Sensoriamento remoto aplicado ao estudo da temperatura de superfície da zona urbana do município do Crato/CE

Autores

  • Fernanda Kelly Sales Alencar Universidade Regional do Cariri
  • Juliana Maria Oliveira Silva Universidade Regional do Cariri

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2407

Palavras-chave:

Clima Urbano. Temperatura. Sensoriamento Remoto. Crato/CE

Resumo

O presente trabalho tem por objetivo analisar as diferenças térmicas da superfície da zona urbana do município de Crato (Ceará)no biênio de 2016 e 2017, a partir da imagem do satélite Landsat 8TM estimando a temperatura de superfície como vegetação, solo exposto, asfalto, e sua interferência na temperatura e na sensação térmica local. A metodologia constituiu em um levantamento de material bibliográfico e cartográfico para os estudos do clima urbano além da confecção do mapa de temperatura onde a partir desse foi possível obter os seguintes resultados: As áreas de temperatura mais elevadas estão presentes em locais que apresentam maior concentração de solo exposto, pouca cobertura vegetal e concentração maior de residências. Já os locais que apresentaram temperatura mais amenas se encontrão próximosao topo da chapada, áreas verdes e corpos d’água. 

Biografia do Autor

Fernanda Kelly Sales Alencar, Universidade Regional do Cariri

Estudante de Licenciatura em Geografia, Bolsista de Iniciação Científica – PIBIC/URCA.

Juliana Maria Oliveira Silva, Universidade Regional do Cariri

Doutora em Geografia, URCA.

Referências

GARTLAND, Lisa. Ilhas de calor: como mitigar zonas de calor em áreas urbanas. São Paulo: Oficina de textos, 2010

IPECE. Instituto de Pesquisa e Estratégia Econômica do Ceará. Perfil Básico Municipal-Crato. IPECE, Fortaleza: 2012. Disponível em: . Acesso em: 05 novembro de 2014

SILVA, J.M.O. Uso de serosioamento remoto para a estimativa da temperatura de superficie na microbacia do rio Granjeiro – Crato/ Ceará. Geosaberes: Revista de Estudos Geoeducacionais v.06, P.130 – 144, 2015.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Climatologia em diferentes níveis escalares: mudanças e variabilidades