Mudanças na sinuosidade no trecho urbano do Córrego Tamanduá em Aparecida de Goiânia (GO): resultados qualitativos preliminares

Autores

  • Jakeline Alves Silva Universidade Federal de Goiás
  • Ludmilla Lima Amaral Universidade Federal de Goiás
  • Isabela Braichi Pôssas Universidade Federal de Goiás
  • Luis Felipe Soares Cherem Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2271

Palavras-chave:

Sinuosidade. Canal fluvial. Expansão da malha urbana

Resumo

A bacia do Córrego Tamanduá, inserida integralmente na malha urbana de Aparecida de Goiânia (GO), foi caracterizada pela impermeabilização do solo em razão da ocupação e do asfaltamento das vias entre 2002 e 2012. Desta forma, este trabalho teve como objetivo analisar a relação entre as mudanças na sinuosidade do canal do Córrego Tamanduá e a impermeabilização do solo em sua bacia hidrográfica. O mapeamento da sinuosidade do canal e da impermeabilização da sub-bacia foi realizado com base na análise de imagens de satélite de alta resolução (Digital Globe). Os resultados demostraram uma alteração no canal retilíneo para muito retilíneo em trecho do alto-médio curso, e de um padrão retilíneo para mito sinuoso no baixo curso. A impermeabilização do solo, especialmente nas áreas da planície aluvial, se constitui como um dos possíveis fatores responsáveis pela alteração do canal. 

Biografia do Autor

Jakeline Alves Silva, Universidade Federal de Goiás

Instituto de Estudos Socioambientais, Universidade Federal de Goiás

Ludmilla Lima Amaral, Universidade Federal de Goiás

Instituto de Estudos Socioambientais, Universidade Federal de Goiás

Isabela Braichi Pôssas, Universidade Federal de Goiás

Instituto de Estudos Socioambientais, Universidade Federal de Goiás

Luis Felipe Soares Cherem, Universidade Federal de Goiás

Instituto de Estudos Socioambientais, Universidade Federal de Goiás

Referências

CASTRO, W.S ZANCOPÉ, M.H.C. Migração do Canal na Planície Fluvial do Rio Claro – Bacia do Araguaia, Goiás, Brasil. Revista Geonorte, Edição Especial 4, v.10, n.1, 2014. p.343-349.

COSTA, H. B., ROSSI, M., COELHO, R. M. Mapa de impermeabilização do solo da bacia do Ribeirão das Anhumas, Campinas-SP. Simpósio Brasileiro de Geografia Física Aplicada, 11, São Paulo: USP, 2005. p. 876-895.

CUNHA, S. B. Morfologia dos canais urbanos nos trópicos úmidos: a experiência no Brasil. In: II Seminário Ibero-americano de Geografía Física. Universidade de Coimbra: Coimbra, 2010. 14p.

CUNHA, S. B. Rios Desnaturalizados. In: BARBOSA, J.L.; LIMONAD, E. (Org.) Ordenamento Territorial e Ambiental. UFF, Editora UFF. Niterói, 2012. p. 171 – 191.

FARIA, Karla. ANJOS, Celma. ROMA, Renata. Diagnóstico, Ambiental preliminar do Córrego Baliza: Agência Municipal de Meio Ambiente – Goiânia, 2007.

GILVEAR, D.; BRYANT, R. Analysis of Aerial Photography and Other Remotely Sensed Data. In: KONDOLF, G. M. e PIÉGAY, H. Tools in fluvial geomorphology. New York: Wiley, 2003. p. 135-70.

GREGORY, K. J. The human role in changing river channels. Geomorphology, v.79, n. 3-4, 2006. p. 172-191.

GUERRA, A.J.T. & CUNHA, S.B. (Org.) Impactos ambientais urbanos do Brasil ambientais urbanos do Brasil. 4.ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2006.

SILVA, D.A. et al. Carta de risco Aparecida de Goiânia. Goiânia: ViaSAT/Prefeitura Municipal de Aparecida, 2012. 246p.

RODRIGUES, Cleide. Avaliação do impacto humano da urbanização em sistemas hidro-geomorfológicos. Desenvolvimento e aplicação de metodologia na grande São Paulo. Revista do Departamento de Geografia, São Paulo, v. 20, 2011. p. 111-125.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Uso e ocupação das terras e legislação ambiental