Perfil topoclimático do Cerro do Botucaraí, em Candelária/RS, durante o mês de maio de 2016

Autores

  • Aline Nunes da Silva Universidade Federal de Santa Maria
  • Cassio Arthur Wollmann Universidade Federal de Santa Maria
  • Ismael Luiz Hoppe Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2399

Palavras-chave:

Variabilidade. Termo-higrométrica. Topoclimático. Climatologia

Resumo

Este trabalho tem como objetivo analisar a variabilidade termo-higrométrica na localidade do Cerro do Botucaraí, em Candelária, Rio Grande do Sul, considerado o ponto isolado mais alto do estado com 569 metros de altitude acima do nível do mar. A análise foi feita com os valores médios diários e mensais de temperatura e umidade relativa do ar, coletados em dois pontos distintos, sendo uma deles da base do Cerro do Botucaraí e o outro do topo do Cerro de mesmo nome. Com esta análise foi possível observar que as temperaturas no topo do Cerro do Botucaraí são em geral mais baixas do que em sua base, identificando a variação de altitude entre estes dois pontos como sendo o principal fator causador da variabiliadade da temperatura do ar e, consequentemente, da umidade relativa do ar.

Biografia do Autor

Aline Nunes da Silva, Universidade Federal de Santa Maria

Aline Nunes da Silva, Acadêmica de Geografia Bacharelado, UFSM.

Cassio Arthur Wollmann, Universidade Federal de Santa Maria

Cassio Arthur Wollmann, Docente do Departamento de Geociências e do Programa de Pós Graduação em Geografia (PPGGEO) da UFSM.

Ismael Luiz Hoppe, Universidade Federal de Santa Maria

Mestrando em Geografia, Universidade Federal de Santa Maria – UFSM.

Referências

AYOADE, J. O. Introdução a Climatologia para os Trópicos. 10 ed. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2002.

BARRY, R. G.; CHORLEY, R. J. Atmosfera, Tempo e Clima. 9 ed. Porto Alegre, Bookman, 2013.

BORSATO, V. A dinâmica climática do Brasil e massas de ares. 1 ed. Curitiba, Editora CRV, 2016.

FALCÃO, R. M. et. al. Análise da Variação da Umidade Relativa do Ar do Pico da Bandeira, Parque Nacional Alto Caparaó, Brasil. VI Seminário Latino Americano de Geografia Física. Universidade de Coimbra. Maio, 2010.

GALVANI, E.; LIMA, N. G. B. de; FALCÃO, R. M. Ocorrência de Inversão Térmica no Perfil Topoclimático do Pico da Bandeira, Parque Nacional do Alto Caparaó, Brasil. VI Seminário Latino Americano de Geografia Física. Universidade de Coimbra. Maio, 2010.

HINTZ, M. M. Retalhos de Candelária, RS da pré-história à colonização européia. vol.1. Gráfica ALS Schmachtenberg. 2006. 151p.

HOPPE. I. L.; BARATTO. J.; WOLLMANN, C. A. Perfil Topoclimático do Cerro Comprido no Município de Faxinal do Soturno/RS – Uma Análise Termo-Higrométrica. REVISTA GEONORTE, Edição Especial 2, v.1, n.5, p. 706-718, 2012.

KÖEPPEN, W. Climatología. 2 ed. México – Buenos Aires, Fondo de Cultura Económica, 1931.

RIO GRANDE DO SUL, Ministério Público Estadual. Programa de Atuação Integrada por Bacias Hidrográficas. Porto Alegre, 2015. Disponível em: <https://www.mprs.mp.br/areas/paibh/arquivos/bacias/municipios_de_abrangencia_da_bacia_baixo_jacui.pdf>. Acesso em: 23 nov, 2016.

PROJETO RADAMBRASIL. Folha SH. 22/Porto Alegre e parte das folhas SH. 21/Uruguaiana e SI. 22/ Lagoa Mirim: geologia, geomorfologia, pedologia, vegetação e uso potencial da terra. Rio de Janeiro. IBGE, 1986. V. 32, 796 p.

SARTORI, P. L. P.; SARTORI, M. G. B. Um Brasil de Montanhas. Ciência e Natura, v.2, n. 26, p. 61-74, 2004.

TORRES, F. T. P; MACHADO, P. J. O. Introdução a Climatologia. São Paulo, Oficina de Texto, 2012.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Climatologia em diferentes níveis escalares: mudanças e variabilidades