Fatores desencadeadores de movimentos de massa no Maciço de Maranguape, Ceará, Brasil

Autores

  • Gilney Monteiro Barbosa Universidade Estadual do Ceará
  • Frederico de Holanda Bastos Universidade Estadual do Ceará
  • Adisson Souza Tavares Universidade Estadual do Ceará
  • Yuri da Silva Belarmino Universidade Estadual do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2307

Palavras-chave:

Serras úmidas cearenses. Morfodinâmica. Perigo geológico

Resumo

O presente trabalho visa apontar fatores desencadeadores de movimentos gravitacionais de massa, traçando uma relação entre os componentes geoambientais e setores susceptíveis à ocorrência de tais processos, tendo como recorte espacial a serra de Maranguape. Este maciço é considerado um ambiente de exceção no semiárido, apresentando elevados índices pluviométricos, além de clima, solo, vegetação e relevo diferenciados de seu entorno. Nas vertentes, ocorrem os relevos mais dissecados, sendo a vertente oriental úmida onde se concentram os maiores totais pluviométricos. Verifica-se que nestas áreas de alta pluviosidade e relevos dissecados há forte susceptibilidade ao desencadeamento de movimentos gravitacionais de massa que, junto à ação antropogênica, podem ser acelerados e intensificados, sendo que deslizamentos e fluxos de lama são os exemplos mais comuns. Este estudo sobre movimentos de massa e dinâmica das vertentes pode auxiliar em futuros trabalhos de cunho ambiental, como o planejamento e ordenamento territorial.

Biografia do Autor

Gilney Monteiro Barbosa, Universidade Estadual do Ceará

Curso de Geografia / Licenciatura, Universidade Estadual do Ceará.

Frederico de Holanda Bastos, Universidade Estadual do Ceará

Professor doutor adjunto do curso de Geografia, Universidade Estadual do Ceará.

Adisson Souza Tavares, Universidade Estadual do Ceará

Curso de Geografia / Bacharelado, Universidade Estadual do Ceará.

Yuri da Silva Belarmino, Universidade Estadual do Ceará

Curso de Geografia / Licenciatura, Universidade Estadual do Ceará.

Referências

BASTOS, F. H.. Movimentos de massa no maciço de Baturité (CE) e contribuições para estratégias de planejamento ambiental. Tese de doutorado apresentado ao Programa de Pós Graduação em Geografia da Universidade Federal do Ceará, 2012. 258p.

CEARÁ. Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica. Perfil básico municipal 2014 Maranguape. Fortaleza: IPECE, 2014. 18p.

CORDEIRO, A. M. N.; GARCEZ, D. S.; BASTOS, F. de H.. A influência dos componentes geoambientais e das intervenções antropogênicas nos movimentos de massa na sub-bacia hidrográfica do rio Pirapora, Maranguape, Ceará. Geografia ensino e pesquisa, 2013, n. 1. Santa Maria: 2014.

DIKAU, R.. In: GOUDIE, A (Hrsg). Encyclopedia of geomorphology. 2004. 644-652 p.

FERNANDES, N. F.; AMARAL, C. P.. Movimentos de massa: uma abordagem geológica-geomorfológica. In CUNHA e GUERRA (Orgs). Geomorfologia e meio ambiente. 1ª ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2003. 123-194 p.

PEULVAST, J. P.; CLAUDINO SALES, V. Carta morfoestrutural do Ceará e áreas adjacentes do Rio Grande do Norte e da Paraíba. CPRM, Atlas digital de Geologia e Recursos Minerais do Ceará. Geologia, Recursos Minerais, Geoquímica, Geofísica, Geomorfologia. Sistema de Informações Geográficas-SIG. Edição, 2003.

SOUZA, M. J. N. Contexto ambiental do enclave úmido da serra de Baturité-Ceará. In: BASTOS, F. H. (org.). Serra de Baturité: uma visão integrada das questões ambientais. Fortaleza: Expressão Gráfica e Editora, 2011.

SOUZA, M. J. N. Contribuição ao estudo das unidades morfo-estruturais do Estado do Ceará. Revista de geologia, 1988, n. 01. Fortaleza: 1988.

SOUZA, M. J. N. de.; OLIVEIRA, V. P. V. de.. Os enclaves úmidos e sub-úmidos do semiárido do nordeste brasileiro. Mercator, 2005, n. 09. Fortaleza: 2006.

TRICART, J. Ecodinâmica. FIBGE – SUPREN, Rio de Janeiro, 1977.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geografia Física e Desastres Naturais