Mapeamento de fragilidade ambiental da bacia hidrográfica do Rio Sapucaia

Autores

  • Alexandre Herculano de Souza Lima Universidade Federal de Sergipe
  • Luan Lacerda Ramos Universidade Federal de Sergipe
  • Lucas Marcone dos Santos Universidade Federal de Sergipe

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2279

Palavras-chave:

Rio Sapucaia. Fragilidade ambiental. Geoprocessamento. Bacia hidrográfica

Resumo

O mapeamento de fragilidade ambiental auxilia tanto na gestão territorial como na contribuição de conhecimentos para os vários ramos da ciência que se empenham em trabalhar com propostas ambientais.  Esta metodologia busca por sintetizar dados quantitativos que são os graus de fragilidade atribuídos a cinco mapeamentos prévios: uso da terra e cobertura vegetal, dissecação do relevo, classes de solo e declividade. Como as bacias hidrográficas são reconhecidas como unidades de planejamento e gestão por leis federais e estaduais, este artigo objetivou realizar um mapeamento de fragilidade ambiental com apoio de sistema de informações geográficas para a bacia costeira do Rio Sapucaia. 

Biografia do Autor

Alexandre Herculano de Souza Lima, Universidade Federal de Sergipe

Departamento de Geografia/UFS, Universidade Federal de Sergipe.

Luan Lacerda Ramos, Universidade Federal de Sergipe

Departamento de Geografia/UFS, Universidade Federal de Sergipe.

Lucas Marcone dos Santos, Universidade Federal de Sergipe

Departamento de Geografia/UFS, Universidade Federal de Sergipe.

Referências

BRASIL. Política Nacional dos Recursos Hídricos. Lei n.º 9.433, de 8 de janeiro de 1997.

CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia. 2ª ed. São Paulo: Edgard Blücher, 1980.

CURTARELLI, M. P. SIG aplicado à caracterização morfométrica de bacias hidrográficas – estudo de casoda bacia hidrográfica do rio Cubatão do Sul – Santa Catarina/Brasil. Anais do XIV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, Natal; INPE, 2009. 6 p.

DONHA, A. G.; SOUZA, L. C. de P.; Sugamosto, M. L.; Lima, V. C. Avaliação da metodologia utilizada na geração dos mapas de fragilidade ambiental em uma área piloto na APA do Iraí. In: IV Seminário do Projeto Interdisciplinar sobre Eutrofização de Águas de Abastecimento Público na Bacia do Altíssimo Iguaçu, Curitiba-PR, 2003.

FLORENZANO, Tereza G. (org.). Geomorfologia: conceitos e tecnologias atuais. São Paulo: Oficina de Textos, 2008.

ROSS, J. L. S. Análise empírica da fragilidade dos ambientes naturais e antropizados. In: Revista do departamento de geografia, no 8. FFLCH. USP. São Paulo. 1994.

SANTOS, C. A.; SOBREIRA, F. G. Análise morfométrica como subsídio ao zoneamento territorial: o caso das bacias do Córrego Carioca, Córrego do Bação e Ribeirão Carioca na região do Alto Rio das Velhas - MG. Revista Escola de Minas, v.61, p.77-85, 2008.

SPÖRL, C.; ROSS, J. L. S. Análise comparativa da fragilidade ambiental com aplicação de três modelos.

Súmula da 10. Reunião Técnica de Levantamento de Solos. Rio de Janeiro:1979. 83p. GOVERNO DE SERGIPE. Resolução nº 25, de novembro de 2015. Estabelece a divisão hidrográfica de Sergipe para implementação da Política Estadual de Recursos Hídricos e atuação do Sistema Estadual de Gerenciamento de Recursos Hídricos. 2015.

VILLELA, S.M.; MATTOS, A. Hidrologia aplicada. McGraw-Hill do Brasil, São Paulo, 1975, p.245.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geotecnologias e Modelagem Espacial em Geografia Física