Avaliação espacial e temporal da precipitação extrema na região urbana de Campinas-SP

Autores

  • Tiago Vilar Ifanger Universidade Estadual de Campinas
  • Luiza Marchezan Bezerra Universidade Estadual de Campinas
  • Ana Maria Heuminski de Avila Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2420

Palavras-chave:

Quantil. Precipitação diária. Estações meteorológicas

Resumo

Um dos maiores desafios para o século XXI é o aumento dos eventos meteorológicos extremos, sobretudo em regiões tropicais em que esses eventos frequentemente são de curta duração e em pontos localizados. Seus efeitos podem ser amplificados pela vulnerabilidade dos centros urbanos. Este trabalho teve por objeto uma análise preliminar para identificar limiares de precipitação extrema na região urbana de Campinas. Foi aplicada a técnica dos quantis (Q=0,99) em três séries de dados disponíveis no município, ambas para o período de 1989-2016. Os limiares de precipitação extrema encontrados foram 74,5mm para a estação do IAC, 74,8 para a estação da Unicamp e 65,8mm para a estação de Viracopos.

Biografia do Autor

Tiago Vilar Ifanger, Universidade Estadual de Campinas

Geografia/Instituto de Geociências, UNICAMP.

Luiza Marchezan Bezerra, Universidade Estadual de Campinas

Geografia/Instituto de Geociências, UNICAMP.

Ana Maria Heuminski de Avila, Universidade Estadual de Campinas

Centro de Pesquisas Meteorológicas e Climáticas Aplicadas à Agricultura (CEPAGRI), UNICAMP.

Referências

AGUIAR, D. A. de; NUNES, L. H. Variabilidade pluviométrica de alguns municípios da Região Metropolitana de Campinas (SP) em dois períodos homogêneos. Sociedade & Natureza, Uberlândia, v. 18, n.35, 2006.

ANDRADE, K. M.; PINHEIRO, H. R.; DOLIF NETO, G. Evento extremo de chuva no Rio de Janeiro: Análise sinótica, previsão numérica e comparação com eventos anteriores. Ciência e Natura, v. 37, p. 175-180, 2015.

ALCÁNTARA-AYALA, I. Geomorphology, Natural Hazards, Vulnerability and Prevention of Natural Disasters in Developing Countries. Geomorphology, v. 47, 2002

CARNEIRO, C. B. L.; VEIGA, L. O conceito de inclusão, dimensões e indicadores. Belo Horizonte: Secretaria Municipal de Coordenação da Política Social, jun. 2004. (Pensar BH – Política Social, 2.)

CASTRO, Antônio Luiz Coimbra de. Glossário de defesa civil: estudos de riscos e medicina de desastres. 2. Ed., Brasília, DF: Imprensa Nacional, 1998.

IPCC (2007) – Intergovernmental Panel on Climate Change. Climate Change 2007: Impacts, adaptation and vulnerability. Cambridge: Cambridge University Press, 2007

IPCC (2012): Managing the Risks of Extreme Eventes and Disasters to Advance Climate Change Adaptation. A Special Report of Working Groups I and II of the Intergovenmental Panel on Climate Change (IPCC) [Field, C.B. et al. (Eds.)]. Cambridge, UK, e New York, NY, USA: Cambridge University Press, 582 pp.

IPVS (2010). Fundação Seade/Governo do Estado de São Paulo. Acesso em 13 mar 2017.< http://indices-ilp.al.sp.gov.br/view/index.php?selLoc=0&selTpLoc=2&prodCod=2>

MARENGO, J. A. Impactos de extremos relacionados com o tempo e o clima - Impactos sociais e econômicos. Mudanças Climáticas, n.8, p: 1-5, maio 2009. Disponível em: <http://mudancasclimaticas.cptec.inpe.br/~rmclima/pdfs/newsletters/Boletim_No8_Port.pdf>. Acesso em: 14 fev 2017.

MONTEIRO, J. B.; PINHEIRO, D. R. de C.; ZANELLA, M. E.; MELLO, N. G. da S . Desastres naturais: uma contribuição para a gestão de áreas de risco. Revista de Humanidades (UNIFOR), v. 27, p. 225-235, 2012.

PNUD – Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil/Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento. Acesso em 13 mar 2017 <http://www.atlasbrasil.org.br/2013/pt/ranking/>

XAVIER, T. de M. B. S.; XAVIER, A. F. S.; ALVES, J. M. B. Quantis e eventos extremos. Aplicações em Ciências da Terra e Ambientais. Fortaleza: RDS, 2007.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Climatologia em diferentes níveis escalares: mudanças e variabilidades