Distribuição geográfica das salinas mecanizadas e artesanais na zona estuarina do rio Apodí-Mossoró (RN)

Autores

  • Denise Santos Saldanha Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Abigail Rute Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Iago Bezerra Azevedo Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Diógenes Félix da Silva Costa Universidade Federal do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2264

Palavras-chave:

Ecossistemas artificiais. Cloreto de sódio. Descrição quantitativa. Tanques

Resumo

Salinas solares são ecossistemas artificial formados por tanques (evaporadores e cristalizadores) conectados entre si, com finalidade de extração do sal marinho (cloreto de sódio), s primeiros indícios sobre a atividade salineira realizada pelo homem ocorreram da China, cerca de 2.500 a.c. Esta pesquisa tem como objetivo analisar a distribuição geográfica das salinas mecanizadas e artesanais no estuário do Rio Apodi-Mossoró (RN). De início foi realizado um levantamento bibliográfico da área estudada, além de visitas in loco para uma análise prévia do local, em seguida foi realizada a confecção do produto cartográfico, além da descrição quantitativa dos tanques (evaporadores e cristalizadores) ao longo do estuário. Conclui-se que as salinas mecanizadas apesar de ter menos tanques que as salinas artesanais, são a maior produtora do cloreto de sódio da região, apresentando cerca de 150.000 toneladas por ano, enquanto as salinas artesanais produzem cerca de 20.000 toneladas por ano.

Biografia do Autor

Denise Santos Saldanha, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Abigail Rute Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Iago Bezerra Azevedo, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Diógenes Félix da Silva Costa, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Referências

ANDRADE, M. C. O território do sal: a exploração do sal marinho e a produção do espaço geográfico no Rio Grande do Norte. Mossoró. Coleção Mossoroense, vol. 848, 1995.

COSTA, D. F. S. Caracterização ecológica e serviços ambientais prestados por salinas tropicais. 2013. 206 f. Tese (Doutorado em Ecologia, Biodiversidade e Gestão de Ecossistemas) - Programa de Pós-graduação em Biologia, Departamento de Biologia, Universidade de Aveiro. Aveiro – Portugal, 2013.

COSTA, D. F. S. Breve revisão sobre a evolução histórica da atividade salineira no estado do Rio Grande do Norte (Brasil). Sociedade e natureza (UFU. Online), vol.25, p. 24-34, 2013.

COSTA, D. F. S. Influência de macroaspectos ambientais na produção de sal marinho no litoral semiárido do Brasil. Revista de Geografia, v. 31, p. 28-42, 2014.

COSTA, D. F. S.; MEDEIROS, D. H. M. ; COSTA, R.S. ; DE MEDEIROS ROCHA, R. . O sal de ontem e as salinas de hoje: análise da produção de sal marinho no Rio Grande do Norte. In: ALBANO, G.P.; ALVES, L.S.F.; ALVES, A.M. (Org.). Capítulos de Geografia do Rio Grande Norte. 1ed. Natal: Imprensa Oficial do Rio Grande do Norte e CCHLA-UFRN, 2015, v. 2, p. 37-63.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA-IBGE. Censo demográfico 1991: resultados preliminares. Rio de Janeiro: IBGE, 1992.

RUTE DA SILVA, A; COSTA, D. F. S. Matriz Swot aplicadas nas salinas solares artesanais do Litoral Setentrional do Rio Grande do Norte. 1° Encontro Nacional de Planejamento Urbano-Regional no Semiárido. Pau dos Ferros, 2016.

SÁNCHEZ, L. E. Avaliação de Impacto Ambiental: conceitos e métodos. 2 ed. São Paulo: Oficina de Textos, 2013.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Dinâmica e Gestão de Zonas Costeiras