Análise da umidade relativa do ar no entorno próximo ao reservatório da usina hidrelétrica de Dona Francisca, em Agudo-RS em período de verão e inverno

Autores

  • Ismael Luiz Hoppe Universidade Federal de Santa Maria
  • Cassio Arthur Wollmann Universidade Federal de Santa Maria
  • Iago Turba Costa Universidade Federal de Santa Maria
  • Aline Nunes da Silva Universidade Federal de Santa Maria

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2400

Palavras-chave:

Umidade Relativa do Ar. Usina Hidrelétrica. Verão. Inverno. Lago Artificial

Resumo

O presente artigo teve como objetivo analisar a umidade relativa do ar durante os períodos de verão e inverno do ano de 2014 em dois pontos distintos, em escala mensal, no entorno próximo da represa da Usina Hidrelétrica de Dona Francisca, localizada no município de Agudo / RS. O ponto mais próximo encontra-se a uma distância de 1,41 km da margem do lago e o ponto mais distante do lado está a 3,83 km. Nessa pesquisa foram utilizados abrigos meteorológicos de baixo custo, para a coleta dos dados. Através do estudo foi possível notar que a umidade relativa do ar variou de acordo com os fatores climáticos advindos da paisagem e uso do solo de cada localidade, assim como dependente da estação predominante em cada período do ano de 2014.

Biografia do Autor

Ismael Luiz Hoppe, Universidade Federal de Santa Maria

Mestrando em Geografia, Universidade Federal de Santa Maria - UFSM.

Cassio Arthur Wollmann, Universidade Federal de Santa Maria

Professor do Programa de Pos-Graduação em Geografia (PPGGEO) e Departamento de Geociências, Universidade Federal de Santa Maria - UFSM.

Iago Turba Costa, Universidade Federal de Santa Maria

Graduando em geografia Licenciatura Plena, Universidade Federal de Santa Maria - UFSM.

Aline Nunes da Silva, Universidade Federal de Santa Maria

Graduando em geografia Bacharelado, Universidade Federal de Santa Maria - UFSM.

Referências

ARMANI, G.; GALVANI, E. Avaliação do desempenho de um abrigo meteorológico de baixo custo. Revista Brasileira de Agrometeorologia, Piracicaba-SP, v. 14, n.1, p. 116-122, 2006

GRIMM, A. M. Meteorologia básica, 1999. Disponível em: <http://fisica.ufpr.br/grimm/aposmeteo/>. Acesso em 10 de janeiro de 2017,

HOPPE, I. L.; IENSSE, A. C.; SIMIONI, J. P. D.; WOLLMANN, C. A. Comparação entre um abrigo meteorológico de baixo custo e a estação meteorológica oficial no INMET, em Santa Maria (RS). Ciência e Natura, v. 37, p. 132-137, 2015.

IBGE – INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. IBGE Cidade. Dados censitários do município de Agudo/RS. Disponível em: http://www.cidades.ibge.gov.br/xtras/perfil.php?lang=&codmun=430637&search=rio-grande-do-sul|dilermando-de-aguiar|infograficos:-informacoes-completas. Acesso em 09 de janeiro. 2017.

MACHADO, F. P. Contribuição ao estudo do clima do Rio Grande do Sul. Rio de Janeiro: Serviço Geográfico do IBGE, 1950.

MENDONÇA, S. F; DANNI-OLIVEIRA, I. M. Climatologia noções básicas e climas do Brasil. São Paulo: Oficina de Texto, 2009.

MILANESI, M. A.; GALVANI, E. Pluviômetro Experimental Para Localidades Remotas. In.: Climatologia Aplicada: Resgate aos Estudos de Caso. Galvani, E.; Lima, N. G. B. (Orgs.). Curitiba: Editora CRV, 2012. v. 1. 1 ed. p.192.

NERI, D. B. Efeitos da Implantação da Usina Hidrelétrica Dona Francisca (RS, Brasil) sobre estágios imaturos de odonata (insecta). Dissertação (Mestrado em Biodiversidade Animal) – Universidade Federal de Santa Maria, 2009.

PREFEITURA MUNICIPAL DE AGUDO. Mapa Político-administrativo de Agudo/RS. Disponível em: <http://www.agudo.rs.gov.br/home>. Acesso em 10 de janeiro de 2017.

SARTORI, M. G. B. A dinâmica do Clima do Rio Grande do Sul: indução empírica e conhecimento científico. 2003, Terra Livre, São Paulo, Ano 19 – Vol. I n.20, P 27-49, Jan/jul. 2003

WOLLMANN, C. A.; SIMIONI, J. P. D.; IENSSE, A. C. Atlas climático da Estação Ecológica do Taim: Contribuição ao estudo do clima em unidades de conservação no Rio Grande do Sul. 1. ed. Santa Maria: O autor. 2015. 300p.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Climatologia em diferentes níveis escalares: mudanças e variabilidades