Carta de risco a escorregamentos do distrito Campo Limpo, Região Metropolitana De São Paulo (RMSP)

Autores

  • Cintia Cristina Assis Universidade Anhembi Morumbi
  • Dayse Christina Araujo Campos Universidade Anhembi Morumbi
  • Marina Diniz Aguiar Universidade Anhembi Morumbi
  • Fabrizio de Luiz Rosito Listo Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2324

Palavras-chave:

Escorregamentos. Áreas de risco. Medidas mitigadoras. Região Metropolitana de São Paulo

Resumo

No município de São Paulo existem diversas áreas de risco a escorregamentos, sendo a zona sul da cidade uma das mais afetadas. Desta forma, o objetivo deste trabalho é mapear as áreas de risco a escorregamentos em parte do distrito de Campo Limpo. Para cumprir este objetivo foram aplicadas fichas de campo para a classificação em quatro graus de risco (R1 - baixo; R2 - médio; R3 - alto ou R4 - muito alto) nas ocupações presentes na região. Os resultados demonstraram 1 setor com risco baixo; 2 com risco médio; 1 com risco alto e 2 com risco muito alto. Para os setores mais críticos, de maior grau de risco, foram propostas medidas mitigadoras, como remoção de moradias, limpeza, obras de contenção, drenagem e proteção superficial.

Biografia do Autor

Cintia Cristina Assis, Universidade Anhembi Morumbi

Graduada em Engenharia Ambiental e Sanitária, Engenharia e Tecnologia, UAM.

Dayse Christina Araujo Campos, Universidade Anhembi Morumbi

Graduanda em Engenharia Ambiental e Sanitária, Engenharia e Tecnologia, UAM.

Marina Diniz Aguiar, Universidade Anhembi Morumbi

Graduanda em Engenharia Ambiental e Sanitária, Engenharia e Tecnologia, UAM.

Fabrizio de Luiz Rosito Listo, Universidade Federal de Pernambuco

Docente do Departamento de Ciências Geográficas, UFPE.

Referências

BRASIL. (2014). Plano Nacional de Gestão de Riscos e Respostas a Desastres Naturais. Disponível em: http://www.planejamento.gov.br/apresentacoes/apresentacoes-2012/120808_plano_nac_risco_2.pdf.

BROLLO, M., FERREIRA, C., GUEDES, A. (2012). Solo - Desastres Naturais. In: FEL. F. [Org.]. Meio Ambiente Paulista: Relatório de Qualidade Ambiental 2011. São Paulo: Secretaria do Meio Ambiente / Coordenadoria de Planejamento Ambiental, p. 256.

CPRM (COMPANHIA DE PESQUISA DE RECURSOS MINERAIS, 2016). GEOBANK. Disponível em: http://geobank.cprm.gov.br/.

DAEE (DEPARTAMENTO DE AGUA E ENERGIA, 2016). Banco de Dados Hidrológicos. Disponível em: http://www.hidrologia.daee.sp.gov.br/. Acesso em: 20 Set 2016.

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL. (2011). Atlas brasileiro de desastres naturais. Acesso em 05 de abril de 2016, disponível em http://150.162.127.14:8080/atlas/atlas.html.

MINISTÉRIO DAS CIDADES e INSTITUTO DE PESQUISAS TECNOLÓGICAS (2007). Mapeamento de riscos nas encostas e margem de rios. Organizado por Celso Santos Carvalho, Eduardo Soares de Macedo e Agostinho Tadashi Ogura. São Paulo, 2007.

PREFEITURA DE SÃO PAULO (2016). GeoSampa Mapa. Disponível em: Mapa Digital da Cidade de São Paulo: http://geosampa.prefeitura.sp.gov.br/PaginasPublicas/_SBC.aspx.

ROSS, J.L.S. e MORROZ. I. (1997). Mapa Geomorfológico do Estado de São Paulo. Escala 1:500.000. São Paulo: FFLCH-UPS/IPT/FAPESP. 2 v. mapa.1997.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geografia Física e Desastres Naturais