Geografia Física Escolar: teorias e conceitos, escalas e linguagens

Autores

  • Francisco Nataniel Batista de Albuquerque Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2373

Palavras-chave:

Geografia Física. Teoria da aprendizagem. Escala de análise. Linguagem

Resumo

A Educação Geográfica e, mais especificamente, a Geografia Física Escolar coloca-se na interface entre os saberes acadêmico e escolar numa difícil relação entre teoria e prática, formação técnica e política e Geografia Física e Geografia Humana necessitando a construção de pontes metodológicas que superem as rupturas em busca de uma Geografia escolar unitária, porém, reconhecendo as especificidades dos processos naturais e suas formas de abordagem. Diante dessa realidade, o artigo propõe-se a discutir algumas questões centrais do ensino da Geografia Fisica na Educação Básica no tocante a relação entre teorias geográficas e teorias da aprendizagem, conceitos consagrados e ressignificados, além da abordagem das escalas de análise espacial e temporal, bem como as linguagens do ensino de Geografia que permeiam os currículos atuais do Ensino Médio.

Biografia do Autor

Francisco Nataniel Batista de Albuquerque, Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Ceará – IFCE/ Campus Iguatu.

Referências

ABREU, A. A. A paisagem e a Geografia. In: Palestra no V Seminário de Pesquisa em Geografia Física – SEPEGE 2012. São Paulo: FFLCH/SUP. 2012.

AB’SABER, A. N. Os domínios de natureza no Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo: Ateliê Editorial. 2003.

ALBUQUERQUE, F. N. B; SOBRINHO FALCÃO, J. A geomorfologia do semi-árido brasileiro nos livros de geografia do ensino médio: agentes, processos morfogenéticos e formas de relevo. Revista Homem, Tempo e Espaço. Sobral (CE), nº 1, setembro de 2007. Disponível em http://www.uvanet.br/rhet/artigos/art_geomorfologia_semiarido_fj.pdf

ALMEIDA, R. D. Cartografia escolar. São Paulo: Contexto. 2007.

______ (org.). Novos rumos da Cartografia Escolar: currículo, linguagem e tecnologia. São Paulo: Contexto. 2011.

BERBEL, N. A N. Problematização e a aprendizagem baseada em problemas. In: Interface – Comunicação, Saúde, Educação. v. 2, n. 2, 1998. p. 139-154.

BERTALANFFY, L. Teoria geral dos sistemas – fundamentos, desenvolvimento e aplicações. 5. Ed. Petrópolis: Vozes. 2010.

BERTRAND, G. Paisagem e Geografia Física global: esboço metodológico. São Paulo, Instituto de Geografia. USP. 27 p. 1972. (Cadernos de Ciências da Terra, 13).

CAPRA, F. O ponto de mutação. 1996. 25. ed. São Paulo: Cultrix. 1996.

CARVALHO, M. B. (1989). A natureza na Geografia do Ensino Médio. In: OLIVEIRA, A. U. de (org.). Para onde vai o ensino de Geografia? São Paulo: Contexto. p. 81-108. (Coleção repensando o ensino).

CAVALCANTI, L. S. Geografia e práticas de ensino. Goiânia: Alternativa. 2002.

FALCONI, S. Produção de material didático para o ensino de solos. Dissertação (Mestrado em Geografia) - Universidade Estadual Paulista, Instituto de Geociências e Ciências Exatas, 115 f. 2004.

LEFF, E. Racionalidade ambiental: a repropriação social da natureza. Trad. Luís Carlos Cabral. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2006.

MENDONÇA, F; DANNI-OLIVEIRA, I. M. Climatologia: noções básicas e climas do Brasil. São Paulo: Oficina de Textos. 2007.

MORAIS, E. M. B. As temáticas físico-naturais nos livros didáticos e no ensino de Geografia. Revista Brasileira de Educação em Geografia, v. 4, p. 175-194-194, 2014.

MOREIRA, M. A; MASINI, E. F. S. Aprendizagem significativa: a teoria de David Ausubel. São Paulo: Centauro. 2006.

MORIN, E. O método – a natureza da natureza. 2. ed. Porto Alegre: Sulina. 2008.

OLIVEIRA, A. O. S. A. Contribuição teórico-metodológica para o ensino de Geomorfologia. Tese (Doutorado em Geografia) - Universidade Estadual Paulista, Campus Presidente Prudente. 2010.

RIBEIRO, A. G. As escalas do clima. Boletim de Geografia Teorética, 23 (45-46): 288-294, 1993.

ROSS, J. L. S. O registro cartográfico dos fatos geomórficos e a questão da taxonomia do relevo. In: Revista do Departamento de Geografia. São Paulo. FFLCH/USP. 1992. P. 17-29.

SOTCHAVA, V. B. O estudo do geossistema. Trad. MONTEIRO, C. A. F.; ROMARIZ, D. A. São Paulo: IG-USP. 1977.

TOMITA, L. M. S. Ensino de Geografia: aprendizagem significativa por meio de mapas conceituais. Tese (Doutorado em Geografia) – Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo. 183 f. 2009.

VENTURI, L. A. B. Recurso natural: a construção de um conceito. Revista GEOUSP – Espaço e Tempo. São Paulo. n. 20. 2006. pp. 09-17.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Geografia Física: Currículo, Formação e Práticas de Ensino