer o zoneamento de terras. Os Sistemas de Informações Geográficas (SIG), através da álgebra de mapas, são essenciais para integrar diferentes atributos e classificar as áreas aptas. O presente trabalho tem como objetivo apresentar uma estimativa da aptidão agrícola de terras através da Linguagem Espacial de Tratamento Algébrico (LEGAL), integrada ao aplicativo SPRING 5.1.8.  A área estudada foi o município de Pato Branco, localizado na mesorregião sudoeste do estado do Paraná. Com o cruzamento entre os planos de informação solos e declividade, foi possível conhecer e indicar as áreas mais apropriadas para o desenvolvimento da agricultura. A análise espacial demonstrou que 49,5% da área do município são de alta e 17,1% de média aptidão, o que correspondem às regiões de latossolos e nitossolos com declividades inferiores a 15%. As áreas com baixa aptidão são 33,4% e possuem forte declividade com a presença de neossolos.

Biografia do Autor

Ana Flávia Padilha, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Curso de Agronomia/ Universidade Tecnológica Federal do Paraná  – Câmpus Pato Branco.

Débora Regiane Gobatto, Curso de Agronomia/ Universidade Tecnológica Federal do Paraná – Câmpus Pato Branco.

Curso de Agronomia/ Universidade Tecnológica Federal do Paraná – Câmpus Pato Branco.

Danielli Batistella, Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Departamento de Agrimensura/ Universidade Tecnológica Federal do Paraná  – Câmpus Pato Branco.

Referências

ASSAD, M.L.L.; CAVALIERI, A.; HAMADA, E. Sistemas de informações geográficas na avaliação de terras para agricultura. In: Sistemas de informações geográficas: aplicações na agricultura. ASSAD, E.D. e SANO, E.E. (Orgs.).Brasília: EMPRAPA, 1998.

BARBOSA, C. C. F.; CÂMARA, G.; CORDEIRO, J. P. Álgebra de Campos e Objetos. In: CÂMARA, G. et al. Introdução à Ciência da Geoinformação. São José dos Campos, INPE, 2001. <http://www.dpi.inpe.br/gilberto/livro/introd/cap8-algebra.pdf>. Acesso em: 15 jul. 2013. Cap. 8

CÂMARA, G.; DAVIS, C. Introdução. In: CÂMARA, G. et al. Introdução à Ciência da Geoinformação. São José dos Campos, INPE, 2001. <http://www.dpi.inpe.br/gilberto/livro/introd/cap1-introducao.pdf>. Acesso em: 15 jul. 2013. Cap. 1

EMBRAPA. Serviço Nacional de Levantamento e Conservação dos Solos. Levantamento de reconhecimento dos solos no Estado do Paraná. Londrina, 1984. 2 tomos. (EMBRAPA/ SNLCS. Boletim de pesquisa, 27; IAPAR. Boletim Técnico, 16).

EMBRAPA. Sistema Brasileiro de Classificação de Solos. Brasília, 1999.

EMBRAPA FLORESTAS; EMBRAPA SOLOS; INSTITUTO AGRONÔMICO DO PARANÁ. Mapa de solos do Estado do Paraná: legenda atualizada. Rio de Janeiro, 2008. 74 p.

Instituto de Terras, Cartografia e Geociências - ITCG. Cartas topográficas rasterizadas. 22 jun. 2013. Disponível em: < http://www.itcg.pr.gov.br/modules/conteudo/conteudo.php?conteudo=47> Acesso em: 22 jun. 2013.

INPE. Introdução ao Spring. 2008 INPE. Módulo – Linguagem Espacial de Geoprocessamento Algébrico – LEGAL. 2012

LEPSCH, Igo Fernando (coord). Manual para levantamento do meio físico e classificação de terras no sistema de capacidade de uso. Campinas: Sociedade brasileira de ciência do solo, 1983.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geotecnologias e Modelagem Espacial em Geografia Física