Climatologia do Sertão da Paraíba, Brasil

Autores

  • Isa Gabriela Delgado de Araújo Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Marco Tulio Mendonça Diniz Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Flávia Luana Dantas Universidade Federal do Rio Grande do Norte
  • Fernando Eduardo Borges da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Norte

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2417

Palavras-chave:

Classificação. Relevo. Sertão da Paraíba

Resumo

A classificação climática visa abranger grandes áreas e analisar todas as suas condições no meio, seja elas climáticas ou biogeográficas. As transformações na climatologia geográfica começaram a ocorrer a partir da década de 1960 principalmente por Monteiro. Uma das principais metodologias empregadas para identificar os tipos de clima é o trabalho de Nímer (1979) juntamente com a equipe do IBGE, associando métodos tradicionais a métodos dinâmicos, classificando em climas zonais e regionais. O objeto de estudo (Sertão da Paraíba) apresentou resultados influenciados pelo relevo, pois quanto mais afastados estão os postos pluviométricos do Planalto da Borborema, mais altos tendem a serem os valores de precipitação. O objetivo geral da pesquisa é realizar a classificação dos sistemas atmosféricos atuantes e propor um mapeamento de tipos de clima para o Sertãoda Paraíba, que é uma etapa de um projeto maior de mapeamento de todo o Estado da Paraíba.

Biografia do Autor

Isa Gabriela Delgado de Araújo, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Departamento de Geografia/Centro de Ensino Superior do Seridó, Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Marco Tulio Mendonça Diniz, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Departamento de Geografia/Centro de Ensino Superior do Seridó, Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Flávia Luana Dantas, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Departamento de Geografia/Centro de Ensino Superior do Seridó, Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Fernando Eduardo Borges da Silva, Universidade Federal do Rio Grande do Norte

Departamento de Geografia/Centro de Ensino Superior do Seridó, Universidade Federal do Rio Grande do Norte.

Referências

ANDRADE JUNIOR, A. S. et al. Classificação climática e regionalização do semi-árido do Estado do Piauí sob cenários pluviométricos distintos. In: Revista Ciência Agronômica, Vol. 36, nº2, 2005.

BAGNOULS, F.; GAUSSEN, H. Saison sècheet indice xérothermique. Bulletin de la Société d’histoire naturelle de Toulouse, Toulouse, n. 88, v.1, 1953. p. 193 - 240.

CHRISTOPHERSON, R. W. Geossistemas. Uma introdução à geografia física. 7. ed. Porto Alegre: Bookman, 2012.

DCA/UFCG. Departamento de Ciências Atmosféricas (DCA) – Universidade Federal de Campina Grande (UFCG). Clima. Campina Grande, s.d.. Disponível em: <http://www.dca.ufcg.edu.br/clima/>. Acesso em: 05 jan. 2017.

DINIZ, M. T. M; PEREIRA, V. H. C. CLIMATOLOGIA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE, BRASIL: SISTEMAS ATMOSFÉRICOS ATUANTES E MAPEAMENTO DE TIPOS DE CLIMA. Boletim Goiano de Geografia. Goiânia, v. 35, n. 3, p. 488-506, set./dez. 2015.

FERREIRA, Antônio Geraldo; MELLO, Namir Giovanni da Silva. PRINCIPAIS SISTEMAS ATMOSFÉRICOS ATUANTES SOBRE A REGIÃO NORDESTE DO BRASIL E A INFLUÊNCIA DOS OCEANOS PACÍFICO E ATLÂNTICO NO CLIMA DA REGIÃO. Revista Brasileira de Climatologia. Vol. 1, No° 1. Dezembro – 2005.

FERREIRA, Nelson J.; RAMÍREZ, Maria Valverde; GAN, Manoel Alonso.VÓRTICES CICLÔNICOS DE ALTOS NÍVEIS QUE ATUAM NA VIZINHANÇA DO NORDESTE DO BRASIL. In: Cavalcanti, I. F. A. et al. (Org.). Tempo e Clima no Brasil. São Paulo: Oficina de Texto, 2009.

FRANCISCO, P. R. M.; MEDEIROS, R. M. de; SANTOS, D.; MATOS, R. M. de. Classificação Climática de Köppen e Thornthwaite para o Estado da Paraíba. Revista Brasileira de Geografia Física, 2015, n.04.

MELO, A. B. C.; CAVALCANTI, I. F de A.; SOUZA, P. P. Zona de Convergência Intertropical do Atlântico. In: CAVALCANTI, I. F. A.; FERREIRA, N. J.; SILVA, M. G. A. J.; DIAS, M. A. F. S. (Org.). Tempo e Clima no Brasil. São Paulo: Oficina de Textos, 2009. p. 26-42.

MENDONÇA, F.; DANNI-OLIVEIRA, I. M. Climatologia: noções básicas e climas do Brasil. São Paulo: Oficina de Textos, 2007.

MOLION, L. C. B.; BERNARDO, S. O. Uma revisão da dinâmica das chuvas no nordeste brasileiro. Revista Brasileira de Meteorologia, Rio de Janeiro, v. 17, n. 1, 2002. p. 1-10.

MONTEIRO, C. A. F. Da necessidade de um caráter genético a classificação climática. Revista Geográfica, v. 31, n. 57, 1962. p. 29-44.

MONTEIRO, C. A. F. Sobre um índice de participação das massas de ar e sua aplicabilidade à classificação climática. Revista Geográfica, v. 33, n. 61, 1964. p. 55-69.

NÍMER, E. Clima. In: BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Geografia do Brasil: Região Nordeste. Rio de Janeiro: IBGE, 1977.

NÍMER, E. Um Modelo Metodológico da Classificação de Climas. Revista Brasileira de Geografia, v. 41 n. 4, 1979. p. 59-89.

NIMER, E. Climatologia do Brasil. 2.ed. Rio de Janeiro: Fundação IBGE, 1989.

PIROLI, E.L. Introdução ao geoprocessamento. Ourinhos: Campus Experimental UNESP, 2010.

SOUZA, Antônio José da Silva. EVENTOS EXTREMOS DE PRECIPITAÇÃO NO LESTE DA AMAZÔNIA. Dissertação de mestrado apresentado ao Instituto de Ciências Atmosféricas da Universidade Federal de Alagoas, Alagoas, 2010. 110 p.

SUDENE. Dados pluviométricos mensais do Nordeste. Recife, 1990.

UVO, C.R.B., 1989. A Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) e sua Relação com a Precipitação da Região Norte do Nordeste Brasileiro. Dissertação de Mestrado em Meteorologia, Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais, São José dos Campos, SP.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Climatologia em diferentes níveis escalares: mudanças e variabilidades