A pluviosidade em Campo Mourão na série 1992 a 2012

Autores

  • Nielly Hneda Universidade Estadual do Paraná
  • Victor da Assunção Borsato Universidade Estadual do Paraná

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2384

Palavras-chave:

Climatologia Geográfica. Zona de transição. Massas de ares

Resumo

Este artigo abordou a climatologia das chuvas para Campo Mourão na série histórica (1992 a 2012). Foram considerados os dados mensais das chuvas registradas na Estação Climatológica de Campo Mourão e classificadas segundo Índice de Porcentagem Normal para os meses extremamente úmidos, os quais foram analisados para se interpretar a gênese da chuva. A classificação se deu por meio da Equação do Índice de Porcentagem Normal. Do total de 252 meses, 22 foram classificados como extremamente úmidos. Foram investigados as participações dos sistemas atmosféricos na região, cujo objetivo foi verificar e quantificar a participação dos sistemas atmosféricos e classificar o(s) sistema(s) gêneses das chuvas para os meses extremamente úmidos. Esses 22 meses receberam totais que oscilaram de 262,0 a 468,0 mm. Os sistemas atmosféricos gêneses para as chuvas desses meses foram os sistemas frontais e a massa Equatorial continental, principalmente. Os resultados apontaram que a maior contribuição foi consequência da passagem dos sistemas frontais pela região. 

Biografia do Autor

Nielly Hneda, Universidade Estadual do Paraná

Departamento de Geografia, Universidade Estadual do Paraná.

Victor da Assunção Borsato, Universidade Estadual do Paraná

Universidade Estadual do Paraná – Campus de Campo Mourão.

Referências

BORSATO, V. A. A participação dos sistemas atmosféricos atuantes na bacia do Auto Rio Paraná no período de 1980 a 2003. 2006. Tese (Doutorado em Ciências Ambientais) – Nupélia, UEM, Maringá.

BORSATO, V. da A. A participação dos sistemas atmosféricos atuantes na bacia do rio Paraná no período 1980 a 2003. Revista Brasileira de Climatologia. Associação Brasileira de Climatologia. Presidente Prudente. SP. Ano 6 - V.07, pp. 87-102, 2010.

CASTRO, A. L. C. Glossário de defesa civil: estudo de riscos e medicina de desastres. Brasília: MPO/ Departamento de Defesa Civil, 1998. 283 p.

CAVALCANTI, I. F. Casos de intensa precipitação nas Regiões Sul e Sudeste do Brasil no período de inverno de 1979 a 1983. São José dos Campos: INPE, 1985. (INPE- 3743-RPE/498).

FERNANDES, D. S.; HEINEMANN, A. B.; PAZ, R. L. da; AMORIM, A de O.; CARDOSO, A.S. Índices para a quantificação das secas. Documento 244. Embrapa Arroz e Feijão, Santo Antônio de Goiás, Goiás, 2009, p. 49.

FERREIRA, C. C. Ciclogêneses e ciclones extratropicais na Região Sul-Sudeste do Brasil e suas influências no tempo, INPE-4812-TDL/359, 1989. p. 93.

INSTITUTO NACIONAL DE METEREOLOGIA. Normal Climatológica do Brasil 1961 – 1990. Brasília - DF. Disponível em: <http://www.inmet.gov.br/portal/index.php?r=clima/normaisclimatologicas>. Acesso em: 23 de março 2016.

LAMPARELLI, M. C. Grau de Trofia em corpos d´água do Estado de São Paulo. Tese. Sc., Universidade de São Paulo. São Paulo, Brasil, 2004.

MAR-MIL MARINHA DO BRASIL. Cartas Sinóticas. Disponível em: <http://www.mar.mil.br/dhn/chm/meteo/prev/cartas.htm>. Acesso em: 04 dezembro de 2016.

MONTEIRO, C.A. de F. O clima da Região Sul. In: Geografia regional do Brasil: Grande Região Sul. Rio de Janeiro: IBGE/ Conselho Nacional de Geografia, 1968. v. 4 p. 117-169.

NIMER, E. Climatologia da Região Sul do Brasil. In: Revista Brasileira de Geografia. Introdução a Climatologia Dinâmica. Rio de Janeiro: IBGE, v33 n. 4. p. 3 - 65. 1971.

PÉDELABORDE, P.Introduction a l’étude scientifique du climat. Paris: Sedes, 1970. 352 p.

VAREJÃO-SILVA M. A. Meteorologia e Climatologia. Instituto Nacional de Meteorologia Brasília, DF, 2000 p. 515.

VIANELLO, R. L., Meteorologia básica e aplicações. Universidade Federal de Viçosa. Editora UFV, 2000. p. 449.

VIEIRA, S. R.; LOMBARDI NETO, F.; BURROWS, I.T. Mapeamento da chuva diária máxima provável para o estado de São Paulo. Revista Brasileira de Ciências do Solo, 15:93-98, 1991.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Climatologia em diferentes níveis escalares: mudanças e variabilidades