Relações entre a variabilidade pluviométrica e a produtividade agrícola do algodão herbáceo no Semiárido brasileiro

Autores

  • Caio Cesar Farias Diaz Universidade Federal de Pernambuco
  • Iwelton Madson Pereira Universidade Federal de Pernambuco
  • Deivide Benício Soares Universidade Federal de Pernambuco

DOI:

https://doi.org/10.20396/sbgfa.v1i2017.2428

Palavras-chave:

Climatologia. Agricultura. Semiárido. Período chuvoso

Resumo

Objetivou-se investigar o grau de influência da variabilidade das chuvas sobre a produtividade do algodão herbáceo tendo como base dados, APAC, FUNCEME e INMET para os dados pluviométricos e o senso agropecuário municipal da plataforma SIDRA do IBGE para dados de produtividade agrícola. A metodologia é composta de estatística básica, com utilização do coeficiente de correlação linear de Pearson para relacionar os dados de precipitação com os de produtividade e os desvios do erro médio padronizado para analisar essa relação ano a ano e obter melhor entendimento do comportamento entre as variáveis. Os resultados indicaram que a variabilidade da precipitação pode afetar em níveis diferentes no tempo e no espaço a produtividade onde a localização geográfica de cada região em estudo pode ser uma causa para essas distinções. Concluiu-se, portanto, que apesar de haver indícios, o desenvolvimento do algodão herbáceo não parece ter relação estatística direta com as chuvas. 

Biografia do Autor

Caio Cesar Farias Diaz, Universidade Federal de Pernambuco

Departamento de Ciências Geográficas, UFPE.

Iwelton Madson Pereira, Universidade Federal de Pernambuco

Departamento de Ciências Geográficas, UFPE.

Deivide Benício Soares, Universidade Federal de Pernambuco

Doutor em Geografia, Grupo de Estudos em Climatologia Tropical e Eventos Extremos (Tropoclima)/UFPE.

Referências

AB' SABER, A. N. Os domínios de natureza do Brasil: potencialidades paisagísticas. São Paulo, Ateliê Editorial, 2003, 158p.

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DOS PRODUTORES DE ALGODÃO - ABRAPA. Exportação Mundial de Algodão, 2016. Disponível em: <http://www.abrapa.com.br/Paginas/dados/exportacao-mundial-algodao_backup2017.aspx>. Acesso em: 14 de MAR de 2017.

CAMPOS, J. N. B. Vulnerabilidade hídrica do semi-árido às secas. Planejamento e Políticas Publicas, n.16, 1997, p. 261-298.

CARMELLO, V. Vulnerabilidade agricola da produção de soja na região metropolitana de Londrina - PR: analise da safra de 2005/06. Revista Geográfica da América Latina, Numero Especial EGAL, 2011, p. 1-16.

MARIANO, Z. F.; SANTOS, M. J. Z.; SCOPEL, I. Importância das Chuvas para a produtividade da soja na microrregião do sudoeste de Goiás (GO). In: GERARDI, L. H. O.; CARVALHO, P. F. (org). Geografia: ações e reflexões. Rio Claro : UNESP/IGCE : AGETEO, 2006. p. 383-398.

NAHEED, G.; CHEEMA, S. B. Impact of Rainfall Frequency during Late Spring Season on Wheat Crop in Major Agricultural Plains of Pakistan. Pak. J. Meteor. v.12, n.23, 2015, p. 43-48.

NAHEED, G.; RASUL, G. Recent water requirement of cotton crop in Pakistan. Pak. J. Meteor. v.6, n.12, 2010, p. 75-84.

PUTTI, F. F.; LUDWIN, R.; MACINI, N. Análise da viabilidade da Produção de Biodiesel a partir do uso do algodão. Fórum Ambiental da Alta Paulista, v.8, n.7, 2012, p. 127-142.

RAMIREZ, M. C. V.; KAYANO, M.T; FERREIRA, N. J. Stastistical analysis of upper tropospheric vortices in the vicinity of northeast Brazil during the 1980-1989 period. Universidad Nacional Autónoma de México Distrito Federal, México. Atmósfera, Vol. 12, No. 2, p. 75-88, 1999.

SILVA, M. T.; SILVA, V. P. R.; AZEVEDO, P. V. O cultivo do algodão herbáceo no sistema de sequeiro no Nordeste do Brasil, no cenário de mudanças climáticas. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 16, n. 1, 2012, p.80-91.

TEIXEIRA, A. H. C; BASSOI, L. H. Crop water productivity in semi-arid regions: from field to large scales. Annals of Arid Zone, v. 48, n. 3, p. 1-13, 2009.

UVO, C. R. B. A Zona de Convergência Intertropical (ZCIT) e sua relação com a precipitação da região Norte e Nordeste brasileiro. 1989. 91 p. Dissertação (Mestrado em meteorologia). Instituto de Pesquisas Espaciais (INPE). São José dos Campos-SP.

Downloads

Publicado

2018-02-04

Edição

Seção

Climatologia em diferentes níveis escalares: mudanças e variabilidades