Análise multitemporal com mapeamento em uma APP no Rio Piranhas, município de Jardim de Piranhas-RN

Autores

  • Carlos Roberto da Silva Filho Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Denise Santos Saldanha Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Jânio Carlos Fernandes Guedes Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Diógenes Félix da Silva Costa Universidade Federal do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2286

Palavras-chave:

Ecologia da paisagem. SIG. Planejamento ambiental

Resumo

O planejamento ambiental requer estudos integrados nos quais sistematizem informações sobre a área em que será aplicado e identifique o estado do ambiente. Nessa perspectiva, o presente trabalho pretende-se utilizar da Ecologia da Paisagem para delimitação e monitoramento multitemporal da Área de Preservação Permanente – APP em um trecho de rio no semiárido mediante ao novo código florestal. Utilizaram-se imagens dos satélites CBERS 2B e do Geoeye nos softwares ArcGIS 10.2  e o Envi 4.7, empregando-se ferramenta Buffer para delimitação.  A calha regular variou entre 28m e 68m em 2009, sendo que, a APP deve ter 100m de largura. Considerando os parâmetros climáticos da área, a calha regular variou entre 18 e 43 metros em 2012. Considerando a média de 33m da calha em 2012, constata-se, segundo a legislação vigente, a validez da delimitação da APP de 50m. Portanto, a Ecologia da Paisagem mostrou-se eficaz na delimitação e monitoramento das APPs.

Biografia do Autor

Carlos Roberto da Silva Filho, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Grupo de Pesquisa em Geoecologia e Biogeografia de Ambientes Tropicais - TRÓPIKOS /UFRN.

Denise Santos Saldanha, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Grupo de Pesquisa em Geoecologia e Biogeografia de Ambientes Tropicais - TRÓPIKOS /UFRN.

Jânio Carlos Fernandes Guedes, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Grupo de Pesquisa em Geoecologia e Biogeografia de Ambientes Tropicais - TRÓPIKOS /UFRN.

Diógenes Félix da Silva Costa, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Líder do TRÓPIKOS/UFRN.

Referências

BERTRAND, G. Paisagem e Geografia Física global: esboço metodológico. Caderno de Ciências da Terra, v. 13, n. 8, p. 1-21. São Paulo, 1969.

BRASIL. LEI Nº 4.771, de 15 de Setembro de 1965. Disponível em: http://www.ambiente.sp.gov.br/madeiralegal/CodigoFlorestal.pdf>. Acesso em: 16 de Novembro de 2013.

______ Resolução Conama Lei Nº 12651 de Maio de 2012. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2011-2014/2012/Lei/L12651.htm>. Acesso em: 16 de novembro de 2013.

FEREZ, J. M. Adequação ambiental: emprego de ferramentas de geoprocessamento em sistema de informações geográfica (SIG) para a conservação. Monografia (Especialização em Gerenciamento Ambiental), Escola Superior de Agricultura Luis Queiroz, Universidade de São Paulo, Piracicaba/SP. 2011. 58 f.

KLINK, H.J. Geoecologia e regionalização natural: bases para Pesquisa Ambiental. Biogeografia 17, São Paulo: Instituto de Geografia – USP, 1981.

NICÁCIO, J. Â. Elementos necessários para o planejamento da sustentabilidade dos municípios de médio e pequeno porte. Dissertação (Mestrado em Engenharia de Produção). Programa de Pós-graduação em Engenharia de Produção. Florianópolis: UFSC, 2002.

SANTOS, N. C.; Avaliação dos usos e ocupações do solo na APP do Rio Araguaia e sua compatibilidade legal no perímetro urbano de Conceição do Araguaia – PA. Anais III Congresso Brasileiro de Gestão Ambiental Goiânia/GO – 2012.

FARIA, K. M. S; SIQUEIRA, M. N; CARNEIRO, G. T; CASTRO, S. S. Análise Geoecológica da Conservação Ambiental das Sub-Baciasdo Rio Claro (GO) e do Rio Garças (MT). Revista Nordestina de Ecoturismo, v. 5, n. 1, p. 1-11, 2012.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geotecnologias e Modelagem Espacial em Geografia Física