Estudo comparativo da definição de anos-padrão do regime habitual e excepcional das precipitações a partir do ano civil e do ano hidrológico

Autores

  • Diego Tarley Ferreira Nascimento Universidade Estadual de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2262

Palavras-chave:

Anos-padrão. Regime. Precipitação. Chuva. Climatologia

Resumo

A Climatologia Geográfica prega não serem necessárias extensas séries temporais de dados meteorológicos, podendo ser utilizados anos-padrão, considerados como recortes amostrais do regime habitual e o excepcional do clima. Porém, é preconizada a questão de que o uso do ano civil talvez não seja o mais adequado para a definição dos anos-padrão, em decorrência da não correspondência do ano civil com o ano hidrológico para o caso de algumas regiões do Brasil. Nesse sentido, busca-se no presente trabalho comparar a definição de anos-padrão a partir do ano civil e do ano hidrológico, empregando-se a técnica dos quantis e valendo-se de 13 estações localizadas em Goiás, Distrito Federal e entorno. O trabalho discute a não adequação do calendário civil para a definiçao dos anos-padrão, por não compreender toda a extensão do período chuvoso e não retratar os sistemas atmosféricos responsáveis pela condição habitual ou excepcional das chuvas.

Biografia do Autor

Diego Tarley Ferreira Nascimento, Universidade Estadual de Goiás

Professor do curso de Geografia

Referências

AOUAD, M. S. Tentativa de classificação climática para o Estado da Bahia: uma análise quantitativa dos atributos locais, associada à análise qualitativa do processo genético. Rio de Janeiro: IBGE, 1982. 80p.

BARROS, Juliana Ramalho. A chuva no Distrito Federal: o regime e as excepcionalidades do ritmo. 2003. 221 f. Dissertação (Mestrado)- Instituto de Geociências e Ciências Exatas, Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2003.

______.; ZAVATTINI, J. A. Bases conceituais em climatologia geográfica. Mercator, v. 08, n. 16, p. 255-261, 2009.

BOIN, Marcos Norberto. Chuvas e erosões no oeste paulista: uma análise climatológica aplicada. 2000. 264 f. Tese (doutorado) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, 2000.

CAMPOS, A. B. de. et al. Análise do comportamento espacial e temporal das temperaturas e pluviosidades no Estado de Goiás. In:

ALMEIDA, M. G. de (Org.). Abordagens geográficas de Goiás: o natural e o social na contemporaneidade. Goiânia: IESA, 2002. p. 91-118.

DEUS, R. M. M. ; NASCIMENTO, D. T. F. . Como a mídia tem noticiado os eventos climáticos extremos no estado Goiás. In:

ENCONTRO NACIONAL DE GEÓGRAFOS, 2016, São Luís. Anais do ENG, 2016. p. 1-10.

MONTEIRO, C. A. F. A dinâmica climática e as chuvas do estado de São Paulo: estudo geográfico sob forma de atlas. São Paulo: IGEOG, 1973.

_____. A análise rítmica em climatologia: problemas da atualidade climática em São Paulo e achegas para um programa de trabalho. São Paulo: Universidade de São Paulo, 1971. (Série Climatologia, 1).

NASCIMENTO, D. T. F. Chuvas no estado de Goiás e no Distrito Federal a partir de estimativas por satélite e circulação atmosférica. Tese (Doutorado em Geografia) – Instituto de Estudos Socioambientais, Universidade Federal de Goiás, Goiâna, 2016.

NIMER, E. Climatologia do Brasil. Rio de Janeiro: IBGE, 1979. 422p.

PINKAYAN, S. Conditional probabilities of ocurrence of Wet and Dry Years Over a Large Continental Area. Colorado: State University, Boulder-Co, 1966. 54 p.

STRAHLER, A. N. Physical Geography. Nova York: John Wiley, 1951.

XAVIER, T. DE M. B. S.; SILVA, J. F.; REBELLO, E. R.A Técnica dos Quantis e suas aplicações em Meteorologia, Climatologia, Hidrologia, com ênfase para as regiões brasileiras. Brasília: Ed. Thesaurus, 2002. 140p.

ZAVATTINI, J. A. A Dinâmica Atmosférica e a distribuição das chuvas no Mato Grosso do Sul. 1990. Tese (Doutorado em Geografia Física)-Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1990.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Climatologia em diferentes níveis escalares: mudanças e variabilidades