A morfologia das vertentes e sua influência nos fenômenos de enxurrada: alto curso da bacia hidrográfica do Anil São Luís- MA

Autores

  • Ismaylli Rafael dos Santos Costa Universidade Estadual do Maranhão
  • Quésia Duarte da Silva Universidade Estadual do Maranhão
  • Estevânia Cruz Teixeira Universidade Estadual do Maranhão
  • Danyella Vale Barros Universidade Estadual do Maranhão

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2344

Palavras-chave:

Vertentes. Enxurradas. Alto curso da bacia hidrografica do Anil

Resumo

As enxurradas são fenômenos de natureza atmosférica, hidrológica ou oceanográfica que podem ocorrer em periodos chuvosos, é impotante destacar a relação da intensidade de precipitação atmosférica com a morfologia do terreno. Neste panorama, se faz necessário estudar a morfologia das vertentes e qual a relação nos fenômenos de enxurrada, tendo em vista que o alto curso da bacia hidrográfica do Anil encontra-se em uma região predominantemente urbana, tendo um numero de 50 (cinquenta) famílias atingidas pelas enxurradas, foram mapeados 8 (oito) áreas de incidência dos fenômenos de enxurrada. Neste sentido, é possível afirmar que esse número tende a ser maior, o qual é resultado da combinação de problemas sociais e ambientais.

Biografia do Autor

Ismaylli Rafael dos Santos Costa, Universidade Estadual do Maranhão

Departamento de História e Geografia, UEMA.

Quésia Duarte da Silva, Universidade Estadual do Maranhão

Professora Dr. Do Departamento de História e Geografia, UEMA.

Estevânia Cruz Teixeira, Universidade Estadual do Maranhão

Departamento de História e Geografia, UEMA.

Danyella Vale Barros, Universidade Estadual do Maranhão

Departamento de História e Geografia, UEMA.

Referências

ANJOS, D. S. JUNIOR M. M. Nunes J. O. R. Classificação da curvatura de vertentes em perfil via Modelo numérico de Terreno.Anais XV Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto - SBSR, Curitiba, PR, Brasil, 30 de abril a 05 de maio de 2011, INPE p.2286.

CASSETI, V. Ambiente e apropriação do relevo. 2. ed. São Paulo: Contexto, 1995.

ISDR. Sobre Reduccióndelriesgo de desastres. – InternationalStrategy for DisasterReduction. Suiza: Naciones Unidas, 2009. Disponível em: http://www.unisdr.org/Publications. Acesso em: 25 de Janeiro de 2017.

MARCELINO, E. V. Desastres naturais e geotecnologias: conceitos básicos. Santa Maria: CRS/INPE, 2008.

TOMINAGA, L. K. SANTORO J. AMARAL R. Desastres naturais Conhecer para prevenir. instituto Geológico Secretaria do Meio Ambiente Governo do Estado de São Paulo. 1ª edição São Paulo 2009.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geografia Física e Desastres Naturais