Diferença altimétrica dos rios das cavernas Angélica, Terra Ronca E São Bernardo do sistema cártstico Terra Ronca, Goiás

Autores

  • Yan de Mello Aleixo Universidade Federal de Goiás
  • Márcio Henrique de Campos Zancopé Universidade Federal de Goiás

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2331

Palavras-chave:

Fluvicárste. Perfil longitudinal. Assoreamento

Resumo

Rios que atravessam sistemas cárticos podem depositar sedimentos dependo da relação entre gradiente fluvial, velocidade da corrente e aporte sedimentar. Este trabalho apresenta a diferença altimétrica de três sistemas de cavernas do Parque Estadual Terra Ronca, nordeste de Goiás, classificando a capacidade de evacuação de sedimentos. Para tanto, foram analisados as formas dos perfis longitudinais, elaborados a partir da rede de drenagem restituída (escala 1:10.000) e MDE (TOPODATA, 30 m). O sistema do Rio São Bernardo possui maior diferença altimétrica sumidouro-ressugência, seguido pelo sistema Terra Ronca (Rio da Lapa) e por último o sistema do Rio Angélica. Enquanto o sistema São Bernardo apresentaria maior capacidade de evacuar sedimentos das cavernas, o sistema Angélica apresentaria maior possibilidade de assoreamento nas cavernas.

Biografia do Autor

Yan de Mello Aleixo, Universidade Federal de Goiás

Instituto de Estudos Socioambientais, Universidade Federal de Goiás

Márcio Henrique de Campos Zancopé, Universidade Federal de Goiás

Instituto de Estudos Socioambientais, Universidade Federal de Goiás

Referências

BRASIL. Ministério das Minas e Energia. Projeto radambrasil: levantamento de recursos naturais, Folha SD.23 Brasília. Rio de Janeiro, 1982. Vol. 29.

CHRISTOFOLETTI, A. Geomorfologia fluvial: o canal fluvial. São Paulo: Edgard Blücher, 1981.

CUNHA, S.B. Geomorfologia fluvial. In: GUERRA, A.J.T.; CUNHA, S.B. (Org.). Geomorfologia: uma atualização de bases e conceitos. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1994. cap. 5. p. 211-252.

FAQUIM. A.C.S. Potencial de transferência de sedimentos das bacias contribuintes do sistema cárstico Terra Ronca. 2017. 29f. Trabalho de conclusão de curso (Bacharelado em Ciências Ambientais) – Instituto de Estudos Socioambientais, Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2017.

LATRUBESSE, E.M.; CARVALHO, T.M. Geomorfologia do Estado de Goiás e Distrito Federal. Goiânia: Superintendência de Geologia e Mineração do Est. de Goiás, (2006). (Série Geologia e Mineração, n. 2).

LAUREANO, F.V.; KARMANN, I.; GRANGER, D. Datações preliminares do soterramento de grãos de quartzo por isótopos cosmogênicos em cavernas da Chapada Diamantina indicam agradação nos condutos desde o Pleistoceno Superior. In: CONGRESSO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE ESTUDOS DO QUATERNÁRIO, 14. Natal (RN), 2013. Anais... Natal: ABEQUA/UFRN, 2013. Disponível em: <http://www.abequa.org.br/trabalhos/geomorfo_2014_17.pdf>. Acessado em: 13/12/2016.

PERRET, J.F. A força do Rio São Bernardo. O Carte, v. 10, n. 4, p. 118-127, 1998.

PILÓ, L.B. Geomorfologia cárstica. Revista Brasileira de Geomorfologia, v. 1, n. 1, p. 88-102, 2000.

RUBIOLLI, E.L. Descobertas e desafios no Sistema Angélica-Bezerra. O Carte, v. 10, n. 4, p. 150-155, 1998.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Sistemas Geomorfológicos: Estrutura, Dinâmicas e Processos