Análise da circulação térmica induzida no litoral de Santa Catarina

Autores

  • Ruy de Sá Prudêncio Universidade Estadual de Campinas
  • Ana Carolina Vicenzi Franco Universidade do Estado de Santa Catarina
  • Jonas Teixeira Nery Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2415

Palavras-chave:

Litoral de Santa Catarina. Hodógrafos. Circulação térmica. Ventos

Resumo

Este estudo caracteriza a circulação térmica induzida (brisa marinha e terrestre) na costa de Santa Catarina (SC), a partir da análise de ciclos diurnos da direção e velocidade do vento, histogramas polares e hodógrafos. Para isso, foram utilizados dados de duas estações meteorológicas, uma em Florianópolis e outra em São Francisco do Sul, localizadas entre o litoral central e norte do estado.Em ambas, predominam ventos locais de sudoeste e sul no período da manhã e de sudeste durante a tarde. De modo geral, o sinal de brisa marítima e terrestre é melhor definido nos meses entre novembro e abril, de maior aquecimento, tanto para Florianópolis quanto para São Francisco do Sul. A entrada da brisa marítima ocorre entre 11h e 13h e da terrestre, entre 20h00min e 0h00min.As maiores velocidades de vento foram observadas em Florianópolis, região com maior influência do vento sul.

Biografia do Autor

Ruy de Sá Prudêncio, Universidade Estadual de Campinas

IG, UNICAMP.

Ana Carolina Vicenzi Franco, Universidade do Estado de Santa Catarina

Faed, UDESC.

Jonas Teixeira Nery, Universidade Estadual de Campinas

IG, UNICAMP.

Referências

CAMARGO, R., MARONE, E. E DIAS, P.L. Detecção do sinal de brisa no registro de vento de Pontal do Sul (PR). In: IX congresso brasileiro de meteorologia, 1996, Campos de Jordão. Anais do IX Congresso Brasileiro de Meteorologia. 1996. v. 2, p. 1036-1040.

RESIO, D., Bratos, S., and Thompson, E. 2002. Meteorology and Wave Climate. In: Vincent, L., and Demirbilek, Z. (editors), Coastal Engineering Manual, Part II, Hydrodynamics, Chapter II-2, Engineer Manual 1110-2-1100, U.S. Army Corps of Engineers, Washington, DC.

LAUGHLIN, Greg. The user’s guide to the Australian Coast. Sydney: New Holland Publishers, 1997.

PRUDÊNCIO, R. S. Estudo do sistema de circulação de brisas no litoral de Santa Catarina. Monografia de Especialização em Meteorologia, UFPel, 2002.

SALVADOR,R. & MLLÁN,M.M. Analisis histórico de las brisas en castellón. Tethys, revista de meteorologia, n.02.Valencia, Espanha, 2003.

SIMPSON, J.E. Sea breeze and local winds. Cambridge: Cambridge University Press,1994.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Climatologia em diferentes níveis escalares: mudanças e variabilidades